Como vim parar em Piracanga | CAP. 5 | Vanessa Vende Tudo

O bate-e-volta de 15 dias em que entreguei o apartamento e vendi tudo o que consegui

Leia os capítulos anteriores:
CAP. 1 |
O piloto leitor de aura
CAP. 2 |
E vou até lá para fazer o quê?
CAP. 3 |
Piracanguense de coração
CAP. 4 |
O chamado

Um pouco antes de decidir que me mudaria para Piracanga, fiquei sabendo que uma amiga também viria. Era a Ana Patrícia, com quem eu havia feito Aura 1, Aura 2, Aura 3 e o Retiro de 9 Dias do Caminho do Amor (o processo de jejum) sem nunca termos combinado absolutamente nada! E o mais maluco é que nossa passagem para nos mudarmos para cá também estava marcada exatamente para o mesmo dia, 30/12/2015, uma quarta-feira. Depois termos nos unido espontaneamente em tantos momentos, chegava a hora de reconhecer a proximidade, essa verdadeira irmandade, que a vida fora construindo entre nós sem que nos déssemos conta.

Eu e a Ana fomos morar na mesma casa, da Angelina, e ela logo começou a trabalhar "oficialmente". Já eu sentia que ainda precisava de mais um tempo de seva (hindi para “serviço desinteressado”, ou voluntariado) para definir meus papeis neste início de novo ciclo. Logo me envolvi com o projeto de Comunicação de Piracanga, que estava renascendo, continuei ajudando com os e-mails e servi no Aura 1 de janeiro. Em uma das reuniões que aconteceram entre as professoras que acompanhavam este Aura 1 de realinhamento dado pela Angelina, entramos no assunto do treinamento das Leituras de Aura. Veio a ideia de criar um grupo específico para ajudar a conectar os leitores recém-saídos dos cursos. Eu estava bem quietinha na reunião, só olhando, mas senti de expressar que me dispunha a ser esta ponte entre a Comunicação e a Escola de Leitura de Aura.

Alguns dias se passaram e eu senti que meu lugar, neste momento, era mesmo aqui em Piracanga. Então, avisei a proprietária do apartamento em que eu morava que deixaria o aluguel em 2 de fevereiro — timing perfeito, não precisaria pagar multa pela rescisão pois os primeiros 18 meses de contrato, durante os quais há esse ônus, teriam acabado de passar. Comprei passagens de ida e volta para São Paulo e comecei a pedir ajuda para o Cosmos porque eu teria 15 dias para vender tudo e voltar. Para deixar tudo mais emocionante, resolvi abrir horários para Leituras de Aura. Foram 20 atendimentos com lista de espera (uhhh! hehehe), mais um de Florais de Bach.

Já em São Paulo, começou a maratona. O primeiro passo era ir até a casa dos meus pais e liberar espaço. Foram dois ou três dias encarando tudo o que eu havia largado ali, de roupas a livros. Muita coisa antiga foi para o lixo e resolvi doar 95% dos meus livros. Fiquei só com aqueles que eu uso atualmente, os especiais com dedicatória e alguns que eu gostaria de passar para a próxima geração =) Mas foram bem poucos, os que ficaram, em comparação com o universo original.

SOCORRO, MÃE! E PAI! E ANJOS E DEUS E AMIGOS ALGUÉM ME SALVA DESSA ZONA

Percebi que, sozinha, não ia rolar. Isso foi bem forte para mim, sair deste lugar em que era preciso dar conta de tudo sem ninguém, uma ilusão muito louca, muito urbana. Uma vez que me abri a pedir ajuda, fiquei com muito medo que ela não viesse, mas ela veio! Um amigo me ajudou a carregar as caixas de livros e a fotografar o carro, uma amiga veio até meu apartamento para me ajudar a tirar foto do que eu queria vender; sem falar nos meus pais, que estiveram (e estão) ao meu lado o tempo todo.

Assim que postei as fotos no Facebook, as pessoas começaram a aparecer muito rapidamente para comprar! Eu lembrava das palavras da Angelina quando disse que teria duas semanas para vender tudo: “Piracanga te vai ajudar”. Ajudou muito, segue ajudando e agradeço profundamente ❤

Minha tática foi tirar absolutamente tudo de todos os armários e gavetas para saber exatamente com o quê eu teria de lidar na mudança. Um lado meu adorou a ideia, mas teve outro que entrou em pânico quando viu aquela zona toda no chão. Teve um dia em que liguei para minha mãe chorando feito uma criança, no maior drama do mundo: “Socorroooo, mãe, eu não vou conseguir. Isso aqui tá uma zona, socorro, é impossível, essas coisas nunca vão sair daqui. Eu quero a minha mããããe”. É claro que ela não tinha muito o que fazer senão ouvir até o pequeno surto passar. Passou quando meu pai disse que me ajudaria a encaixotar as coisas e levar no carro dele, uma enorme Zafira. A menina mimada que morava em mim precisava vir à tona para poder ir embora. Mas ela voltou na Índia, mais sutil, numa camada mais profunda — autoconhecimento e purificação, um caminho sem fim!

As Leituras de Aura foram acontecendo, os pequenos atos da mudança também. A princípio, eu não sentia a força de fazer um bazar para vender as roupas, mas uma das meninas da Casa de Lua (ONG que, aliás, está fechando e tem algumas dívidas! se você puder ajudar com o que for, o link para o crowdfunding é este aqui) perguntou por quê eu não faria um bazar e se propôs a ajudar. Duas delas, na verdade. E graças a elas e também a uma amiga querida que tinha conhecido em uma vivência que facilitei na Casa, o bazar aconteceu! Era domingo pré-Carnaval, mas pessoas compareceram e consegui vender algo em torno de R$ 2.500 entre roupas, bolsas, sapatos, bugigangas eletrônicas, panelas e utensílios de cozinha. Os preços eram baixos, R$ 40 no máximo, então fiquei radiante quando vi o valor total! Um presentão.

Bruna Silveira, que além de incentivar bazares com roda de samba, também faz desenhos fofinhos para as amigas =D

Terminei a arrumação do quarto na casa dos meus pais e só ficou faltando vender a cama (esta aqui!) e o carro.

Ainda em São Paulo, recebi um e-mail da Angelina e da Amelia com uma proposta para que eu trabalhasse na Comunicação da Escola de Leitura de Aura, além da Comunicação de Piracanga, e fiquei muito feliz porque era exatamente o que eu estava imaginando para aquele momento. Vim então morar na Casa da Escola de Leitura de Aura e aqui estou.

Voltei, ajudei nos retiros que aconteceram durante o Carnaval, nos quatro primeiros dias do Aura 1 de fevereiro e logo entrei no Aura 4, que terminou bem no dia do meu aniversário de 31 anos, 1º de março, com uma grande festa para os piscianos e também para o lançamento do crowdfunding de Piracanga, uma experiência nova de muita união que ainda está no ar!

Uma semana depois, embarquei para a Índia com três objetivos claros: estar perto do Prem Baba, por isso não faria turismo, me iniciar como discípula e fazer o Quem Sou Eu. Mas, mesmo dentro destes planos, estava totalmente aberta para o que quer que viesse. Foi intenso!

Estou de volta a Piracanga após um mês e me sinto cada vez mais livre, ao mesmo tempo em que cada vez mais enraizada aqui. Alguns de vocês devem ter notado que esta série foi postada dentro de uma publicação chamada Piracanga Diaries que criei no meu perfil aqui no Medium. A intenção é postar textos e vídeos que me ajudem a seguir compartilhando estas novas experiências. Caso vocês queiram saber sobre aspectos específicos, deixem os temas nos comentários ou me escrevam, porque é a serviço da missão de comunicar que estou me colocando agora, seja via Piracanga, Escola de Leitura de Aura, Awaken Love ou este espaço próprio ;)

Muito grata a quem acompanhou os cinco capítulos desta história! Está sendo muito, muito importante para mim voltar a escrever e agradeço imensamente a força que sinto chegando desde o outro lado da tela. Que siga assim, leve e divertido ❤


"O processo do despertar inevitavelmente gera fricções, porque parte desse processo diz respeito à desconstrução de tudo aquilo que é falso. Se toda a sua história foi construída com base na falsa identidade, então você tem a impressão de que tudo está desabando. Quando inicia o caminho do autoconhecimento, você começa a despertar (inicia-se um processo de iluminação), o que é sinônimo de deixar de fantasiar. E isso pode ser bastante desafiador. Nesse momento é preciso lembrar que isso faz parte do processo. Você está renascendo para uma nova vida.”
Sri Prem Baba

Prabhu Aap Jago, Paramatma Jago, Mere Sarve Jago, Sarvatra Jago. Sukhanta Ka Khel Prakash Karo. | Deus/Amor desperte, Deus/Amor desperte em mim, em todos e em todos os lugares. Ilumine o jogo da bem-aventurança.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.