Foto: Reprodução/Internet / publicado em DIÁRIO DE PERNAMBUCO in “Homem transexual deve alistar-se, diz Ministério da Defesa”/ acesso 06/11/2018

DEMOCRACIA À SOMBRA DOS FUZIS

Com a eleição do ex-militar Jair Bolsonaro à Presidência da República, o povo brasileiro passa a conviver novamente com o risco d’um regime autoritário. Pela primeira vez desde a Redemocratização, um governo está sendo amplamente composto com generais do Exército, sinalizando para a população um claro divórcio com as classes políticas tradicionais e os movimentos sociais.

Dia após dia somos surpreendidos com as idas e vindas d’um Governo de transição que se pretende refundador do Estado sob o viés do desmonte das estruturas de bem estar social. Estruturas estas d’um país ainda engatinhava em promover oportunidades aos mais pobres. Anúncios de ministérios sendo fundidos com outras pastas dividem o noticiário com o esboço d’uma política externa temerária. Ressalve-se, contudo, que o presidente eleito não destoa do homem público Bolsonaro, que se celebrizou declarando, entre outras coisas, a necessidade de grandes mudanças na sociedade mediante o fechamento do Congresso além do elogio ao Período Militar. O quanto esse estado de coisas representa como risco ao processo democrático, contudo, deverá se manifestar em nossas vidas ao longo dos próximos anos.

Paralelo a isso, resta aos descontentes se reorganizarem. Muito tem se discutido nos últimos dias sobre o sentido de ser ou não ser RESISTÊNCIA. Embora o discurso de alguns veja n’essa movimentação o choro de maus perdedores, não são poucos os que observam com preocupação o desenrolar dos fatos. Não se trata apenas do trauma de se perder eleições maculadas com práticas de caixa-dois e manipulação de ambientes virtuais, mas antes a perplexidade diante da agenda conservadora e mesmo superficial que tem sido apresentada à opinião pública. Fala-se em RESISTÊNCIA como forma de demonstrar a insatisfação das minorias que se sentem desrespeitadas e ameaçadas pelas manifestações diárias de ódio e indiferença que se presencia.

É RESISTÊNCIA, ainda, a palavra que orienta a reação ao discurso que criminaliza o ativismo de direitos humanos e de justiça social. De fato, o que se percebe no governo em formação é sobretudo pressa em impor mudanças controversas nas políticas públicas de desarmamento, adolescência, acesso ao aborto legal e segurança pública enquanto as grandes questões econômicas como a privatização de estatais estratégicas e os marcos regulatórios da mineração e do agronegócio são guardados a sete chaves. Em termos gerais, a população se dá conta aos poucos que entregou um cheque em branco a um desconhecido sem muito compromisso com suas reais necessidades. Evidente que sua paciência será curta e as pesquisas de opinião tendem a manifestá-lo com a eventual manutenção da crise econômica e desemprego nos próximos seis meses.

Todavia, esse não é um governo normal. Acertar ou errar em políticas públicas jamais deveria pôr em risco a ordem institucional, o que, aliás, não concorda com as linhas de pensamento já defendidas por esses que agora nos governam. Não se trata apenas de bravatas infelizes contra nosso parlamento ou nosso supremo tribunal. Trata-se d’um modo de se fazer política ao qual nos desacostumamos, isto é, à sombra dos fuzis. Com efeito, às dificuldades normais de se compor maiorias no Congresso vêm se somar a falta de habilidade ou mesmo vontade de negociação que Bolsonaro e os seus têm demonstrado. Além do quê, jamais se deve esquecer quem é o seu vice e como se já impuseram pela força n’um passado recente aqueles que o cercam. Corremos o risco de assistir o futuro governo apagando incêndios com inflamáveis até incendiar o país para que os bombeiros de verde oliva se sintam obrigados a agir…

Ser RESISTÊNCIA hoje, mais do que nunca, é defender uma democracia que se encolhe diante de ameaças reais. Urge-nos inteligência e sensibilidade para denunciar sistematicamente as mentiras e contradições dos discursos autoritários, sempre buscando enxergar n’um horizonte mais amplo para onde os manipuladores de plantão pretendem levar a opinião pública.

É isso.

Betim — 06 11 2018


Gostou desse texto? Deixe suas palmas aqui (elas vão de 1 a 50). Siga a Pirata Cultural aqui no Medium e acompanhe os autores! Se quiser escrever com a gente, só clicar aqui