Netflix planeja gastar US$ 8 bilhões para fazer seu catálogo 50% original até 2018

A Netflix planeja gastar mais no próximo ano com o desenvolvimento e a produção de conteúdos televisivos e filmes originais, serão US$8 bilhões investidos. A companhia já havia dado uma projeção próxima a esse valor no passado, mas a Netflix anunciou que superou as expectativas do terceiro trimestre em US$ 1 bilhão, deixando claro para os investidores e para Hollywood que há planos de gastar muito dinheiro para assegurar a propriedade do próprio entretenimento.

Com a Disney e outras empresas renomadas aumentando a migração de conteúdo para sistemas fechados, o futuro da Netflix depende da certeza de controlar o seu próprio destino, e em assegurar que os fornecedores de conteúdo não tornem-se adeptos da moda de quebrar contratos por debaixo do tapete. O maior objetivo, reiterado pelos executivos da Netflix, é um que a companhia já tinha definido: uma biblioteca com 50% do conteúdo próprio para TV e filmes até o fim do ano que vem.

Em uma vídeo chamada com analistas, o Chefe de Conteúdo Ted Sarandos classificou que um pedaço considerável dos US$ 8 bilhões vai para a produção de 30 novas séries de anime e 80 filmes originais, todos com lançamento previsto para 2018. Enquanto a companhia tem constantemente mantido os números da audiência sob sigilo, Sarando deixa escapar que as métricas dos animes e dos filmes são um sinal positivo de que os investimentos nessas áreas estão indo bem.

Enquanto os animes não ganham prêmios para a Netflix no Emmy — e a ambição da companhia de ganhar um Oscar continua restrita a categoria de documentário –, investir em séries animadas e filmes independentes abre caminho para futuras parcerias criativas e ajuda a impulsionar a Netflix em direção ao objetivo dos 50%. Manchester À Beira-Mar da Amazon Studios arrematou dois Oscars para o roteiro e para a performance de Casey Affleck, sugerindo que a Netflix pode em breve conquistar um prestigiado prêmio. E o anime em particular ajuda a atrair os espectadores mais jovens que tradicionalmente vem consumindo conteúdo Japonês através da pirataria e, mais recentemente, por serviços de streaming.

No último mês a Netflix estreou a primeira série de anime original, a peculiar Neo Yokio, com Jaden Smith emprestando sua voz à produção do vocalista do Vampire Weeken, Ezra Koenig, que é uma mistura bizarra do oriente, ocidente e da cultura online. A companhia obteve sucesso trazendo produções japonesas para os Estados Unidos no passado com acordos generosos, e com séries como Knights of Sidonia e Ajin: Demi-Human achando audiência no mercado que fala inglês.

Neo Yokio. | Imagem: Netflix

A Netflix também ajudou o estúdio por trás dessas duas séries, Polygon Pictures, a produzir uma versão estendida em filme do clássico manga Blame! Agora, parece que a Netfix quer se envolver ainda mais no jogo dos animes originais, e Neo Yokio, ao lado da adaptação live-action do famoso manga e do anime Death Note, é só o começo.

___
Texto por:
Nick Statt
Traduzido por: Aline Bonn

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.