tinta vermelha

Red Wall 2 de White-Light-Filter

a pena tornou-se lâmina
não mais a ler-me
a invadir essências
em sua distinta caligrafia
 
enquanto lacera-me
impiedosa poesia
a extrair-me das veias
pigmento de sangue
cauteriza-me a alma
em invisíveis cicatrizes
dolorosíssimas
inventando-me
 
cientista e monstro
pelo tinteiro negro
cativeiros sólidos
em escrita inexata
 
não mais a ver-me 
suave superfície
me quero artífice
desconhecido
criando o tórrido
distorcendo belezas
até que assumem-se
anseios suicidas
 
e que acabem-se as vidas
criatura e criador
absurda quimera
em vermelho embebida

Vini Asevedo


Siga os perfumes e espinhos de Poesia Rosa