Nijverdal 2015 — Dias 2 e 3

Dia 2

Agora de manhã, acabamos mais uma sessão de treino matinal e vamos descansar para jogar contra a Ucrânia. Mais um jogo muito duro que se aproxima. E pelo que vimos ontem, estão bem melhores e organizados do que a última equipa que vi competir há uns 4/5 anos atrás…

Uma nota para o tempo ensolarado que se mantém, apesar das temperaturas se manterem entre os 2 graus noturnos e os 11 graus da hora do almoço.

A tarde começou com os nossos jogadores a aproveitarem ao máximo o descanso antes do jogo com a Ucrânia. Uma boa e necessária sesta refrescou o ânimo aos nossos atletas.

Seleção Nacional alinhada na apresentação para o jogo contra a Grécia

O resultado do jogo espelha a diferença de qualidade geral da formação entre os nossos países. Será uma constante que entregaremos a cada jogo. Contudo, contra uma equipa que não facilitou do principio ao fim, os nossos jogadores já estiveram mais desinibidos, conseguindo parar mais vezes os ataques adversários, recuperando mais bolas e rematando mais à baliza. Pena que não tivessem marcado mais uns golitos…

Para surpresa de alguns jogadores e da organização local tivemos cerca de 10 portugueses na bancada a puxar incansavelmente pela equipa. Pais e 2 treinadores (Helena Barros e Nuno Carrilho) estão CA desde ontem a acompanhar os jogos. De louvar esta iniciativa.

Dia 3

Hoje temos pela frente a super favorita Grécia, com os seus jogadores da outra dimensão. Não nos vão facilitar a vida!!!

Seleção Nacional à porta da piscina

Depois de nos vermos gregos na parte da manhã para encaixar a supremacia helénica o fisioterapeuta Paulo Fernandes teve finalmente trabalho forçado para atender e recuperar todos os que lhe pediram ajuda. Nada de lesões graves, mas como é de esperar as dores musculares são incomodativas, por acumulação ao fim de 3 jogos dificílimos.

Surpresa a concentração e a sobriedade com que a nossa equipa jogou os 2 primeiros períodos no jogo contra a Eslovénia. Surpresa total na piscina a equipa eslovena não conseguir encaixar no nosso jogo. A meio do 3º período a situação inverteu-se. Por cansaço assistimos a uma desconcentração generalizada e os eslovenos viram o resultado no fim do período e no inicio do 4º. Quando a nossa equipa assentou já foi tarde demais. Estava a acabar o jogo e perdemos uma oportunidade de averbar uma vitória sobre uma nação com pergaminhos na modalidade e cuja seleção sénior está a tentar guindar-se aos 12 melhores da Europa.

Seleção Nacional, no cais da piscina de competição

Após o jogo e já no caminho para o hotel, assisti com agrado à troca de impressões entre os jogadores preocupados com o que tinham feito mal e a assumirem entre eles algumas das situações negativas.

Objetivamente temos que reconhecer que da nossa participação ficará uma imagem negativa. Não vale a pena procurar explicações e desculpas. Todos sabemos o que há fazer: treinar mais e melhor! procurar que todos contribuam para um incremento do volume e da qualidade do treino nos clubes. E obviamente não podemos continuar a esperar pelos exames finais (torneios de apuramento) para ganhar experiência. Porque aqui mostramos o que fazemos no nosso país. É preciso criar condições e oportunidade para os jogadores elevem a fasquia e tenham bons resultados nos testes intermédios (outras competições menos importantes).

Aguardamos que o Paulo Fernandes faça mais uma vez um bom trabalho de modo a amanhã termos a equipa o melhor possível para o último jogo.

Já no hotel e no nosso descanso chegou mais uma lição para todos e sobretudo para os nossos jogadores: a Ucrânia venceu a Holanda. Ninguém esperava! Quando saímos da piscina estavam a ganhar por 2 mas já tinham um jogador com 3 faltas impedido de jogar. A questão seria quanto tempo iriam aguentar. Aguentaram mesmo e venceram a super favorita Holanda. Era visível entre os holandeses a confiança de que só temeriam a Grécia. A postura e algumas bocas na bancada não dava margem para dúvidas: ia ser um jogo interessante mas a preocupação era pouparem-se para amanhã.

Os treinadores irão amanhã com certeza, alertar os nossos jogadores para as semelhanças do que se passou hoje com a Eslovénia.

por Pedro Brandão (Team Manager), 14/03/2015

Show your support

Clapping shows how much you appreciated FPN’s story.