“RESPIRAR É O MELHOR REMÉDIO”: ENTREVISTA COM O MÉDICO TAOISTA MARCOS FREIRE

DANÇA DE RODA, HORTA URBANA, ALINHAMENTO DE COLUNA, RESPIRAÇÃO: RECEITA MÉDICA EFICIENTE PODE SER SIMPLES E BARATA

O painel sobre Saúde Integrativa que aconteceu no Festival Setor Criativo Sul foi rico em significados e levou à várias reflexões. Na saída, conversamos com o Marcos Freire para aprofundar alguns temas que apareceram rapidamente na conversa coletiva. O Marcos é médico do CERPIS Planaltina (Centro de Referência em Práticas Integrativas em Saúde) , com formação em Acupuntura e Taoismo na China.

PQN? | Como é a sua prática cotidiana em cuidados com a Saúde?

M.F. Cada vez mais entendemos a importância das experiências terapêuticas em grupos de pessoas. Há espaço para o atendimento individual, mas a convivência é fundamental para que as pessoas possam experimentar coisas que são fisiológicas e instântaneas, como respirar, sorrir, entender como é o alinhamento da coluna, sentar no chão, se dirigir para o céu. Entender o mais simples, o menos elaborado, como um meio de chegar à uma experiência de unidade.

PQN? | Qual a importância da Educação?

M. F. Eu gosto muito de Paulo Freire, e entendo que existe uma situação opressiva na sociedade e o jeito é a gente fazer uma educação libertadora. Eu acho que a solução passa pela libertação do indivíduo, que passa a ter consciência de si mesmo, das suas partes mais sutis, e assim passa a entender qual é o meio de operação da opressão. A mudança vem através da porção mais imaterial do ser humano, que é a vontade.

Boa parte do dinheiro da corrupção é usada para financiar a mídia, para convencer a população que a saúde pública está boa, que há crescimento econômico, enquanto a gente não constata isso. As pessoas estão sendo manipuladas pelo sistema dominante e opressivo, e a gente tem que atuar denunciando isso e dando meios para as pessoas se apropriarem de si mesmas, da própria vontade e da atenção, a estabelecerem unidade com a natureza e com as outras pessoas. Esta unidade é que pode proporcionar liberdade e autonomia.

PQN? | Como você vê a depressão, doença cada dia mais prevalente na atualidade?

M. F. A gente vive em um mundo acelerado, que causa ansiedade, que pode evoluir para uma depressão. Há um aumento exagerado de energia e a consequente falta de energia que vem depois. Mas há remédio para isso. É importante desacelerar, diminuir o ritmo, e um dos remédios que a gente sempre tem prescrito é barato e eficaz, existe há mais de 5 mil anos, preconizado pela yoga: a respiração.

Se você domina a sua respiração, você domina a sua vida

É um método extremamente eficaz e ao alcance de todos para diminuir o ritmo: ao diminuir a velocidade da sua respiração, você sintoniza a sua mente a você mesmo, e tem a possibilidade de experimentar a unidade da sua mente com o seu corpo, de seu corpo com a natureza, com quem está à sua volta. E esse é o ponto primordial.

Experimente fazer esse exercício: respire profundamente, o mais lentamente possivel, faça uma pequena pausa de uns 3 segundos, vai esvaziando devarinho, faça outra pausa.

A gente normalmente respira uma média de 15 a 16 vezes por minuto — não aconselho ninguém a ficar contando no relógio mas dá para respirar 7 vezes por minuto, se fizer uma respiração lenta e profunda. Tem um exercício chinês que já é razoavelmente difundido no Brasil, que é o Lian Gong, que é exatamente isso: respirar mais devagar e consciente. Ninguém fica com falta de ar, pelo contrário, a gente respira mais amplo. Para isso tem que usar a vontade, a atenção. E aí a gente vai experimentando a unidade, que é onde a gente entra em processo de cura.

A cura acontece quado a gente transcende o próprio eu”

PQN? | Marcos, você acaba de repetir uma frase que o Sérgio Pamplona disse hoje na palestra da manhã, Permacultura! Ele estava falando de agricultura sustentável. Então podemos entender que curar o eu é curar o sistema, e vice-versa?

M. F. Sim, essa é uma receita antiga de Buda e Lao Tsé: a causa da depressão é você se identificar demais como algo separado da natureza.

O eu funciona, mas ele não existe

PQN? | Então a depressão pode ser causada pela auto-exposição massiva, especialmente através das mídias sociais? O ego hoje está mais evidente do que no passado?

M. F O ego hoje é muito mais exacerbado, a gente vive uma separação entre você e o mundo, você e o outro, personalizando muito as experiências; o que é uma coisa falsa. Temos que encontrar consistência para viver a sua divisão, mas voltar também à unidade.

O grande desafio é adquirir a experiência da unidade e da divisao, e ter tranquilidade para transitar esse caminho, que é um caminho construido ao longo de anos.

Hoje quando você fala que o ego esta mais preponderante, a gente precisa aprender a ir do ego para a unidade, aproveitando tudo o que o ego traz mas sem perder a ternura da unidade com o todo.


Porquenista é a Revista do PorQueNão? no Medium. Esta entrevista é mais um dos lindos conteúdos que criamos. A gente acredita que a transformação vem através de bons exemplos, e para continuar trabalhando com um time incrível mais os equipamentos e deslocamentos necessários, contamos com você.

Conheça a nossa campanha de financiamento recorrente | apoia.se/porquenao