Eu e a Baobbá, uma Empresa Livre

Mas Sheylli, não tem líder?

Não!

Como não?! Todas as organizações da humanidade, mesmo primitivas tem um líder.

Nós não temos, todos são líderes.

Mas quem cobra as pessoas?

Cada pessoa se dispõe ao trabalho e entrega, não precisa ser cobrada. São todos sócios e não funcionários.

Mas se o meu trabalho depende da entrega de outra pessoa e ela não entrega?

Ela entrega!

E se ela não entregar? Se um imprevisto acontecer?

Ela vai avisar antes e já terá buscado uma solução.

Mas quem concentra tudo? Quem lidera o projeto e sabe de tudo pra dizer o que cada um tem que fazer?

Você chegou no ponto. Ninguém disse o que cada um deveria fazer, foram as pessoas que escolheram fazer. Todos sabem o dia que acordamos juntos para o lançamento do produto e fazem o necessário pra que isso aconteça. Assumem a responsabilidade.

Mas na reunião, quem lidera a reunião?

Tivemos uma reunião geral hoje e cada um liderou um pouco de acordo com o assunto. Eu coloquei um ponto e acabei liderando um pouco mas alguém já sugeriu algo e começou a liderar e assim foi. Não tem pauta. As pessoas colocam necessidades com BOM SENSO. Teve quem compartilhou um sonho, outro comemorou realizações, outro expôs um problema, outro um conflito interno, combinamos algumas práticas e saímos todos animadões.

Todos lideram e quem realmente sabe liderar sabe também ser liderado.

Uma amiga trabalha em uma multinacional com tecidos, o CEO foi demitido e não vão contratar outro. Ninguém está sentindo falta, segundo ela.

Pra mim o CEO é um modelo aspiracional que estimula competição e culpa. Um culpando o outro pelos erros e tentando virar CEO, sonhando em “subir” na carreira. Tentando virar supervisor, gerente, diretor e por aí vai. Como não temos cargos aqui, isso perde todo o sentido.

Claro que temos desafios. Algumas pessoas nunca empreenderam e sempre trabalharam no sonho dos outros. Elas muitas vezes estagnam buscando autorização pra agir ou pra mudar de rota. Aqui ninguém manda em ninguém e quem se sente assim é responsável por buscar suas respostas com o apoio de todos. Temos meditação antes das reuniões, yoga 4X na semana e a Guiança que articula pequenos grupos pra solução de conflitos. Não fomos criados com autonomia e as vezes esperamos aprovação e elogios. Quando escolhemos nossa vida e nosso trabalho a realização nos completa, o criar juntos.

Ao memo tempo alguns tem carreira consolidada mas são acostumados a trabalhar sozinhos, não tem o conforto da rede, são desconfiados como eu. E a CONFIANÇA é um dos pilares de uma empresa livre onde as pessoas são realmente mais importantes que o negócio. Eu estou aprendendo a ter ajuda.

Se eu cair, eu caio na rede! E ela é tão plural, temos pessoas com habilidades, sonhos e crenças tão diferentes que o sistema se fortalece, como em uma agrofloresta (que é um dos pilares da Academia da Natureza, um dos nossos braços). Não somos a favor da monocultura. São múltiplas fontes de receita, aprendizado e abundância!

O que eu mais gosto é de ser exatamente eu do meu jeitão e ser super útil em muitas coisas. SER QUEM VOCÊ É DE VERDADE. Nunca fui julgada na Baobbá, nunca cumpri horários. Também não gosto de sair pra comer junto, eu detesto até comer todos os dias na mesma hora. Ninguém está me vigiando além da minha consciência e assim eu posso me respeitar e aprender a respeitar cada vez mais as peculiaridades de cada um.

É um grau tão elevado de respeito por si e pelo outro que dá vontade de ficar aqui e eu to ficando (na verdade já to namorando!kkkkk). E isso independe de amizade ou intimidade - é só trabalho. Mas trabalho do jeito que a gente sonha não do jeito que nos disseram que funcionaria. Podemos inclusive, juntos, adequa-lo, respeitando nossas novas necessidades.

Num ambiente amoroso todos florescem.

Destaquei alguns dos nossos princípios, Bom Senso, Confiança e Ser quem você é de verdade. Tá curioso? Entra no site http://baobbalab.com

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Sheylli Caleffi’s story.