Tenho 15 anos e tenho mais experiência com blogs do que a maioria das pessoas que conheço. E não, não me orgulho disso. Em toda a minha vida, eu já devo estar na casa das centenas em número de blogs produzidos e que não foram para frente. Já tentei fazer páginas sobre diversos temas, com diversos conteúdos, em diversas plataformas. O único que consegui manter durante algum tempo foi o iToschi.com, que chegou à incrível marca de dois anos no ar. 

Logotipo do iToschi.com, feito pelo meu amigo Douglas Mitsujii.

Sempre havia alguma coisa que me incomodava e, na maioria das vezes, era a plataforma na qual eu trabalhava. Dava tanto trabalho montar o layout do blog, mas tanto trabalho, que eu esquecia de me focar no próprio conteúdo. Tenho ideias que me orgulho até hoje e que, desde que fossem adaptadas, poderiam se sair muito bem ao meu ver. De toda forma, nunca fiquei feliz com uma plataforma para fazer um blog pessoal.

Enfim, desencanei e comecei a trabalhar em outros blogs, que não eram meus: o Portal da Mundo RPG Maker (que é WordPress) e o GameBlast (que é Blogger), só que sempre senti falta de um lugar para falar o que eu penso, o que eu aprendo, minhas teorias sobre viagens no tempo e sobre O Guia do Mochileiro das Galáxias. Eu até tentei isso com o tumblr fazendo um blog “experimental” com um amigo - o Creatives HQ - mas, infelizmente, não deu lá muito certo e o tumblr não me agradou.

Aí eu conheci o Medium.

Chama Chico Xavier aí pra mim!

Okay, desculpem pela piada, mas foi a primeira coisa que pensei quando descobri o que é o Medium. Porém, talvez, essa deve ser a ideia: se preocupar apenas na informação que vem da sua mente - e a plataforma seria a responsável por “psicografar” estas informações para a internet. E, sinceramente, faz esse papel muito bem.

Minimalismo é uma das palavras de ordem. Quando eu falei em “se preocupar apenas na informação”, você realmente só vai pensar nisso (até o momento de pensar que poderia ter uma foto ali para ficar legal - eu acabei de passar por isso, acreditem).

Minimalismo é tipo isso aqui, entendeu? (ah, isto é uma referência ao Donkey Kong de arcade, se você, infelizmente, não entendeu)

A premissa é perfeita para o que eu queria e espero que existam muitas outras pessoas assim por aí: quer escrever sobre algo? Esqueça HTML, CSS, JavaScript ou qualquer coisa sobre webdesign. Vá para o Medium, escreva bem e vai ficar lindo e bem organizado.

O Medium foi a resposta para os meus problemas. É, não são os problemas mais importantes do planeta, mas foi o que eu buscava: um lugar para colocar o que eu penso (sobre viagem no tempo), o que eu imagino (sobre viagem no tempo) e o que eu aprendo (sobre… ah, vocês entenderam). Se eu estivesse no programa do Raul Gil, eu “tiraria o chapéu” para ele.

“Pegue seu banquinho, e saia de mansinho.”