Mesmo eliminado, Maribor foi visitante indigesto para o Spartak Moscou

O Maribor já sabia das dificuldades que enfrentaria na Rússia. Adversário tecnicamente superior, estádio lotado, além do frio cortante. Dito tudo isso, os eslovenos fizeram uma partida louvável.

Foto: Getty

Já com a proposta de dar a bola ao adversário, se defender e explorar os espaços desde o início, o Maribor conseguiu igualar as forças frente a um Spartak pouco criativo. Na primeira etapa, o adversário ameaçou apenas em cruzamentos e chutes de longa distância.

No segundo tempo, os eslovenos foram ainda melhores e, com os russos desesperados, o Maribor conseguia sair com espaço várias vezes. Em cobrança de falta na área, Marco Suler acertou a trave. Aos 31 minutos, Zé Luís perdeu uma chance inacreditável na pequena área.

Mesmo que a proposta reativa seja eficiente, a equipe que a adota está sujeita ao imponderável, a um gol inesperado, que ninguém tem culpa, e que acontece justamente porque o adversário aluga o seu campo durante o jogo todo. Aos 36 minutos, foi exatamente o que ocorreu. Numa grande “trombação” na área, a bola inexplicavelmente sobrou limpa para o mesmo Zé Luís completar de carrinho.

Já não tendo nada a perder, o Maribor se lançou ao ataque e Pihler errou um gol incrível aos 44 minutos. Nos acréscimos, após boa tabela, Mesanovic ficou livre na pequena área, mandou pro fundo das redes e jogou água no chopp dos russos.

Foto: Maribor

Os eslovenos já estão eliminados, e isso se deve à grande irregularidade da equipe, tanto em resultados como em apresentações. O Maribor fez partidas consistentes, principalmente nas duas pelejas contra o Spartak, mas também foi presa fácil e alvo de goleadas, que coletivamente, nada funcionou. Se o nível de atuação em Moscou fosse regra, nesse momento os eslovenos estariam com a mão na calculadora e sonhando com coisas maiores.