Luan e Lucas Barrios são duas das armas gremistas na disputa pelo Bicampeonato da Copa do Brasil. O Tricolor em forte em busca do título (Foto — Divulgação Facebook)

Duelos de gigantes

Finamente chegamos naquele ponto que pode ser considerado a “hora do rush” do futebol brasileiro em 2017. Os grandes clubes do país estão tendo que disputar jogos de várias competições simultâneas num intervalo de tempo bem menor que o ideal, uma realidade já conhecida de nosso futebol. Dentre os torneios que estão em disputa, a Copa do Brasil definiu nesta última segunda-feira os confrontos entre os oito melhores times do torneio que decidirão os semifinalistas da segunda competição mais importante do país. Em decorrência do bom nível dos times, a expectativa geral é a de que veremos jogos interessantes e imprevisíveis naquela que talvez seja a disputa mais equilibrada pelo caneco deste torneio em muitos anos.

Os jogos ainda não tem datas definidas, mas colocarão frente-a-frente Atlético Mineiro e Botafogo, Flamengo e Santos, Grêmio e Atlético Paranaense, Palmeiras e Cruzeiro. Dentro deste confronto há nada menos do que seis “sobreviventes” da Libertadores da América, e o Flamengo, clube já eliminado. Em comum todos estes times investiram pesado este ano da expectativa de conseguir bons resultados dentro de campo, o que parece estar ocorrendo… Ao menos neste torneio.

Botafogo segue vivo na Libertadores, vem bem no Brasileirão, e chegou às quartas-de-final da Copa do Brasil eliminando o Sport (Foto — Divulgação Facebook)

Galo e Fogão são dois dos times que ainda disputam a Libertadores e aguardam por seus adversários na competição internacional, e se enfrentarão pela Copa do Brasil. Os Alvinegros vem de boas campanhas, embora os Mineiros tenham tropeçado mais neste início de Brasileiro do que os cariocas. Dentro de campo o imponente elenco do Atlético assusta, mas tal como no ano passado parece faltar aquela pitadinha de sorte para colocar a equipe no patamar que pode ocupar. Já o Botafogo segue dando trabalho para seus adversários mesmo sem estar recheado de craques, o que evidencia a importância do trabalho do técnico Jair Ventura à frente do time. Mesmo admitindo que a menina dos olhos dos dois clubes no ano é a Libertadores, passar de fase e chegar a uma semi-final da Copa do Brasil pode ser um alento e tanto no caso de uma eventual eliminação na competição internacional, o que certamente transformará o jogo numa batalha das mais duras e disputadas.

Outros dois “sobreviventes” do torneio sul-americano são Grêmio e Atlético Paranaense, que irão reeditar um confronto acontecido nas Oitavas de final da edição da Copa do Brasil do ano passado onde o Tricolor levou a melhor. Os Gaúchos chegam com moral depois da excelente campanha na Libertadores e do bom início de Brasileirão — estão na vice-liderança depois da 5ª rodada — apresentado um futebol que já é classificado por alguns analistas como o melhor do Brasil no momento. Já o Furacão chega com a moral de ter sobrevivido ao “grupo da morte” da Libertadores, e ter — ao menos no papel — um de seus melhores elencos dos últimos anos, embora não tenha começado bem no Brasileiro. Ainda assim, quem tem acompanhado de perto o futebol do time comandado pelo recém chegado Eduardo Baptista sabe que o Rubro-Negro está longe de apresentar um futebol desprezível e certamente irá dar trabalho ao bom elenco do time de Renato Gaúcho. Vale lembrar que os times já se enfrentaram pelo Nacional recentemente e o Grêmio levou a melhor em plena Arena da Baixada. Será que teremos uma revanche à caminho?

Mesmo em má fase o Flamengo chegou às quartas-de-final da Copa do Brasil ao eliminar o Atlético Goianiense (Foto — Divulgação Facebook)

Já Flamengo e Santos apresentam o confronto de um eliminado da Libertadores contra um sobrevivente. O Mengo que era apontado com um dos favoritos ao título do torneio internacional sucumbiu ao famigerado “grupo da morte”, e não teve o começo dos sonhos do Brasileiro embora esteja longe de estar numa “má fase”. Ainda assim o time de Zé Ricardo é qualificado o bastante para ser apontado como um dos principais favoritos ao título da Copa do Brasil mesmo tendo que conciliar o torneio com o Brasileirão e a Copa Sul-Americana. Já o Santos, mesmo tendo avançado de fase na Libertadores, não vive uma fase das mais animadoras dentro de campo e nos bastidores. A saída do técnico Dorival Junior — Levir Culpi foi contratado para seu lugar — foi a demonstração definitiva que as coisas não andam tão bem no reino da Vila Belmiro, o que já parecia óbvio diante do futebol pouco inspirado demonstrado nos últimos tempos. Ainda assim o Peixe tem um elenco interessante que tem a oportunidade perfeita para demonstrar seu valor se conseguir cumprir a dura tarefa de eliminar o Rubro-Negro.

Por fim, o único time da Copa do Brasil que não disputou a Libertadores deste ano, o Cruzeiro, enfrentará o badalado Palmeiras. A Raposa vem bem oscilante ao longo do ano, onde chegou a demonstrar bom futebol em algumas partidas, mas ainda está longe de convencer seu torcedor. A eliminação na Copa Sul-Americana aliada ao começo irregular de Brasileirão colocam o time como uma incógnita nesta fase da competição. Não há dúvidas do potencial do elenco Celeste, mas sem dúvidas o time terá que jogar o que ainda não apresentou no ano se quiser passar de fase. Já o Palmeiras, mesmo com o time recheado de grandes nomes, também sofre com as apresentações irregulares. A chegada do técnico Campeão Brasileiro Cuca deu esperanças ao torcedor de que o time frio e calculista que desfilou pelos gramados do Palestra Itália em 2016 voltaria a dar as caras, mas pelo menos por hora não é bem o que está acontecendo. O Verdão precisa de ajustes para render tudo o que pode, e certamente precisará evoluir se quiser sonhar com o título Copa do Brasil.

Sem datas dos confrontos definidas só nos resta aguardar pelos confrontos que, ao menos em teoria, prometem oferecer muita emoção para os torcedores dos clubes envolvidos. Quem vençam os melhores.

Brasileirão, o início

Pouco badalado, o Corinthians conquistou a liderança do Brasileirão batendo o Vasco (Foto — Divulgação Facebook)

Enquanto a Copa do Brasil vem se aproximando de sua fase mais aguda, o Brasileiro apenas começou. E, mesmo em suas primeiras partidas, não faltam resultados surpreendentes até aqui. Alguns times pouco comentados antes do início da competição tem se destacado e, ao menos por hora, roubado os holofotes do campeonato mais longo e importante do país.

Estaremos nós diante de mais um Brasileirão digno de carregar o inesgotável clichê de “imprevisível”? Vamos aos fatos:

Ao fim da quinta rodada as três primeiras posições são ocupadas respectivamente por Corinthians, Grêmio e Coritiba, times que dificilmente figuravam na lista de favoritos à briga pelo título quando o campeonato começou. É bem verdade que é absurdamente cedo para fazer qualquer prognóstico mais preciso e cravar que estes clubes seguirão até o fim brigando pela ponta, mas é sintomático observar como times já eliminados de competições paralelas tem rendido melhor dentro de campo. Obviamente não se pode tirar os méritos destes clubes, mas é fato — que eu inclusive já ressaltei em meu texto sobre as expectativas para o torneio deste ano — que especialmente neste ano com a ocorrência simultânea de Libertadores e Copa do Brasil junto ao Brasileirão alguns times sofreriam com a intensa carga de jogos e consequentemente cairiam de rendimento ao longo do Nacional.

Coincidência ou não, de todos os times que ainda permanecem vivos na Libertadores e Copa do Brasil, apenas o Grêmio tem se destacado. Os demais tem alternado posições intermediárias, ou até mesmo a Zona de Rebaixamento, como no caso do Atlético Paranaense. Já clubes como Flamengo e Palmeiras, apontados como francos favoritos ao título antes da bola rolar, estão frequentando a metade baixa da tabela, e já se veem sob intensa pressão de torcedores e jornalistas para justificarem as altas expectativas.

Com relação ao futebol apresentado dentro de campo, até aqui não há muito do que reclamar. Em meio aos inevitáveis embates insossos, há jogos realmente emocionantes como o acachapante 6x2 do Bahia sobre o Atlético Paranaense, e o 3x6 do Grêmio na Chapeconense. Além do mais, ao menos até aqui, parece que o nível médio das partidas tem sido bem aceito pelos torcedores em geral, um alento e tanto diante do calendário apertado que prejudica o rendimento das equipes e consequentemente enfraquecem o Campeonato.

Mesmo admitindo que ainda há muita bola para rolar pelos gramados brazucas, é fato que este princípio de Brasileirão nos apresentou perspectivas interessantes que serão colocadas à prova ao longo destas 33 rodadas restantes. Vamos aguardar e acompanhar.