Sobre o que eu estou fazendo no Medium e porque o nosso quarto é o reflexo da nossa vida.

Para ler ouvindo: I’m With You — Avril Lavigne 🎵

E foi assim, na insonia de uma madrugada de domingo que saiu o primeiro texto. Me parece fazer bastante sentido, afinal foi sempre nessas madrugadas que tive as melhores e mais loucas idéias.


O trabalho amanhã as 8h30min já não me preocupa; não sei dizer se é pelo fato de que estou segura do que tenho a fazer (mesmo após poucas horas de sono) ou porque esse texto finalmente esta saindo☺ (ou porque já estou acostumando a dormir pouco — trabalhar muito).

Mas afinal, o que tem de tão importante nisso?

Para você, talvez nada. Para mim, o começo da ordem. No meu quarto, no meu coração e principalmente na minha vida.

Porque toda mudança começa na gente e depois no quarto.

Então esse é um diário? Talvez.
Um hobbie? Talvez.
Um blog? Talvez.
Tem alguma coisa que é certa?
Que todos vamos morrer e que eu preciso desabafar.

É bem louco dizer isso, com a imensidão de possibilidades na palma da mão que a internet nos trouxe, mas a verdade é que, tem sido difícil encontrar um local para se expressar, abrir o coração, encostar a cabecinha no ombro e chorar ☹.

UÉ, mas a gente não faz isso nas redes sociais?

Mas eu não me refiro a expressão goela abaixo como tem sido as redes sociais nos últimos anos, eu me refiro aquele local em que as pessoas vão ler por gosto, opinar porque querem e escrever porque querem também. Assim, exatamente como eu e você estamos fazendo.

Eu passei semanas pensando em como fazer com que eu não parecesse querer bancar a redatora, blogueira ou qualquer coisa semelhante, acredito que meu erros deixarão isso bem claro.

Eu to muito longe de uma redatora, escritora, blogueira e espécies semelhantes.

Estou tão longe, que se fossemos o elenco de Star Wars, os redatores seriam o mestre Yoda e eu o Jar Jar Binks. (não entendeu? da um google)

Mas isso não me impede de escrever. Aliás, nada me impede de escrever.

A cada palavra que escrevo me vejo admirando cada vez mais os mestres.

Me senti de volta a 2003 no primeiro filme que assisti do Johnny deep onde fiquei perdidamente apaixonada! ❤ Pois bem amigos, é assim que me sinto com as palavras.

Elas, que durante anos esnobei, ignorei e zoei.

Elas, que podem acalmar tanto quanto podem ferir.

Elas, tão complicadas e perfeitinhas. (ba tum tss)

Não deve ser a toa que se julga no feminino.

Caso você ainda não percebeu, mas o medium é tipo a rede social de quem gosta de textão. Bacana né? A regra é você quem faz.
Eu não sei ainda quais temas vou trazer pra cá, mas a minha regra é se perguntar: POR QUE NÃO?

Algumas semanas antes desse texto nascer, eu passei alguns (vários) dias lendo o que as pessoas postavam e falavam sobre o Medium, e então tive a certeza que era exatamente isso que eu estava precisando ☺

Saber que existe um local onde você se ajudar e ainda ajudar alguém com uma situação parecida, ou simplesmente fazer alguém rir (ou chorar) com as besteiras que escreve me parece legal, bora tentar.

O médium foi aquela luzinha no fim do túnel da internet.

E para ficar ainda mais divertido, vou me impor alguns desafios extras.
O tema de cada post será relacionado a uma ou mais fotos que postei nas redes sociais, e essas devem estar no post, completando o sentido do texto.
Cada post será acompanhado de uma música. Escrever ao menos a cada 15 dias. Cada texto resolvendo um novo problema gramatical. Foco.

Por que estou fazendo isso?

WHY NOT?

Mas eu posso explicar melhor; em todos esses anos de industria vital de internet eu nunquinha (com exceção de textão indireta no tumblr e textão auto ajuda no face) havia me expressado e isso é importante pra mim por diversos motivos que deixarei a um próximo post (lembra do foco? Estou tentando).

Também porque eu realmente acredito nas minhas idéias, ao ponto de mostra-las ao mundo e acho que todos deveriam fazer o mesmo.

É um ato de coragem e confiança com a sua bagagem de experiências e falando assim fiquei mais decida ainda. Eu nunca tive um blog, um fotolog e nem coisa do tipo, mas sempre dei meu jeitinho de me expressar.

Agora seriozão, já se foi mais da metade texto e ainda nem comentei sobre a parte 2 do título. É difícil manter o foco amigos ☹

Nosso quarto é um reflexo da nossa vida simplesmente porque ele reflete aos cuidados que você tem com você mesma.

Parece óbvio. E é mesmo.
Experimenta AGORA arrumar o quarto, jogar fora coisas que não usa , doar roupas, limpar gavetas; e me diz que a esperança na vida não começa a voltar?

Já está tudo limpo? Mude os móveis de lugar, pinte uma parede, apenas faça alguma coisa minha filha.

A gente tem a mania de querer mudar o mundo sem mudar a gente.

Com aquele clichêzão que não sai de moda, mas que não entra na cabeça nunca eu começo a minha despedida, mas prometo voltar o mais breve possível.

Como de costume, eu não me apresentei. (incrivelmente isso também acontece na vida real, um dia descubro o porquê)

Prazer, eu sou a Priscila Milk ☺

Já limpei o quarto agora só falta o coração e a vida. Mas acredito estar com tudo na mão.

Bom, no momento não tenho muito a oferecer caro leitor, mas peço que fique!

Vamos conversar, me conta o que você acha da vida.
Prometo bons cafés, assuntos polêmicos, outros nem tanto e algumas risadas.

Me parece o suficiente para ser feliz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.