DevOps e Python

Uma visão bem-humorada da carreira da moda em tecnologia da informação

Photo by imgix on Unsplash

Sua vó vem passar o feriado na sua casa e pergunta:

— O que você faz mesmo, filho?

— Sou DevOps, vó.

— Você trabalha no DOPS?

— Não, vó, sou DevOps: D-E-V-I-O-P-I-S

— Que raio de profissão é essa meu neto?

Vamos tentar explicar DevOps pra vovó…

No início dos tempos existiam os programadores (vulgo Devs, de software developers) e os administradores de rede (vulgo Ops, de system operations). As duas raças nunca se deram muito bem, podemos até dizer que são inimigos naturais como os vampiros e lobisomens na série Anjos da Noite. E claro os vampiros (programadores) se acham superiores só porque podem voar:

Original em https://xkcd.com/353/

Como o próprio nome indica, os desenvolvedores resolveram criar um ser híbrido super-poderoso para acabar com a galera da infra chamado DevOp. Os DevOps podem voar como os vampiros e também podem sair no sol como os lobisomens. Ou quase isso…


A Revolta dos Devs

Eu trabalhei muitos anos na área de infra-estrutura. É a área mais ingrata da TI porque as pessoas só lembram que você existe quando dá algum problema — ninguém vem te dar parabéns quando tudo está funcionando 200% mas se a conexão Internet pisca por 5 segundos alguém logo grita: liga pros bostas do suporte!

Sério, como os lobisomens do filme Anjos da Noite, ninguém respeita a galera de operações. O ônus da prova é sempre dos administradores de rede, porque os programadores nunca fazem cagada, certo?

A galera do desenvolvimento vem com aquele ar superior, cheia da marra, e depois reclama quando todo mundo do suporte fica escondido na sala do servidor jogando minecraft.

Cansados de esperar o pessoal passivo-agressivo do suporte a operações atender suas solicitações no último segundo antes de vencer o SLA, os desenvolvedores de software resolveram o problema usando a única ferramenta que conhecem: programação.

Os programadores querem dominar o mundo…

E estão conseguindo. Estão tocando os designers pra fora do campo com o tal UI/UX e os administradores de rede com as disciplinas de DevOps. O que isso significa?

Significa que não tem essa de falar “não gosto de programação”. O design digital foi “comoditizado”: no começo da Internet todo site precisava ter seu botão enviar “exclusivo” e tudo que você precisava era um pouco de bom-gosto e saber operar o Photoshop. Hoje todo mundo usa bootstrap e todos os botões são iguais, flat total. Tem templates prontos excelentes com centenas de opções de personalização para tudo que é tipo de site por 10 dólares ou menos. É cruel, mas se você é um designer digital que não quer aprender a programar, sinto muito, não vai mais trabalhar fazendo site (pelo menos não nas melhores empresas). Contente-se em projetar cartões de visita ou coisa parecida.

A mesma coisa com a galera de infra. Se você não aprender a programar, vai virar um trocador de mouse quebrado (e o salário vai acompanhar). Não adianta chorar, reclamar, o mundo mudou! Antigamente você fazia deployment a cada 3 meses no máximo, agora tem empresas que fazem centenas de deployments por dia: simplesmente impossível sem programação.

Continuous Integration, Continuous Deployment, Orquestração de Nuvem, Containers… Todas estas atividades envolvem automação.

Nessa altura esperamos que a vovó tenha entendido o que é DevOps. Vovó? Vovó? Xi, dormiu coitada. Devia ter falado apenas que DevOps é um híbrido de programador e administrador de redes.

“ Half Vampire… Half Lycan… but stronger than both! “
Singe theorizing about the first Hybrid

Python

Mas o que isso tem a ver com Python? Com a perda de popularidade da linguagem Perl, Python se tornou uma das principais linguagem para automação de infra-estrutura.

Assim como Perl, Python possui uma gigantesca biblioteca padrão contendo módulos para fazer praticamente qualquer coisa. Pessoalmente acho Python muito mais simples de manter (as vezes nem eu entendia o que tinha escrito quando precisava fazer manutenção nos meus próprios script Perl alguns meses depois).

Eu gosto de dizer que existem dois tipos de pessoa, quem chora e quem vende lenços. Quem está na área de infra e não programa precisa começar a pensar na carreira: você quer aprender a programar e vender lenços ou você quer chorar?

Se você decidir tomar a pílula vermelha e aprender a programar, Python é uma das melhores opções (sem contar a popularidade nas áreas de Data Science e Inteligência Artificial).

E ai campeão, o que vai ser?

Conclusão

Surgem novas ocupações, outras entram em decadência. Eu sempre gostei de programar e não poderia estar mais feliz por ter mudado de carreira 10 anos atrás. E se eu posso, qualquer um pode!

Uma das melhores coisas sobre Python é a comunidade então apareça nos eventos do Grupy-SP, todas as pessoas de todas as áreas são bem-vindas!