IoT: A grande aposta do mercado de tecnologia

Objetos conectados atraem investimentos milionários e prometem revolucionar nosso dia-a-dia.

Se você não é um(a) grande entusiasta da tecnologia a palavra IoT talvez seja apenas um termo que você já bateu os olhos em uma notícia aqui ou alí sem dar muita atenção. ‘IoT’ vem do inglês ‘Internet of Things’ termo que já explica muito sobre o assunto. Em resumo, chamamos de IoT os dispositivos físicos que estão conectados à Internet ou a uma rede local e que através dessa conexão trocam informações que podem ser usadas para a execução de certas funções ou simples interações com o usuário.

Pra simplificar ainda mais, pegue uma simples lâmpada como exemplo. Um bulbo IoT conectado ao Wi-fi pode ser controlado pelo seu telefone dentro ou fora de sua casa. Através de um aplicativo você pode ligar e desligar e em alguns caso até controlar o dimmer dessa lâmpada. Assim é o funcionamento básico de um dispositivo IoT. Porém, quanto mais desenvolvemos essa área, mais complexas e completas essas interações se tornam. Com a introdução dos assistentes de voz como Alexa da Amazon e Google Home, começamos a criar redes de IoT interconectadas. Esses assistentes, que por si só são IoT, se tornaram um hub de controle de lâmpadas, tomadas e eletrodomésticos ‘smart’, ou seja, que podem ser controlados via celular ou por voz.

Uma área que cada vez mais faz uso dessa tecnologia é o setor de entretenimento e experiências de marca. Como o jogo Pokémon Go! para smartphones que conta com uma pequena pulseira conectada ao celular. O dispositivo vibra e se ilumina para notificar o usuário sobre a proximidade com algum monstrinho. Já na área da educação de programação para as crianças, também são inúmeros os brinquedos conectados que prometem tornar o aprendizado mais divertido e interativo.

No entando, o uso de serviços IoT não é só exclusivo ao ambiente doméstico e entretenimento. Essas ‘coisas’ conectadas podem ser usadas como soluções para a otimização de grandes centros urbanos por exemplo. O conceito de ‘smart cities’, cidades capazes de serem controladas e manejadas através de uma rede de dispositivos interconectados, pode trazer benefícios para a segurança, transporte e meio-ambiente em centros urbanos. Já o projeto que desenvolvemos junto com a startup Synco por exemplo, utiliza o rastreio através de um dispositivo de geolocalização e um app. Tal solução pode ser utilizado para o acompanhamento de cargas, veículos e até pessoas, como no Japão, onde é comum crianças portarem um dispositivo de localização para casos de em eventual sequestro.

A área da saúde também começa a explorar largamente soluções IoT para o diagnóstico, prevenção e análise clínicas. Como o sistema Biologix que permite usuários realizem o exame da apneia do sono em casa e acompanhar os resultados direto na tela do celular. O empoderamento dos pacientes e a fácil análise de dados promete revolucionar o mercado da saúde, além de atrair inúmeros investimentos nessa área.

E as aplicações dos serviços IoT não param por aí. Energia, comércio, transporte e muitas outras áreas já estão na corrida para se conectar a essa novidade. Assim essa tecnologia poderá se tornar tão comum e presente em nosso cotidiano que até mesmo o termo ‘IoT’ pode deixar de existir.


Biologix: Tecnologia e design pela transformação da saúde

Um desafio de IoT no qual nossa abordagem sistêmica conectou produto, serviço, marca e UX para inovar nos serviços de saúde. (Leia)


Synco: IoT a favor de relações mais transparentes

Como transformar dados de localização em um serviço relevante para os negócios e interessante para todos os usuários? (Leia)


Medicina conectada às nuvens

Dispositivos conectados a aplicativos prometem revolucionar o mercado médico.
(Leia)