App de Biologix, startup acelerada pela Questtonó que propõe uma solução integrada de produto e serviço para auxiliar no diagnóstico de apneia do sono.

Medicina conectada às nuvens

Dispositivos conectados a aplicativos prometem revolucionar o mercado médico

Enormes avanços da tecnologia durante o século XX trouxeram inúmeras inovações na área da saúde. Agora, com a revolução digital, temos mais uma vez a chance de dar um novo salto rumo a uma medicina ainda mais eficaz.

Junto às pesquisas científicas responsáveis por aumentar nosso conhecimento sobre doenças e seus respectivos métodos de tratamento, acompanhamos um aperfeiçoamento exponencial de equipamentos para diagnósticos e manejo clínico. No entanto, cada vez mais entendemos que importantes aspectos para a perpetuação de uma medicina mais humanizada sustentável foram deixados de lado ao longo desse processo. Atendimentos médicos se tornaram cada vez mais padronizados e, ao invés de empoderar, seguimos o caminho de submissão a um sistema que dita as regras e se relaciona com os indivíduos de forma superficial.

Porém, com os recentes avanços na tecnologia, principalmente na área de coleta e análise de dados através de interfaces digitais, mais uma vez estamos prestes a revolucionar a área médica rumo a um formato capaz de promover tratamentos mais humanos, empoderando profissionais da saúde e as pessoas.

A revolução digital acompanhada da democratização de equipamentos e tecnologia pretende não só impulsionar a área médica como também criar inúmeras novas oportunidades de negócio no setor. Nesse contexto, o design entra como fio conector, capaz de desenhar experiências centradas nas pessoas e que também beneficiam o mercado da saúde.

Entre as frentes de inovação mais promissoras para essa área estão os dispositivos IoT (Internet das coisas), pequenos equipamentos conectados a aplicativos online. No mercado de saúde, esses dispositivos podem ser usados para o fácil monitoramento do estado físico de idosos e pessoas enfermas, agilizar o diagnóstico de doenças e facilitar o acompanhamento clínico.

A agência de pesquisas Tractica aponta que o crescimento do mercado IoT para a saúde vai dar um salto de 41 bilhões de dólares para 158 bilhões entre 2017 e 2022. Com esse mercado promissor, pequenas e grandes empresas apostam em diversas inovações para as áreas de prevenção, tratamento e diagnóstico médico. Entre os principais benefícios da introdução de dispositivos IoT conectados à nuvem estão:

Informação

Dispositivos IoT estão por essência conectados à internet de forma constante, mantendo uma troca de informação e atualização contínua e instantânea. Baixo custo e facilidade de uso permitem que qualquer pessoa tenha acesso a informações sobre seu estado de saúde. Além disso, os dados, quando agrupados e analisados de forma macro, ajudam na criação de padrões de análise médica mais assertivos.

Otimização

Entre um dos principais benefícios em empoderar as pessoas através de tais dispositivos está a redução de custos e o aumento da eficiência de todo o sistema de análises e diagnósticos clínicos. O acesso personalizado de informações pode eliminar a redundância de dados e trazer mais especificidade aos resultados e suas devidas análises. Além disso, o monitoramento constante permite a identificação rápida de variações que precisam de atenção constante, como a hipertensão ou diabetes, por exemplo.

Bem estar

A análise de dados clínicos de forma personalizada e constantemente atualizada também traz uma maior segurança no cuidado do paciente e consequentemente uma vida mais tranquila. Feedbacks e serviços imediatos são capazes de evitar alterações drásticas no estado físico de pessoas em tratamento, evitando maior sofrimento e aumentando as chances de recuperação.

Mas como toda nova tecnologia, o uso de IoT na área da saúde também levanta questionamentos e desafios para as empresas que já se aventuram nesse mercado. Novas tecnologias demandam certo tempo para sua total implementação, tanto para a legitimação de seus benefícios e segurança como também para a absorção cultural dessas inovações. O mercado sem histórico e experiência na área médica pode encontrar barreiras quanto a sua regulamentação e comercialização.

Existe também a questão da privacidade dos usuários de tais serviços. As informações coletadas via dispositivos IoT podem trazer benefícios na identificação rápida de problemas e seus principais tratamentos. No entanto, políticas de proteção da propriedade e privacidade dos dados de cada pessoa precisam ser desenvolvidas e reforçadas.

Não menos importante é a garantia de que todos esses serviços considerem os profissionais da saúde em toda sua jornada, do desenvolvimento até a captação dos dados. Sejam grandes empresas ou pequenas startups se aventurando nesse mercado, contar com apoio de médicos e pesquisadores na área da medicina é vital.

Também, devido ao surgimento de novos dispositivos IoT médicos, começamos a presenciar problemas com a compatibilidade de informações. Na situação atual, cada serviço costuma criar sua própria linguagem de saída de dados. Portanto, para que instituições médicas e profissionais da saúde possam usar esses dados de forma fácil e eficaz, será preciso criar uma padronização dessas informações.

Mesmo assim, várias soluções já estão ganhando o mercado e fazendo a diferença na vida das pessoas. Se esses serviços forem desenvolvidos por meio de tecnologias confiáveis e com responsabilidade, testemunharemos em breve um momento completamente novo na área de prevenção, diagnóstico e tratamentos médicos.

por Mateus Bagatini

IoT: A grande aposta do mercado de tecnologia

Objetos conectados atraem investimentos milionários e prometem revolucionar nosso dia-a-dia. (Leia)


Biologix: Tecnologia e design pela transformação da saúde

Um desafio de IoT no qual nossa abordagem sistêmica conectou produto, serviço, marca e UX para inovar nos serviços de saúde. (Leia)


Synco: IoT a favor de relações mais transparentes

Como transformar dados de localização em um serviço relevante para os negócios e interessante para todos os usuários? (Leia)