A preocupante história da cirurgia de “mudança de sexo”

O entusiasmo pela cirurgia de redesignação de gênero esconde um rastro de miséria

Bianca Chella
Sep 16, 2017 · 10 min read

Tradução do original do MercatorNet, escrito por Walt Heyer.

A história sombria e perturbadora do movimento transgênero contemporâneo, com a entusiástica aprovação da cirurgia de redesignação de gênero, deixou um rastro de miséria em seu despertar.

Bruce Jenner e Diane Sawyer poderiam se beneficiar de uma aula de história. Eu sei, porque sofri por uma cirurgia de “mudança de sexo” e vivi como mulher por oito anos. A cirurgia não corrigiu nada — só mascarou e exacerbou problemas psicológicos mais profundos.

O início do movimento transgênero ficou perdido hoje no impulso por direitos trans, aceitação e tolerância. Se mais pessoas estivessem cientes da história obscura e problemática da cirurgia de redesignação de gênero, talvez não seríamos tão rápidos em empurrar as pessoas para isso.

O cenário para as primeiras cirurgias transgêneras (principalmente do gênero masculino para o feminino) foram em clínicas universitárias, começando na década de 1950 e progredindo nos anos 1960 e 1970. Quando os pesquisadores calcularam os resultados e não encontraram nenhuma prova objetiva de que foi bem-sucedida — e, de fato, evidência de que era prejudicial — as universidades pararam de oferecer cirurgia de redesignação de gênero.

Desde então, cirurgiões particulares entraram para ocupar seu lugar. Sem qualquer escrutínio ou responsabilidade por seus resultados, suas práticas cresceram, deixando vergonha, arrependimento e suicídio em seu rastro.

Os Fundadores do Movimento Transgênero

Benjamin, John Money e Kinsey

A história começa com o infame Dr. Alfred Kinsey, biólogo e sexólogo cujo legado perdura hoje. Kinsey acreditava que todos os atos sexuais eram legítimos — incluindo pedofilia, bestialidade, sadomasoquismo, incesto, adultério, prostituição e sexo grupal. Ele autorizou experimentos desprezíveis em bebês e crianças para coletar informações para justificar sua visão de que crianças de qualquer idade gostavam de ter relações sexuais. Kinsey defendeu a normalização da pedofilia e se posicionou contra leis que protegiam crianças inocentes e puniam predadores sexuais.

O único ato sexual não natural é o que você não pode realizar.

Transexualismo foi adicionado ao repertório de Kinsey quando foi apresentado o caso de um menino efeminado que queria se tornar uma menina. Kinsey consultou um conhecido dele, um endocrinologista com o nome de Dr. Harry Benjamin. Os travestis, homens que apenas se vestiam como mulheres, eram bem conhecidos. Kinsey e Benjamin viram isso como uma oportunidade para mudar um travesti fisicamente, muito além do vestido e da maquiagem. Kinsey e Benjamin tornaram-se colaboradores profissionais no primeiro caso do que Benjamin mais tarde chamaria de “transexualismo”.

Benjamin pediu a vários médicos psiquiátricos para avaliarem o menino para possíveis procedimentos cirúrgicos para feminilizar sua aparência. Eles não conseguiram chegar a um consenso sobre a adequação da cirurgia feminina. Isso não impediu Benjamin. Por sua conta, ele começou a oferecer terapia hormonal feminina ao menino. O menino foi para a Alemanha por cirurgia parcial, e Benjamin perdeu todo o contato com ele, impossibilitando qualquer acompanhamento a longo prazo.

A história trágica dos gêmeos Reimer

O terceiro co-fundador do movimento transgênero de hoje foi o psicólogo Dr. John Money, um discípulo dedicado de Kinsey e membro de uma equipe de pesquisa transexual liderada por Benjamin.

O primeiro caso transgênero do Money’s ocorreu em 1967, quando um casal canadense, os Reimers, pediram o reparo de uma circuncisão maliciosa em seu filho de dois anos, David. Sem qualquer justificativa médica, Money se lançou em um experimento para fazer um nome para si mesmo e avançar suas teorias sobre gênero, independentemente das conseqüências para a criança. Money contou aos pais perturbados que a melhor forma de assegurar a felicidade de David era mudar sua genitália cirurgicamente de masculina para feminina e criá-lo como uma garota. Como muitos pais fazem, os Reimers seguiram as ordens do médico, e David foi substituído por Brenda. Money assegurou aos pais que Brenda se adaptaria a ser uma menina e que ela nunca saberia a diferença. Ele disse aos pais que eles deveriam mantê-lo em segredo, então eles fizeram, pelo menos por um tempo.

Médicos ativistas como o Dr. Money sempre parecem brilhantes no início, especialmente se eles controlam a informação que a mídia relata. Money desempenhou um habilidoso jogo de “me pegue se você puder”, relatando o sucesso da mudança de gênero do menino para a comunidade médica e científica e construindo sua reputação como especialista líder no emergente campo de mudança de gênero. Passaram-se décadas até que a verdade fosse revelada. Na realidade, a “adaptação” de David Reimer em se tornar uma menina era completamente diferente dos relatórios brilhantes inventados pelo Money para artigos de revistas. Aos 12 anos, David estava gravemente deprimido e se recusou a voltar a ter acompanhamento com Money. Em desespero, seus pais quebraram o segredo e lhe disseram a verdade da redesignação de gênero. Com catorze anos, David escolheu desfazer a mudança de gênero e viver como um menino.

Em 2000, aos trinta e cinco anos, David e seu irmão gêmeo finalmente expuseram os abuso sexuais que o Dr. Money havia infligido sobre eles na privacidade de seu escritório. Os meninos contaram como o Dr. Money tirou fotos deles nus quando tinham apenas sete anos de idade. Mas as fotos não eram suficientes para Money. O médico pedófilo também forçou os meninos a se envolverem em atividades sexuais incestuosas entre si.

Se eu visse o caso de um menino de 10 ou 11 anos que estivesse intensamente eroticamente atraído por um homem de vinte e poucos anos, se o relacionamento fosse totalmente mútuo, e a ligação genuinamente e totalmente mútua… então eu não chamaria de patológico de maneira alguma.

As consequências do abuso de Money foram trágicas para ambos os meninos. Em 2003, apenas três anos depois de se tornar público o passado com torturas, o irmão gêmeo de David, Brian, morreu por uma overdose auto-infligida. Pouco depois, David também se suicidou. Money finalmente foi exposto como uma fraude, mas isso não ajudou os pais aflitos cujos meninos gêmeos estavam agora mortos.

A exposição dos resultados e tendências de pesquisa fraudulentas do Money chegaram muito tarde para pessoas que também sofrem com problemas de gênero. O uso da cirurgia tornou-se bem estabelecido até então, e ninguém se importou de que um de seus fundadores tenha sido desacreditado.

Resultados de Johns Hopkins: a cirurgia não dá nenhum alívio

McHugh atribuiu a tarefa de avaliar resultados para o Dr. Jon Meyer, o presidente da clínica de gênero Hopkins. Meyer selecionou cinquenta indivíduos dos atendidos na clínica Hopkins, tanto aqueles que foram submetidos a cirurgia de redesignação de gênero quanto aqueles que não tiveram cirurgia. Os resultados deste estudo completamente refutaram as afirmações de Money sobre os resultados positivos da cirurgia de mudança de gênero. O relatório objetivo não mostrou necessidade médica de cirurgia.

Em 10 de agosto de 1979, o Dr. Meyer anunciou seus resultados:

“Dizer que esse tipo de cirurgia cura distúrbios psiquiátricos é incorreto. Agora temos provas objetivas de que a redesignação não gera diferença real na vida de um transexual em termos de emprego, nível de escolaridade, ajuste conjugal e estabilidade social”.

Ele disse mais tarde ao New York Times:

“Meu sentimento pessoal é que a cirurgia não é um tratamento adequado para um distúrbio psiquiátrico, e é claro para mim que esses pacientes têm problemas psicológicos graves que não desaparecem após a cirurgia”

Menos de seis meses depois, a clínica de gênero Johns Hopkins fechou. Outras clínicas de gênero afiliadas à universidade em todo o país seguiram o exemplo, cessando completamente a cirurgia de redesignação de gênero. Nenhum sucesso foi relatado em qualquer lugar.

Resultados do colega de Benjamin: muitos suicídios

O travesti tem um problema social. O transesxual tem um problema de gênero. O homossexual tem um problema sexual.

Ihlenfeld trabalhou com Benjamin por seis anos e administrou hormônios a 500 transexuais. Ihlenfeld chocou Benjamin ao anunciar publicamente que 80% das pessoas que desejam mudar seu gênero não devem fazê-lo. Ihlenfeld disse: “Há muita infelicidade entre as pessoas que fizeram a cirurgia… muitas resultaram em suicídio”. Ihlenfeld parou de administrar hormônios a pacientes com disforia de gênero e trocou especialidades de endocrinologia para psiquiatria para que ele pudesse oferecer a esses pacientes o tipo de ajuda que eles realmente precisavam.

Na sequência do estudo de Hopkins, o fechamento da clínica emblemática de Hopkins e o aviso soado por Ihlenfeld, os defensores da cirurgia de mudança de sexo precisavam de uma nova estratégia. Benjamin e Money olharam para seu amigo, Paul Walker, PhD, um ativista homossexual e transgênero que eles conheciam e compartilhava de sua paixão por fornecer hormônios e cirurgia. Foi formado um comitê para elaborar padrões de atendimento para transgêneros que promoviam sua agenda, com Paul Walker ao leme. O comitê incluiu um psiquiatra, um ativista de pedofilia, dois cirurgiões plásticos e um urologista, todos os quais se beneficiariam financeiramente de manter a cirurgia de redesignação de gênero disponível para quem quisesse. O “Harry Benjamin International Standards of Care” foi publicado em 1979 e deu nova vida à cirurgia de gênero.

Minha experiência com o Dr. Walker

Sob sua orientação, fui submetido a uma cirurgia de redesignação de gênero e vivi oito anos como Laura Jensen, do gênero feminino. Eventualmente, reuni a coragem de admitir que a cirurgia não corrigiu nada — só mascarou e exacerbou problemas psicológicos mais profundos. O engano e a falta de transparência que experimentei na década de 1980 ainda cercam a cirurgia de mudança de gênero hoje. Por causa dos outros que lutam contra a disforia de gênero, não posso permanecer em silêncio.

É intelectualmente desonesto ignorar os fatos de que a cirurgia nunca foi um procedimento medicamente necessário para tratar a disforia de gênero e que tomar hormônios pode ser prejudicial. Os ativistas transgêneros modernos, os descendentes de Kinsey, Benjamin e John Money, mantêm viva a prática de cirurgias de mudança de gênero medicamente desnecessárias, controlando o fluxo de informações publicadas e contendo pesquisas e histórias pessoais que contam do arrependimento, infelicidade e suicídio experimentado por aqueles que se submetem a tal cirurgia. Os resultados negativos só são reconhecidos como uma forma de culpar a sociedade pela sua transfobia.

Os transgêneros que se arrependem de ter tomado esse caminho estão muitas vezes cheios de vergonha e remorso. Aqueles que se arrependem de sua decisão têm poucos lugares para se apoiarem em um mundo de ativismo pró-transgênero. Para mim, levaram anos para criar coragem e falar sobre o arrependimento.

Eu só queria que o Dr. Paul Walker tivesse que ter me falado sobre ambos os relatórios quando eu o consultei: o estudo de Hopkins que mostra como a cirurgia não aliviou problemas psicológicos graves e a observação de Ihlenfeld da infelicidade transgênera contínua e alta incidência de suicídio após hormônios e cirurgia. Essas informações talvez não tivessem me impedido de tomar essa decisão desastrosa, mas pelo menos eu teria conhecido os perigos e as dificuldades que me aguardavam.


Walt Heyer é um autor e palestrante com uma paixão por ajudar os outros que se arrependem da mudança de gênero. Através de seu site, SexChangeRegret.com, e seu blog, WaltHeyer.com, Heyer aumenta a conscientização pública sobre a incidência de arrependimento e as conseqüências trágicas sofridas como resultado. A história de Heyer pode ser lida em forma de romance em Kid Dakota e The Secret at Grandma’s House e em sua autobiografia, A Transgender’s Faith. Os outros livros de Heyer incluem Paper Genders e Gender, Lies and Suicide. Este artigo foi publicado pela primeira vez no Public Discourse e é reproduzido aqui com permissão.


Gostou desse texto? Aplauda! Clique em quantos aplausos (de 1 a 50) você acha que ele merece e deixe seu comentário!

Quer mais? Segue a gente:

Medium

Facebook

Twitter

QG Feminista

Feminismo em Revista

Bianca Chella

Written by

Apenas gosto de estudar e disponibilizar materiais sobre temas variados. Não me usem como referência a movimentos políticos. Não sou ativista e nem nada.

QG Feminista

Feminismo em Revista

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade