QG Feminista
Published in

QG Feminista

Alavancar a organização política das mulheres

A revolução será feminina

O movimento pelos direitos das mulheres está se reorganizando, depois de algumas décadas relativamente adormecido.Tivemos um período de descanso aparente na década de 1980, quando muitas pessoas quebravam estereótipos de gênero e as mulheres passaram a ter maior visibilidade no mercado de trabalho. Mas 2020 trouxe um revés imprevisto: uma pandemia que, de muitas formas, está contribuindo para uma regressão nos direitos femininos.

A evidência pode ser vista através do número alarmante de mortes maternas no Brasil — o país tem o número mais alto de morte materna relacionadas ao Covid do mundo inteiro: a cada dez mulheres grávidas que perderam a vida pelo coronavírus, oito eram brasileiras. Enquanto isso, estupro e feminicídio foram os únicos crimes que cresceram durante as quarentenas para estancar a contaminação do coronavírus.

Na Polônia, sob um governo conservador, foi proibida uma das únicas três formas de aborto legal no país: aborto por má formação de feto. Há anos que o direito ao aborto vem sendo questionado na Polônia, mas foi durante a pandemia, que não permite grandes aglomerações para protestos durante a quarentena, que a proibição veio.

Times de futebol feminino britânicos que foram urgidos a parar com os treinos para que os times masculinos pudessem treinar. Ou meninas que deixarão de ir à escola para que os meninos possam frequentar respeitando o distanciamento. Ou terão de abandonar os estudos.

Sob essas perspectiva, é preciso olhar todo o quadro que se apresenta diante dos nossos olhos: a opressão feminina não só existe, como aumentou e piorou. De que forma o ativismo pode fazer a diferença?

Campanhas, petições, carta aberta

O ativismo online pode ser uma resposta rápida à essa questão: campanhas relâmpago por uma causa, como foi o caso das hashtags #GravidezAosDezMata (pela menina de dez anos do Espírito Santo que precisou de um aborto), #JustiçaPorMariFerrer (blogger que foi drogada e estuprada em festa privada) ou #JustiçaPorAnaBeatriz (menina indígena de cinco anos que foi estuprada e morta). Mas, para que tenha alcance, é preciso organizar.

Fale e escute outras mulheres

O ativismo pode começar dentro de casa. Depois, com as amigas. Vizinhas. Colegas de turma na escola. Vizinhança. O grupo de mães. As colegas de trabalho. O sindicato. O ativismo vai começar de algum lugar, então é natural que comece à sua volta. Pode começar procurando por mais pessoas que acreditem que as mulheres precisam fincar o pé quantos aos seus direitos. De qualquer forma, a união faz a força. Portanto, formar um grupo é um passo importante para começar a mudança. Foi o que um grupo de adolescentes, Sementes Coletiva, fez: criaram um grupo para estudar o feminismo e produzir conteúdo sob a perspectiva de jovens mulheres navegando em uma sociedade patriarcal. 2020 também viu uma explosão de coletivas feministas pelo Brasil afora. A QG Feminista fez uma master list de grupos e organizações do mundo inteiro com presença no Instagram.

Conheça o assunto

Quando se trata de uma causa, é de máxima importância saber quais são as principais questões envolvidas, a origem do problema e de que formas é possível combater. No caso da opressão feminina, existe a evidência diária que cada uma de nós experiencia na pele: o constante assédio sexual e moral no dia a dia, os baixos salários, a violência obstétrica, a baixa representação política, a negligência na medicina, a objectificação massiva do corpo feminino. Mesmo assim, existe uma narrativa corrente de que as mulheres não são mais oprimidas porque “já podem votar”, “usar calças” e “casar com quem quiserem”. Então é preciso um olhar mais a fundo na questão, que só é corrigido com grupos de estudos para a escuta de mulheres e para a leitura e discussão da teoria feminista.

Formar multiplicadores

Parece coaching ou pirâmide, mas sem multiplicadores não é possível fazer uma campanha bem-sucedida. Formar multiplicadores, como microativistas e influenciadores (blogueiras, youtubers), não significa criar celebridades. Significa incentivar e treinar mulheres para que falem da causa com outras mulheres no seu dia a dia, e incentivar criadores de conteúdo e lobbyistas a promover a causa para que ela faça diferença. Um exemplo disse é uma futura Frente Feminista que está se formando no Brasil, que deve juntar organizadoras de diversas coletivas nacionais em um grupo unificado. Sem a proliferação de coletivas feministas em 2020, e cada membro dessas coletivas, dificilmente haveria uma frente unificada/nacional também. Palestras acessíveis sobre feminismo em vídeo chamada, grupos de estudos online, todas são iniciativas válidas para compartilhar o conhecimento e formar multiplicadores, que por sua vez poderão ter os recursos para continuar a passar o conteúdo adiante e alavancar a conscientização para as questões feministas mais prementes.

Entenda a política local, nacional e internacional, nessa ordem

Comece com seu bairro, sua vizinhança. Há grupos de apoio à população vulnerável, associação de moradores? Proponha conversas, debates. Se não, procure abrir um grupo. Interagir com grupos de outros bairros e procurar por pontos em comum vai fortalecer o movimento. Nos próximos casos de machismo que acontecerem, a vítima não estará mais sozinha, e ainda poderá contar com um grupo com vários membros para protestar.

Sua cidade tem filial de um partido político? O partido político ao qual você é filiado possui uma ala ou conselho feminista? Procure filiação ou adesão. Esses grupos estão normalmente conectados aos grupos nacionais e portanto o envio de informações poderá ser mais fluído, constante e abrangente. Fique atenta às candidatas que propõe pautas que avancem os direitos das mulheres, e busque apoiá-las.

No campo internacional, é importante notar que existem diversos aspectos da opressão feminina que são imutáveis. No mundo inteiro, por exemplo, a principal força de trabalho camponesa é formada por mulheres. “Entre 60 a 80% da produção de alimentos no Sul Global é feita por mulheres (50% no mundo).” Portanto, é a realidade material da mulher que as une quanto à discriminação sofrida: a exploração do seu trabalho reprodutivo e laboral. É de importância vital que seu grupo de estudos ou campanha estejam alinhados também às questões femininas atuais, como a falta extrema de autonomia corporal feminina (aborto, assistência materna e reprodutiva, desigualdade salarial, etc).

O ativismo funciona. Protestos, manifestações, campanhas e iniciativas para mitigar a desigualdade feminina são ferramentas de extrema necessidade num mundo criado pelos homens e para os homens, onde a voz feminina é apagada e desvalorizada. A mudança começa agora, com a organização de um movimento que lute por todas as mulheres, incluindo as mais vulneráveis com recorte de classe e de raça.

--

--

--

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Andreia Nobre

Andreia Nobre

Jornalista, blogueira, poetisa, feminista, amante de antropologia e professora primaria que pratica desescolarizacao

More from Medium

When a trip for leisure bearing the guilt of a nearby escalating war

What Exactly Does Stigma About Mental Health Do?

The Muon G-2 experiment

Patience Is Not A Virtue (When Persistence Won’t Do)