Melina Bassoli
Jul 3, 2018 · 4 min read

No século XXI, o Brasil conseguiu aprovar importantes leis para proteger as mulheres da violência social, como é o caso da Lei Maria da Penha (Lei 11340/2006), que protege as mulheres contra a violência doméstica, e a Lei do Feminicídio (Lei 13104/2015), que torna crime hediondo o assassinato de mulheres pelo fato de serem mulheres.

O combate às violências que as mulheres sofrem é primordial para que tenhamos uma sociedade mais justa. A misoginia na sociedade atinge todas as mulheres, independente de classe social ou raça, porém não atinge de forma igual. Embora todas as mulheres estejam sujeitas a experimentar violência verbal, agressões físicas e feminicídio, a probabilidade de que tais violências aconteçam com mulheres negras[1] é muito maior do que com mulheres brancas.

Considerando a taxa de homicídios de mulheres no Brasil, podemos ver pelo aumento do índice de vitimização da população negra (percentual que mostra a relação entre as taxas de assassinatos brancas e negras [2]), no período de 2003 a 2013, que o risco de vida que uma mulher negra corre no Brasil é muito maior que o de uma mulher branca.

Fonte: Mapa da Violência 2015

Apesar de uma caída no índice em 2013, percebe-se uma taxa muito elevada e que tendeu a crescer nos primeiros anos deste século.

Segundo o Mapa da Violência de 2015, a taxa de homicídio de mulheres brancas caiu 11,9% no período de 2003 a 2013, passando de 3,6 mulheres brancas assassinadas, para cada 100 mil brancas, para 3,2. Porém, o número de mulheres negras assassinadas cresceu 19,5% no mesmo período, passando de 4,5 para 5,4 mulheres negras assassinadas para cada 100 mil negras. Em 2013, foram 2875 mulheres negras assassinadas e 1576 mulheres brancas.

Fonte: Mapa da Violência 2015
Fonte: Mapa da Violência 2015

Se consideramos apenas a população jovem[3], os índices de assassinatos de mulheres são ainda maiores, sendo que as jovens negras também correm mais riscos que as jovens brancas.

Em 2015, foram 7,8 jovens negras assassinadas, a cada 100 mil jovens negras, contra 3,6 jovens brancas, para cada 100 mil jovens brancas. Ou seja, o risco de morte de uma jovem negra no Brasil é 2,19 vezes maior que de uma jovem branca. Nesse mesmo ano, 65% do total de mulheres assassinadas eram negras.

Fonte: Índice de vulnerabilidade juvenil à violência 2017

Considerando que boa parte dos assassinatos de mulheres constitui feminicídio[4], podemos dizer que o assassinato de mulheres guarda estreita relação com a misoginia. E considerando que a maioria das mulheres assassinadas são negras, também podemos dizer que o assassinato de mulheres no Brasil está ligado ao racismo.

A combinação de racismo e misoginia provoca violência, e coloca as brasileiras negras em situação especialmente vulnerável. Fica evidente, assim, a necessidade de elaboração de políticas públicas que protejam essa população específica. Não adianta aprovarmos leis se não entendermos a realidade do país e como a violência afeta de forma distinta diferentes grupos de pessoas.

Texto e imagens por: Melina Bassoli


[1] Aqui o conceito usado para “mulheres negras” é o do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a soma de mulheres autodeclaradas pretas e pardas. No caso dos dados sobre mulheres assassinadas, leva-se em conta o que consta em suas declarações de óbito.

[2] Ou seja, quanto porcento é maior a taxa de assassinatos de mulheres negras em relação à taxa de assassinatos de mulheres brancas.

[3] Considera-se jovem aqui a faixa etária que vai dos 15 aos 29 anos. Para estes dados, foram considerados os municípios com mais de 100 mil habitantes.

[4] Em 2017, 21,15% dos 4473 assassinatos de mulheres no Brasil foram notificados como feminicídio. É importante observar que esse é um dado considerado subnotificado, além disso, Ceará, Rondônia e Tocantins não registraram, pelo menos até 2017, dados de feminicídio.


Fontes:

BRASIL. Lei nº 11.340, 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

BRASIL. Lei nº 13.104, 9 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm

IPEA. Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/170602_atlas_da_violencia_2017.pdf

G1, Núcleo de Estudos da Violência da USP e Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Monitor da Violência. 2018. Disponível em: http://g1.globo.com/monitor-da-violencia/

Secretaria Nacional de Juventude. Índice de vulnerabilidade juvenil à violência 2017: desigualdade racial, municípios com mais de 100 mil habitantes. São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/indice_de_vulnerabilidade_juvenil_a_violencia_2017_desig/

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015. Homicídio de Mulheres no Brasil. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2015_mulheres.php


Aplauda! Clique em quantos aplausos (de 1 a 50) você acha que ele merece e deixe seu comentário!

Quer mais? Segue a gente:

Medium

Facebook

Twitter

Instagram

QG Feminista

Feminismo em Revista

Melina Bassoli

Written by

Professora, Socióloga e Artista - Visitem: http://estudioartemel.tumblr.com; http://cachalotepublicacoes.tumblr.com; http://leiamulheres.tumblr.com

QG Feminista

Feminismo em Revista

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade