QG Feminista
Published in

QG Feminista

Frente Feminista Autônoma de Lutas Anticoloniais e a campanha #OIndigenistaAbusador

O patriarcado é o cerne de toda a longa e perversa história do colonialismo e do capitalismo na Abya Yala. Esse sistema colonizador e capitalista tem violado brutalmente os corpos e territórios das mulheres originárias destas terras há mais de 520 anos.

As faces dessa violência são muitas e seus agressores também o são, vão desde o Estado e sua política de morte sobre os corpos das mulheres; o capital e seu modelo predatório e explorador; a capitania instituída em Reservas Indígenas como política do Estado durante a ditadura miliar; a violência das igrejas e seu regime integracionista e agressor de mulheres; os latifundiários e o coronelismo.

Muitas das vezes, isso está disfarçado sob o manto do “indigenista apoiador”, de forma que esses violadores, amparados pelo poder que o patriarcado colonialista lhes confere, se aproximam e conquistam a confiança de coletividades indígenas, para que possam explorar, abusar, violentar e criminalizar mulheres indígenas. Esses indigenistas abusadores se apresentam como acadêmicos pesquisadores, como missionários de igrejas, como professores e coordenadores de cursos de Faculdades Interculturais Indígenas, como servidores da FUNAI, usando o Estado e a Igreja para perpetuarem suas práticas violentadoras.

Em Dezembro de 2020, o Movimento de apoio mútuo de mulheres iniciou o fortalecimento da luta da mulher indígena com a criação de uma carta manifesto contra o Professor Neimar, da Faculdade Intercultural Indígena ( FAIND/UFGD). O manifesto nasceu em apoio à Grande Assembléia de Kunhague Aty Guasu de mulheres Kaiowá Guaraní, que ao longo da apresentação do Relatório parcial do mapa da violência contra a mulher Kaiowá e Guarani, denunciou as perseguições e violações do professor indigenista abusador, assim como o descaso do poder público com seu caso. Naquele momento, ficou evidente que ali uma mulher, acadêmica, líder indígena, lutava sozinha contra toda a situação de invisibilidade, agressão e abuso que ela e todas as mulheres indígenas sofrem.

O manifesto atraiu a atenção do mundo e contou com a assinatura de mais de 50 coletivas feministas, personalidades e órgãos ligados ao direitos humanos.

Para dar continuidade a esse fortalecer das lutas Anticoloniais, nasceu a necessidade de nos organizarmos em uma ampla frente nacional de combate e denúncia a todas as formas de violência contra as mulheres indígenas, de todo o Brasil, em uma luta legítima e urgente contra o colonialismo moderno, que se serve das ferramentas Patriarcais e capitalistas para seguir dominando, agredindo e colonizando corpos femininos indígenas.

A Campanha #OIndigenistaAbusador é a primeira ação da Frente FALA, que emerge também como manifesto de denúncia frente a conivência das instituições com os abusadores das mulheres, os quais permanecem intocados em suas zonas de privilégios e cargos de poder, mesmo após serem denunciados.

Nesse sentido, o Movimento pela Libertação das Mulheres compreende a urgência de somarmos esforços em apoio e defesa à luta das Mulheres Indígenas somando energias e forças na Campanha “O Indigenista Abusador”, que nasce como um grito de revolta e indignação histórica frente a violência contra as mulheres, e que tem como propósito denunciar as violências perpetuadas por esses que se dizem apoiadores, mas na verdade são violadores, usando o prestígio conquistado por meio das instituições para consumar suas práticas abusivas.

Por fim destacamos nossa solidariedade à luta anticolonial do movimento Ancestral de Mulheres indígenas e com isso convocar a solidariedade de todas as mulheres, ressaltando a importância do fortalecimento da rede de apoio entre os Movimentos de Mulheres em âmbito amplo. Nesse sentido, nos unimos à fala de uma grande guerreira Kaiowá:

“Devemos nos unir uns aos outros, guiados por esses guardiões que nos conduzem de volta à terra. Somente assim poderemos conquistar nosso futuro, junto com todos os povos que lutam para que o planeta terra possa ainda respirar” (Veron, 2018, p. 17).

Atenciosamente,

Frente FALA

--

--

--

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Andreia Nobre

Andreia Nobre

Jornalista, blogueira, poetisa, feminista, amante de antropologia e professora primaria que pratica desescolarizacao

More from Medium

How Changes In Technological Innovation Have Ruined Modern Society

Why the world should be protecting the Earth’s fungal networks

Safety “Runway” for American Citizens

What Are NFTs For? Utility is What’s Being Overlooked