O conceito de Síndrome Cultural ou Síndrome Ligada à Cultura

Image for post
Image for post
Créditos da Imagem: http://fernandesassis.blogspot.pt

Vou começar essa publicação com uma afirmação clara, mas certamente controversa. Agora, se você se sentir realmente na defensiva assim que ler essa afirmação, por favor leia o resto do texto ANTES de enviar mensagens de ódio. Então, aqui vai:

Transtorno de Identidade de Gênero é uma síndrome ligada à cultura, não algo com o qual você nasce.

Síndromes Culturais, ou Síndromes ligadas à cultura, incluem uma vasta gama de problemas médicos. Alguns são bem familiares aos Americanos e Europeus, como anorexia e bulimia, que surgem por causa da complexa interação entre a nossa visão cultural sobre beleza, alimentação e (geralmente) feminilidade. Outras, entretanto, são mais frequentemente (ou exclusivamente) experimentadas em outras partes do mundo, o que pode lhes dar um ar de alteridade.

Por exemplo, a síndrome dE Koro — no qual, dependendo da cultura da pessoa, acredita-se que o pênis de alguém foi roubado ou começou a encolher até desaparecer — é, hoje, vivenciado primariamente em países da África Ocidental e partes do Sudeste Asiático e subcontinente, embora tenha sido experimentado como uma epidemia em culturas europeias/americanas em séculos passados.

Similarmente, a síndrome de Dhat é experimentada por pessoas que acreditam fortemente que estão perdendo energia e função sexual, e estão vivenciando sintomas extremos de depressão e ansiedade porque estão perdendo sêmen na urina. Isso acontece por conta de visões religiosas acerca do sêmen e da ejaculação em algumas culturas na Índia e Nepal.

A ideia de que a identidade trans é neurologicamente inata, estabelecida no útero pelas leis da biologia, é uma ideia que só pode vir de uma perspectiva cega às realidades históricas e antropológicas. Em algumas culturas, as pessoas que estão fora do gênero binário acreditam completamente que eles tenham escolhido seu caminho de gênero. Em algumas, é uma escolha feita após a meia-idade, enquanto em outras o assunto é decidido na puberdade.

O que é mais importante é que em diferentes culturas e tempos, a ideia de Identidade de Gênero e o que significa violar o binarismo de gênero e ter uma identidade em não-conformidade é diferente.

Se o fenômeno da identidade de gênero fosse, como muitas pessoas disseram (até nausear com argumentos que soam bem parecidos com aquelas pessoas afirmando que homens e mulheres têm cérebros diferentes que explicam suas diferenças culturalmente determinadas), genético/epigenético e determinado ao/antes do nascimento, isso implicaria que o fenômeno doloroso e debilitante da disforia manifestar-se-ia dessa forma ao longo da história e em muitas culturas. Mas não se manifesta.

Enquanto existem pessoas em não-conformidade de gênero em toda a história, o sentimento disfórico de ansiedade, quase obsessivo e que provoca depressão, de que as características sexuais primárias ou secundárias de alguém estão “erradas” em relação ao cérebro é um fenômeno que não está refletido em toda a história ou em todas as culturas ao redor do mundo. É culturalmente específico.

O que isso significa é que alguns elementos da nossa cultura estão fazendo com que a não-conformidade de gênero se manifeste aqui, incluindo o fenômeno da transgeneridade, transtorno de identidade de gênero e disforia.

Esse blog procura explorar alguns desses elementos culturais partindo do que, eu espero, seja uma perspectiva um pouco diferente. Mas antes que comecemos a olhar as especificidades, gostaria de deixar algumas coisas básicas em que acredito ou não acredito, para que estejamos todos no mesmo ritmo e eu não receba mensagens de ódio porque uma vez você interagiu com uma feminista radical que foi malvada contigo.

O QUE EU ACREDITO:

O QUE EU NÃO ACREDITO:

Artigo traduzido do blog Culturally-bound Gender

Aplauda! Clique em quantos aplausos (de 1 a 50) você acha que ele merece e deixe seu comentário!

Quer mais? Segue a gente: Medium | Facebook | Twitter |Instagram

QG Feminista

Feminismo em Revista

Sign up for QG Feminista

By QG Feminista

Feminismo em Revista Take a look.

By signing up, you will create a Medium account if you don’t already have one. Review our Privacy Policy for more information about our privacy practices.

Check your inbox
Medium sent you an email at to complete your subscription.

Feminismo Com Classe

Written by

Por um feminismo classista e revolucionário!

QG Feminista

Feminismo em Revista

Feminismo Com Classe

Written by

Por um feminismo classista e revolucionário!

QG Feminista

Feminismo em Revista

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store