O conceito de Síndrome Cultural ou Síndrome Ligada à Cultura

Créditos da Imagem: http://fernandesassis.blogspot.pt

Vou começar essa publicação com uma afirmação clara, mas certamente controversa. Agora, se você se sentir realmente na defensiva assim que ler essa afirmação, por favor leia o resto do texto ANTES de enviar mensagens de ódio. Então, aqui vai:

Transtorno de Identidade de Gênero é uma síndrome ligada à cultura, não algo com o qual você nasce.

Síndromes Culturais, ou Síndromes ligadas à cultura, incluem uma vasta gama de problemas médicos. Alguns são bem familiares aos Americanos e Europeus, como anorexia e bulimia, que surgem por causa da complexa interação entre a nossa visão cultural sobre beleza, alimentação e (geralmente) feminilidade. Outras, entretanto, são mais frequentemente (ou exclusivamente) experimentadas em outras partes do mundo, o que pode lhes dar um ar de alteridade.

Por exemplo, a síndrome dE Koro — no qual, dependendo da cultura da pessoa, acredita-se que o pênis de alguém foi roubado ou começou a encolher até desaparecer — é, hoje, vivenciado primariamente em países da África Ocidental e partes do Sudeste Asiático e subcontinente, embora tenha sido experimentado como uma epidemia em culturas europeias/americanas em séculos passados.

Similarmente, a síndrome de Dhat é experimentada por pessoas que acreditam fortemente que estão perdendo energia e função sexual, e estão vivenciando sintomas extremos de depressão e ansiedade porque estão perdendo sêmen na urina. Isso acontece por conta de visões religiosas acerca do sêmen e da ejaculação em algumas culturas na Índia e Nepal.

A ideia de que a identidade trans é neurologicamente inata, estabelecida no útero pelas leis da biologia, é uma ideia que só pode vir de uma perspectiva cega às realidades históricas e antropológicas. Em algumas culturas, as pessoas que estão fora do gênero binário acreditam completamente que eles tenham escolhido seu caminho de gênero. Em algumas, é uma escolha feita após a meia-idade, enquanto em outras o assunto é decidido na puberdade.

O que é mais importante é que em diferentes culturas e tempos, a ideia de Identidade de Gênero e o que significa violar o binarismo de gênero e ter uma identidade em não-conformidade é diferente.

Se o fenômeno da identidade de gênero fosse, como muitas pessoas disseram (até nausear com argumentos que soam bem parecidos com aquelas pessoas afirmando que homens e mulheres têm cérebros diferentes que explicam suas diferenças culturalmente determinadas), genético/epigenético e determinado ao/antes do nascimento, isso implicaria que o fenômeno doloroso e debilitante da disforia manifestar-se-ia dessa forma ao longo da história e em muitas culturas. Mas não se manifesta.

Enquanto existem pessoas em não-conformidade de gênero em toda a história, o sentimento disfórico de ansiedade, quase obsessivo e que provoca depressão, de que as características sexuais primárias ou secundárias de alguém estão “erradas” em relação ao cérebro é um fenômeno que não está refletido em toda a história ou em todas as culturas ao redor do mundo. É culturalmente específico.

O que isso significa é que alguns elementos da nossa cultura estão fazendo com que a não-conformidade de gênero se manifeste aqui, incluindo o fenômeno da transgeneridade, transtorno de identidade de gênero e disforia.

Esse blog procura explorar alguns desses elementos culturais partindo do que, eu espero, seja uma perspectiva um pouco diferente. Mas antes que comecemos a olhar as especificidades, gostaria de deixar algumas coisas básicas em que acredito ou não acredito, para que estejamos todos no mesmo ritmo e eu não receba mensagens de ódio porque uma vez você interagiu com uma feminista radical que foi malvada contigo.

O QUE EU ACREDITO:

  • A relutância em reconhecer o Transtorno de Identidade de Gênero (TIG) como uma síndrome ligada à cultura vem de um histórico de discriminação contra pessoas em não-conformidade de gênero e uma maior disposição dos americanos e europeus em aceitaram a não-conformidade de gênero se a virem em acordo com seu modelo de biologia/neurociência, no qual a identidade de gênero é inata e imutável. De certa forma, isso faz com que não seja “culpa da pessoa”, o que é um jeito triste e decepcionante de ver a não-conformidade de gênero ser analisada.
  • Disforia e TIG são vivenciados como um fenômeno real e, às vezes, doloroso: a não-conformidade de gênero ocorre em muitas culturas e é resultante do fato de o binarismo de gênero baseado no sexo não fazer um pingo de sentido. TIG e disforia — nas formas específicas em que são experimentados na nossa cultura — são ao que me refiro quando digo que a transgeneridade é uma síndrome ligada à cultura.
  • A não-conformidade e não-cumprimento de gênero são diferentes de cultura para cultura, tanto historicamente quanto nas sociedades contemporâneas: uma quantidade estupenda de energia é dedicada em dizer às pessoas que sua identidade de gênero é inata e baseada no cérebro, e que existem “cérebros femininos e masculinos”. Essa noção é incrivelmente destrutiva e tem pouco espaço no pensamento feminista.
  • Que “terceiras”, “quartas” e outras tantas identidades de gênero em outras culturas também são culturalmente mediadas e que, em algumas dessas culturas, a identidade de gênero serve mais para reforçar do que para subverter o binarismo baseado em sexo (vamos aprofundar nisso mais pra frente, prometo).
  • Que o conceito de transgeneridade como manifestado atualmente nos Estados Unidos podem levar a problemas complexos de identidade, apropriação e aceitação.

O QUE EU NÃO ACREDITO:

  • Que ser transgênero é um fenômeno inato (“nasci assim”) ligado à genética que é vivenciado igualmente em todas as culturas.
  • Que referir ao TIG como uma síndrome ligada à cultura é transfóbico. Não é anorexiafóbico referir à anorexia como uma síndrome ligada à cultura — isso não apaga ou banaliza a experiência alheia. Sua cultura é uma parte importante em você e não é surpreendente ou anormal que sua cultura se manifeste em partes importantes da sua identidade de gênero e autoconceito.
  • Que ser transgênero, inclusiva ou exclusivamente de Cirurgias de Redesignação Sexual ou tratamentos hormonais, faz de você uma pessoa ruim.
  • Que pessoas transgênero ou em não-conformidade de gênero deveriam estar sujeitas à discriminação no trabalho, assédio nas ruas, etc.
  • Que pessoas com disforia de gênero ou forte aversão às típicas identidades de gênero de suas culturas estão “fingindo” de alguma forma.
  • Que esteja fora de questão discutir os modos como nossa cultura media e cria o fenômeno da identidade de gênero e transgeneridade.

Artigo traduzido do blog Culturally-bound Gender


Aplauda! Clique em quantos aplausos (de 1 a 50) você acha que ele merece e deixe seu comentário!

Quer mais? Segue a gente: Medium | Facebook | Twitter |Instagram

Feminismo Com Classe

Written by

Por um feminismo classista e revolucionário!

QG Feminista

Feminismo em Revista

More From Medium

More on Feminismo from QG Feminista

More on Identidade De Genero from QG Feminista

More on Identidade De Genero from QG Feminista

A Criança Generizada

More on Feminismo from QG Feminista

More on Feminismo from QG Feminista

No patriarcado ninguém pode te ouvir gritar

Glitch
Feb 2 · 10 min read

292

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade