QG Feminista
Published in

QG Feminista

O pessoal é sempre político

Traduçao do texto de Elisa Patnaik, publicado em 14/09/2021 no site Odishabytes

Quantas vezes usamos frases como “políticas de escritório”, “políticas da família” e também “política do casamento”. E, no entanto, continuamos a ficar envergonhadas ou evitamos expressar as nossas opiniões quando se trata de reconhecer a existência da política em tudo que permeia a nossa vida cotidiana e pessoal. Para alguns, política é até um palavrão, algo a ser mantido à distância.

A política é ampla e frequentemente definida como as atividades relacionadas a influenciar as ações e políticas de um governo ou obter / manter o poder em um governo. Mas a política não envolve apenas partidos e assuntos políticos, eleições, governos e ideologias políticas. Ou é apenas sobre legislação, política, teorias e filosofias.

Embora descrita como “a arte ou ciência do governo” e “princípios políticos”, a palavra política pode e muitas vezes carrega conotações negativas, como ardilosa, astuta, parcial. Uma pessoa que se engaja em políticas que podem ser prejudiciais é rotulada como alguém que está ‘fazendo política’. É por causa dessas implicações negativas que muitos de nós desenvolvemos uma imagem típica da política e queremos ficar longe dela, ou simplesmente ignorá-la.

Mas, na realidade, a política é um fenômeno e construto multifacetado que afeta a todos nós de uma forma ou outra. E precisamos ir além da definição restrita e reconhecer como a política muitas vezes está no centro de tudo o que vivemos e fazemos.

Em um sentido mais amplo, a política é uma competição entre grupos de interesse concorrentes ou indivíduos por poder e liderança — em um governo, país, região, instituição, sociedade, comunidade, família, relacionamento. Embora reconheçamos o jogo de poder entre e dentro dos partidos políticos e no processo eleitoral, muitas vezes deixamos de reconhecê-lo nas estruturas e instituições socioeconômicas predominantes. No entanto, é útil descobrir do que se trata essa disputa e como ela se desenvolve em todas as esferas.

Do ponto de vista socioeconômico, a política trata de quem recebe o quê, quando e como. A atribuição, distribuição e acesso a recursos materiais e imateriais novamente determinados por estruturas e instituições históricas e prevalentes.

A política também desempenha um papel enorme nas relações e nos espaços pessoais. Pense como você se sente e reage quando um filho se casa com alguém de uma religião diferente ou de um partido político diferente do seu. Até mesmo nossas ideologias políticas afetam inevitavelmente a maneira como nos comportamos nas relações e espaços íntimos. A fidelidade a um partido político ou a uma ideologia influencia o modo como pensamos e desenvolvemos opiniões sobre uma série de questões ao nosso redor.

Em nossas esferas pessoais, também se trata de crenças, princípios, visões de mundo e como nós lidamos e interagimos com eles em nossas vidas. Isso inclui as nossas identidades sócio-culturais, religiosas, sexuais e também o nosso reconhecimento. Por exemplo, o nosso entendimento, compreensão e percepção sobre igualdade, equidade, justiça e humanidade influenciam muito nossas vidas pessoais. Isso também é política.

Por exemplo, a maneira como encaramos os LGBTs definitivamente afeta nosso comportamento e aceitação em relação a eles. Nossas fortes crenças religiosas certamente influenciarão nossa aceitação de uma pessoa de outra religião em nossa família. Então, o Pessoal é de fato Político.

O pessoal é político — é uma crença comum entre as feministas de que as experiências pessoais das mulheres estão enraizadas em sua situação política e na desigualdade de gênero (sexual). A frase tornou-se popular depois que a feminista americana Carol Hanisch publicou um ensaio com o mesmo nome em 1968. O ensaio afirmava que muitas experiências pessoais (especialmente as das mulheres) podem ser rastreadas à posição de alguém dentro de um sistema e estrutura de relações de poder.

O famoso ensaio de Hanisch focou no poder dos homens e na opressão das mulheres. Por exemplo, se uma mulher está sendo abusada por um parceiro masculino, a opressão social das mulheres devido à desigualdade de gênero (entre os sexos) e ao patriarcado é um fator importante para explicar esse abuso. A frase se tornou popular durante o feminismo da segunda onda e continua a inspirar os movimentos feministas em todo o mundo.

Feministas e sociólogas também sustentam que todas as relações entre homens e mulheres são baseadas no poder, dominação e na hierarquia sociocultural existente. E a forma como as meninas e mulheres são tratadas na esfera privada é uma questão política. Algumas feministas vêem o lar e o ambiente doméstico como uma configuração para a opressão e o patriarcado, à medida que homens e mulheres continuam a seguir e praticar os papéis e responsabilidades esperados em sintonia com as normas de gênero prescritas. O papel de homens e mulheres no espaço doméstico e seguindo as normas de gênero sublinham a politização do pessoal, pois representa a forma como a política de gênero e o patriarcado influenciam o comportamento e a vida de homens e mulheres.

Muitas vezes, experiências privadas são compartilhadas. Por exemplo, questões como violência contra as mulheres, restrição ao aborto e direitos reprodutivos, etc., são questões vividas por muitas mulheres de diferentes origens, geografias e culturas que as unem. Também ressalta que as experiências pessoais podem ser coletivas. As experiências pessoais compartilhadas entre as mulheres as tornam políticas, pois são baseadas nas condições sociais perpetuadas pelo patriarcado e pela política de gênero.

Portanto, a política não ocorre apenas na esfera pública, mas também inclui lutas pessoais e marginaliza ainda mais grupos e comunidades vulneráveis. A política é o poder que ocorre tanto na esfera privada quanto na pública porque questões que afetam a esfera privada como violência doméstica, planejamento familiar, igualdade de remuneração também estão localizadas na esfera pública.

As chamadas questões “pessoais” também são afetadas pelas leis existentes e sua aplicação. O estupro conjugal, por exemplo, que ocorre no espaço privado e íntimo ainda não foi reconhecido como uma questão de violência de gênero e foi excluído da esfera política pública de intervenção legal. Muitas vezes, os casos de violência doméstica são facilmente descartados pelos responsáveis ​​pela aplicação da lei como “questões familiares” quando, na verdade, o pessoal é realmente político.

“A política não afeta minha vida” — é a impressão que muitos de nós continuamos a alimentar. Pouco percebendo que todos os aspectos de nossas vidas diárias são influenciados pela política. De decisões sobre nossos corpos e famílias (leis relacionadas ao aborto e gravidez, número de filhos, planejamento familiar) e educação (estruturas de índices, acesso, métodos e conteúdo de ensino) aos nossos rendimentos econômicos (impostos, aumento de preços, acesso ao trabalho, ambiente de trabalho ) e meio ambiente (lei e ordem, acesso a recursos naturais, mudança climática) — a lista onde a política tem uma influência direta em nossas vidas diárias. Quem somos, de onde pertencemos, nossa posição nos estratos socioeconômicos, tudo é afetado pela política que nos rodeia.

A visão comum de que a política não tem relação com a vida cotidiana é, portanto, uma visão limitada porque a política diz respeito às nossas vidas. Percebemos que os governos tomam decisões que afetam nossa vida cotidiana. Mas também percebemos que também temos o poder de influenciá-lo? Por ser politicamente consciente e por não perceber a política como algo distante e público, mas também pessoal.

Vimos como as vidas pessoais e individuais são gravemente afetadas pela política e pelas mudanças políticas. A sociedade também muda de acordo com a política. Nossa liberdade de viver, comer e beber, vestir-se, divertir-se, estudar, casar, viajar … são todos impactados pelo ambiente político ao nosso redor.

O que fazemos em nossas vidas individuais e a maneira como conduzimos nossas vidas também é política. Nossas visões de mundo, ideologias políticas, crenças e valores afetam nossas decisões dentro e fora de nossas casas.

Então, é importante se preocupar com a política. Devemos não apenas saber o que está acontecendo em nossas vidas e ao nosso redor, mas também entender por que isso acontece e ter o direito de dizer algo a respeito disso. Não apenas a forma como votamos durante as eleições, mas também a maneira como entendemos construções e narrativas sociais de longa data, que muitas vezes afetam a igualdade, a equidade, a liberdade e a justiça para nós e para a sociedade.

--

--

--

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Andreia Nobre

Andreia Nobre

Jornalista, blogueira, poetisa, feminista, amante de antropologia e professora primaria que pratica desescolarizacao

More from Medium

Let us tell you about the story of Space Hunters

What is evolutionary systems biology?

100% Community-driven Token, less supply and fair launch; LUNACHOW

The Transformation of Public policy in Digital Era