Trabalhadoras asiáticas: Organização, Educação e Solidariedade

Experiências de organização publicadas pelo Comitê para Mulheres Asiáticas

Feminismo Com Classe
Feb 15 · 5 min read

Publicado pelo Comitê para Mulheres Asiáticas — Asian Women Workers Newsletter June, 1989, no. 2, vol. 8.

Tradução: Aline Rossi

As organizadoras de mulheres trabalhadoras na Ásia têm muito em comum umas com as outras em relação ao seu trabalho de organizar mulheres trabalhadoras.

Em cada localidade, as organizadoras desenvolveram sua própria maneira de lidar com as necessidades em sua própria situação. Elas têm demonstrado metodologias e estratégias para enfrentar os problemas que enfrentam ao tentar organizar as trabalhadoras. Em suma, as organizadoras estão ligadas por uma visão e esperança comuns; que, um dia, as trabalhadoras poderão se erguer e defender seus direitos como mulheres e trabalhadoras na sociedade.

Mais de 35 organizadoras de 11 países asiáticos se reuniram em Seul - Coréia, de 4 a 11 de junho de 1989, para um Intercâmbio de Mulheres Organizadoras de Trabalhadoras Asiáticas. O objetivo era compartilhar suas diferentes experiências e envolvimento em seu trabalho com as trabalhadoras. Uma compreensão do trabalho de cada uma, as diferentes maneiras pelas quais as organizadoras criaram seus programas de organização e educação foram o foco do intercâmbio.

Elas se reuniram ao longo de 8 dias e, em especial, puderam compartilhar profundamente o movimento das trabalhadoras coreanas.

Todas as participantes ficaram impressionadas e comovidas com a dedicação e o compromisso das trabalhadoras coreanas. Seja em sindicatos, em casas de mulheres trabalhadoras ou em locais de greve, as participantes testemunharam a liderança das mulheres, a autoconfiança das mulheres em liderar suas lutas pela justiça e seus direitos. Foi uma inspiração para todas ver que é possível capacitar mulheres trabalhadoras comuns a lutar por melhorias em suas vidas.

Aprendemos que a educação é um processo contínuo à medida em que ocorre na vida e no trabalho das participantes enquanto organizadoras e também com as pessoas com quem elas trabalham, as trabalhadoras.

Educação não significa apenas fazer palestras sobre questões trabalhistas e sócio-políticas. Envolver-se na vida das mulheres trabalhadoras - seus problemas, suas necessidades, suas limitações - esta é a educação básica para as organizadoras. A participação nas lutas por melhores condições salariais e de trabalho é outra parte importante da educação — ela mostra às trabalhadoras o poder de se organizarem juntas para melhorar suas vidas de trabalho.

Educação também envolve criar uma consciência da opressão das mulheres que afeta a vida de todas as trabalhadoras.

Através de seu envolvimento, organizadoras e trabalhadoras estão descobrindo sobre as estruturas opressivas que afetam suas vidas na sociedade patriarcal.

Concluímos o Asian Exchange com a visão de que um dia as trabalhadoras asiáticas poderão recuperar sua dignidade como parceiras iguais na sociedade, reconhecidas e recompensadas por seu importante papel na sociedade.

Mulheres organizadoras compartilhando experiências

Fazendo trabalho pedagógico com mulheres trabalhadoras na Tailândia

"Em nosso programa educacional, são as participantes, ou seja, as trabalhadoras, que determinam o que elas querem saber ou aprender". Normalmente, o grupo de estudo tem um currículo fixo e um programa de treinamento contínuo, mas isso é flexível a mudanças. Nosso programa pode ser executado em qualquer lugar adequado como a sede do sindicato, a casa das trabalhadoras ou o parque público próximo à sua fábrica.”

Normalmente, fazemos em grupos pequenos, que variam de oito a dez pessoas.

Nosso programa enfatiza a qualidade do desenvolvimento da vida das mulheres. Queremos que elas tenham confiança e pensem por si mesmas e expressem suas ideias sem medo".

"Há apenas dois anos realizamos programas de educação de mulheres trabalhadoras e ainda temos muito a aprender. No entanto, sou capaz de ver a eficácia e o progresso do programa que realizamos. Antes de se juntarem ao grupo, elas tinham bastante medo de expressar o que pensavam. Mas, com o grupo de estudo, tornaram-se mais confiantes em falar e compartilhar suas ideias. Algumas delas agora estão educando suas colegas de trabalho. Para dar um exemplo: um grupo discutiu como equilibrar seus ganhos e despesas. As integrantes descobriram que estavam gastando mais do que ganhavam. Em conclusão, elas decidiram cortar gastos em itens luxuosos e também instaram o sindicato a reivindicar salários mais altos.”

"Nosso programa educacional está focado em alunas adultas e dá ênfase na participação completa. Fazemos uso de materiais audiovisuais, por exemplo, apresentações de slides, vídeos, jogos, estudo de casos, dependendo do que acharmos apropriado. Também realizamos visitas a locais onde as trabalhadoras visitam e têm intercâmbio com outros grupos, por exemplo, mulheres rurais, grupos de prostitutas, etc. Isso pode abrir os olhos das trabalhadoras para entender outras situações e outros problemas de mulheres tailandesas".

Hong Kong

"Use a linguagem cotidiana com as trabalhadoras". Não use palavras difíceis e abstratas.

As reuniões devem ser realizadas de forma descontraída e conversacional.

“As reuniões devem ser realizadas de forma descontraída e conversacional. Partindo de nossas experiências, as trabalhadoras jovens e solteiras seriam mais facilmente atraídas por nossos cursos, pois elas têm mais tempo livre e seu anseio por conhecimento é maior. Naturalmente, a condição prévia é que nossos cursos devem ser interessantes e satisfazer suas necessidades imediatas, suas necessidades vitais".

É melhor começar partindo das experiências pessoais delas. Através do processo de compartilhar experiências umas com as outras, as trabalhadoras podem rever seus sentimentos sobre seus valores e atitudes, sua visão de vida, etc. E então as organizadoras podem conduzir as participantes a analisar como tais valores e atitudes são formados em nossas vidas. Aqui, as organizadoras devem ter uma coisa em mente: não usar termos difíceis e abstratos que as trabalhadoras não entendem. Devemos usar a linguagem cotidiana das trabalhadoras. SOMENTE quando as trabalhadoras sentem que você é uma delas, então elas estarão dispostas a se expressar abertamente. Fazer com que as trabalhadoras tenham autoconfiança para falar abertamente sobre si mesmas é um passo básico para organizá-las.

"Organizar mulheres trabalhadoras para alavancar a consciência sobre a discriminação sexual e a desigualdade requer muito mais tempo. Por experiência, parece mais adequado começar com pequenos grupos, idealmente de oito a dez pessoas. As trabalhadoras têm sido negligenciadas desde a infância. Quando se tornam trabalhadoras manuais, elas estão acostumadas a ser discriminadas por aqueles que ocupam posições mais elevadas. Assim, a maioria delas não tem confiança para falar e têm medo de se expressar em grandes audiências. A conscientização através de pequenos grupos pode ajudar a superar esse grande obstáculo.”

"As organizadoras devem também usar constantemente diferentes formas de reunião que possam atrair mais as trabalhadoras, como ver bons filmes juntas, ir a piqueniques, acampar e ter discussões significativas sobre esses eventos".

→ Siga no Facebook, Instagram e Youtube

QG Feminista

Feminismo em Revista

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store