“Você é diferente, não é como as outras da sua idade”

Sobre aquele cara mais velho que é tão, tão legal.

Em todo colégio tem aquele professor (muitas vezes — na maioria delas — mais de um) que adora fazer graça com as meninas: flerta sutilmente (outras vezes nem tão sutilmente assim), sempre usa uma ou outra de exemplo, conversa com elas de “igual pra igual”…

Daí sempre tem aquele que te dá uma atenção especial, que reparou que sua dúvida (que você quis tirar depois da aula, pelo motivo que for) é bem inteligente. Ele começa a te perguntar coisas pessoais, do seus planos de futuro (já sabe o que vai prestar de vestibular?), te pergunta dos seus interesses, te pergunta do universo fora da escola e você acha bem curioso isso tudo. Ele te dá atenção, quer saber quem você é — para além de ser aluna dele, para além de ser estudante/vestibulanda.

Tipo, o professor, querendo saber da minha vida? Julgando que conversar comigo é interessante? O cara é tão mais velho, já formado, trabalha, é bonitão/charmoso [enfim, “superior” ou “inalcançável” pra mim em tantos aspectos!]…

E você continua conversando com ele depois da aula, no facebook, no whatsapp… E ele te diz o quanto você é adulta/madura pra sua idade, que você não é como as outras garotas da sua sala/escola/idade (e você meio que sente que sabe disso, e pensa — é, faz sentido, porque se eu não fosse, ele não estaria perdendo tempo comigo, né?).

É claro que durante as aulas, vocês se tratam normalmente. Afinal, ele é profissional e você é madura, e entende que as brincadeirinhas e os flertes com outras meninas são parte da profissão, da “imagem” que ele tem a manter, e você reprime qualquer sentimento negativo que possa sentir, tipo que ele age com elas como agia com você, mas, claro, você é a única, ele garante. Você é madura, é capaz de entender a situação. Essas meninas todas, tolas, elas não são como você.

Você com seus 16 anos; ele quase ou mais de 30. Se ele te disser que tal curso é o melhor, você vai acreditar.
Você recém iniciada sexualmente; ele transando desde antes de você ter nascido, às vezes. Se ele te disser que é normal se sentir mal como ele te pega, você vai acreditar.
Você estudante, economicamente dependente; ele completamente autônomo. Se ele definir todos os programas que vocês fazem porque ele que paga, você não tem como argumentar.
Você que teve um ou dois relacionamentos mais sérios, ou talvez nem isso; ele que já teve até noivado. Se ele te disser que num relacionamento maduro a mulher faz tudo que o cara quer porque é prova de amor e de entrega, você vai acreditar.
Você que vê jornal e não entende muitos dos termos usados e das realidades retratadas (afinal, você só tem 16 anos, né?); ele que nasceu sob o regime militar e votou nas eleições de 1994. Se você der uma opinião e ele falar que tá errado, que não é assim e que você só pensa isso porque tem pouca idade, você vai aceitar.
Você que não pode nem entrar em balada, ele que teria idade pra
ser. seu. pai.

Amiga, você pode ser linda. E madura, sim. E inteligente, e tudo isso. Mas você tem 16 anos e tem o direito de ter 16 anos sem isso te representar uma desvantagem. E, num relacionamento com um cara mais velho, sua idade é e sempre vai ser uma desvantagem, porque sua (pouca) idade não é só um número -
é sua (falta de) experiências sexuais e amorosas.
é sua opinião ainda em formação.
é sua dependência econômica e, muitas vezes, emocional.
é sua insegurança e sua necessidade de um porto seguro e de amor.

E nada disso tem problema NENHUM! Mas em mãos maldosas, tudo isso resulta na receita perfeita pra um relacionamento abusivo em todos os sentidos.

Será que ele gosta de você ou do poder de manipulação que ele tem sobre você?
Por que será que ele não se relaciona com mulheres da idade dele?
Por que é normal que um adulto completamente formado sinta interesse por uma pessoa ainda em formação em todos os sentidos?
Será que se ele não fosse seu professor — e, portanto, se não tivesse alguma “autoridade” ou “influência” sobre você — , você se sentiria confortável com isso?

Sai dessa.
Seja livre pra viver sua adolescência sem ninguém te manipulando e te moldando.
Preze por relações em que prevaleça o equilíbrio, sem que um lado pese mais que o outro.
E, por favor, avise as amigas.


Gostou desse texto? Aplauda! Clique em quantos aplausos (de 1 a 50) você acha que ele merece e deixe seu comentário!

Quer mais? Segue a gente:

Medium
Facebook
Twitter