Só existimos quando ligam as luzes

É fácil gostar do que a gente tem, quando o que a gente tem é tudo sobre você. Você precisa de mim quando as luzes se ligam, mas ninguém sabe quem somos nós no escuro.

Você não me liga. Não tomamos o café juntos. Você não sabe qual é a minha cor favorita. Minha série favorita. Tem dias que tenho a impressão de estar dormindo com um desconhecido. Só trocamos o mesmo ar enquanto transamos. Ninguém sabe disso.

Ninguém sabe que você não sabe o dia do meu aniversário. Que nem sempre somos só nos dois. Que aquelas fotos de casal no Instagram são apenas para novas curtidas. Que passamos dias sem olhar um para a cara do outro. Que na verdade, editamos toda a nossa vida.

Ninguém sabe disso quando estamos diante dos meus amigos. Naquele jantar na casa dos seus familiares. Nos áudios que trocamos pelo WhatsApp. Na fila do cinema. Do supermercado. Malhando na academia.

Porque no escuro, quando todos os olhares se distanciam e podemos tirar toda essa maquiagem, essa barba bem aparada e esse cheiro de perfume importado, somos apenas dois caras olhando para os seus iPhones, procurando um abrigo em um peito reconfortante fora deste quarto. Que não conforta. Não abriga. No fundo, não sei se continuamos aqui pelo que acham que a gente é, ou pelo cheiro de amaciante dos lençóis.

Like what you read? Give Ranieri Trecha a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.