JUNHO DE 86

[Publicado em 05/07/2014

Lembro do gol de cabeça do Dr. Sócrates na vitória apertada contra a Espanha Lembro da letra R piscando e a polêmica durante o replay se entrou ou não entrou Lembro da animação da família numerosa na casa do tio que tinha casa com piscina Lembro do meu pavor no início do segundo tempo ao achar que a Seleção atacava pro lado errado Lembro da surpresa ao saber que depois do intervalo os times trocavam de lado Lembro do meu primo mais velho soltando rojão Lembro do cheiro de fumaça de fogos, cigarro e brasa Lembro que torcer pela Seleção era o que todo brasileiro fazia e que só brasileiro fazia Lembro que todo mundo que eu conhecia era brasileiro Lembro que futebol era coisa de menino e Copa era coisa de todo mundo

Não lembro se sabia cantar o hino nacional

Lembro que o hino era cantado com a mão direita sobre o lado esquerdo do peito e que em algum jogo tocaram o hino errado Lembro que achava normal que em todo réveillon meus avós tocassem o hino na hora da virada Lembro que sabia cantar o Mexi-Mexi-Mexicoração (sei até hoje) Lembro do Araquém, o showman, que tinha o mesmo nome de um tio-avô que não conheci Lembro da primeira versão do tira-teima que mais parecia um totó eletrônico Lembro do comercial da loja de departamentos com imagens da Seleção Lembro da voz do Osmar Santos e do pimba-na-gorduchinha e do ripa-na-chulipa Lembro do grito Josimaaaaar! quando ele fez aquele golaço encobrindo o goleiro irlandês Lembro que tive pena do goleiro e que pra mim ele não tinha cara de goleiro Lembro da reportagem mostrando a favela onde viveu o Josimar e tive pena do Josimar criança

Não lembro onde assisti as goleadas de 4×0 sobre a Polônia e 3×0 sobre a Irlanda

Lembro do Fernando Vanucci dizendo Deus 1×0 Alá, depois da vitória contra a Argélia Lembro que alegavam que o Papa era polonês, mas tranquilizavam que Deus era brasileiro Lembro que pensava que quando o narrador não lembrava o nome do jogador estrangeiro o jeito era chamá-lo de Branco Lembro que não entendia que Alemão era um apelido e desconfiava que ele não fosse brasileiro Lembro que a empregada se dizia apaixonada pelo Casagrande Lembro do Careca correndo com braços abertos e punhos fechados ao marcar contra a França Lembro que não entendia porque pronunciavam Bats, Rocheteau, Tigana e Amoros diferente de como se escreviam seus nomes Lembro que tive pena quando soube que o Bats já havia tido câncer Lembro que sabia que o craque era sempre o camisa 10 e que não entendia por que a Itália jogava de azul e a Alemanha de verde, às vezes Lembro que pra mim parecia que o Maradona disputava outro campeonato

Não lembro se sabia que Maradona rivalizaria com Pelé

Lembro que o Pelé havia se oferecido para jogar a Copa aos 45 anos Lembro que não entendi por que afinal o Pelé não tinha sido convocado Lembro que o Zico tinha problema no joelho e por isso estava no banco Lembro que não acreditei quando o Platini furou o gol do Carlos e que eu nunca tinha visto o Brasil tomar um gol Lembro que a empolgação com o pênalti marcado significava um quase gol Lembro que não sabia que craque também errava Lembro do meu avô dizendo que fora um erro colocarem para bater pênalti quem tinha acabado de entrar Lembro do Telê Santana e queria lembrar de 82 Lembro que tive pena do Zico, do Telê e do meu avô Lembro que o amargor da derrota me lembrou a decepção no torneio do colégio no ano anterior

Não lembro se conseguia comparar a magnitude das tristezas

Lembro que todo mundo da minha idade queria ser jogador de futebol Lembro que um amigo botafoguense se autoproclamava o Mauro Galvão do futuro e era o único que levava a própria carreira a sério Lembro que todos os meus amigos da escola e do prédio tinham um time local e um time do Rio Lembro que não via nenhum problema nisso já que todo mundo também torcia pra Seleção Lembro que o Zico era sinônimo de Flamengo e portanto era natural ser flamenguista Lembro do brilho, da textura e do cheiro sintético da bola Azteca oficial que ganhei Lembro do aniversário de um primo da mesma idade repleto de balões verdes e amarelos Lembro da inadequação do tema pois a festa aconteceu depois da eliminação do Brasil Lembro que percebia que quatro anos teriam que se passar até a próxima Copa Lembro que tinha a exata noção que isso correspondia a metade da minha vida inteira

Não lembro se sabia que lembraria disso tudo para sempre.

Comentários

Comentários


Originally published at quatrotrestres.com.br.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.