Pela luz dos olhos teus 1 e 2 | Cantando Vinicius

Vinicius iluminado pelo olhar de seus melhores intérpretes é o que propõe mostrar o CD Pela Luz dos olhos teus. A panorâmica é aberta por Tom & Miucha na delicada valsa que dá nome ao projeto — um grande sucesso do rol de composições que o Poetinha, parceiro constante de Tom Jobim, Baden Powell, Carlos Lyra, Edu Lobo e Toquinho; deu-se ao luxo de criar sozinho.

Entre as primeiras 18 faixas, há interpretações marcantes como “Eu sei que vou te amar” com Caetano e a do violão viril do cara-metade Toquinho para o tema “O Bem amado”. “Valsinha” desafia a lenda de que o poeta contentava-se apenas com suas estrofes exibindo a inspirada melodia composta por ele com letra e interpretação de Chico Buarque. De uma rota diametralmente oposta, aparece o poema originalmente publicado em 1954, “Rosa de Hiroshima”, na forma em que ficou mais conhecido: musicado para o disco-fenômeno de 1973 do Secos & Molhados de Ney Matogrosso.

Nas duas últimas faixas-bônus está Vinicius por seu próprio olhar. As performances raras aconteceram ao lado de Toquinho, ao vivo e a bordo do revolucionário festivalPhono 73.

Ao lado de Toquinho, as performances raras se deram ao vivo e a bordo do revolucionário festival Phono 73.

Pela luz dos olhos teus 2 complementa com mais 20 faixas a seleção de olhares iluminados de grandes intérpretes sobre a obra de Vinicius de Moraes. “Chega de saudade”, marco fundador da bossa nova em 1958, abre com uma versão ao vivo de Caetano Veloso mais de quarenta anos depois. As divas Elizeth Cardoso e Ângela Maria emocionam com seus grandes sucessos, “Apelo” e “Gente humilde”, respectivamente, enquanto Elis Regina mostra onde nasceu o que chamamos hoje de MPB arrebatando o festival de 1965 da TV Excelsior com “Arrastão”. Outras vozes femininas se somam de Sylvia Telles e Quarteto Em Cy a Roberta Sá, ao que os homens respondem em coro com Os Cariocas, Tamba Trio e MPB-4. Há ainda Wilson Simonal, Jair Rodrigues, Milton Nascimento e Pery Ribeiro com o histórico primeiro registro de “Garota de Ipanema”. Todos em torno e homenagem à obra do Poetinha para a canção brasileira.

Compondo o trio de faixas-bônus, os registros lançados originalmente em 78 RPM para ”Água de beber” e “Lamento no morro” sob o olhar do próprio Vinicius e “Pela luz dos olhos teus” que dá nome e encerra esta segunda edição como abriu a primeira, desta vez na voz do eterno Vinicius de Moraes.

Conceito, seleção de repertório e texto: Ricardo Moreira

*Artigo sobre álbum tocado na íntegra no programa DISCOTECA BRASILEIRA da Rádio Brasileira dia 12 de junho de 2015. Ouça em www.radiobrasileira.com.br ou através de aplicativos iOS e android procurando por “mpblivbre”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.