Sobre Análises (e Construções) Apressadas

Uma coisa não mudou da 1a pra 2a análise: O bicho continua bonito.

Antes de começar mais esse textão, eu preciso admitir que paguei de juvenil ao analisar o Umi Z no meu outro texto. Na ânsia de entregar o texto, acho que não analisei o celular por tempo suficiente. Alguns detalhes do aparelho precisam de um uso um pouco mais aprofundado pra que a análise seja realmente completa e eu confesso que deixei a desejar nessa parte.

Inclusive estou escrevendo este texto aqui pois uma das grandes vantagens do Umi Z que citei no texto na verdade não é tão correta. O fato dele vir com Android puro tinha sido mencionado por mim como um dos fatores positivos do celular, pois a grande maioria dos celulares chineses precisava de ajustes como troca de rom ou root para funcionar plenamente no Brasil. Acontece que o celular apresentou alguns problemas mesmo depois da última atualização e eu verifiquei nas comunidades da marca tanto no facebook como no site oficial, que o ideal era instalar a última atualização como se fosse uma nova rom para que ela corrigisse alguns dos problemas citados.

Mas antes de falar sobre troca de rom, é bom falar um pouco sobre os tais problemas que notei com o uso do celular por mais tempo. Talvez o maior deles esteja relacionado com a bateria. Ela não estava entregando o que a empresa prometeu em suas propagandas tanto no uso como na velocidade de carregamento e esquentava demais. Mesmo nas tarefas mais simples já era possível sentir o celular esquentar, quando ele era colocado pra carregar então… ele quase FERVIA. E não precisa ser nenhum expert pra saber que o calor é péssimo pra vida útil da bateria. E mesmo quase fritando o celular, o carregamento não é como o prometido nas propagandas. Em alguns testes que fiz com a bateria a 10 ou 15% de carga, o carregamento nunca foi feito em 100 minutos como eles prometem. A carga total dessa bateria leva um pouco mais de 2 horas, resultado nada impressionante. Ainda mais decepcionante se levarmos em conta que o celular conta com a tecnologia USB tipo C. Se é pra carregar em duas horas, eu confesso que preferia ter o antigo conector USB, assim não perderia todos os carregadores e cabos que acumulei durante a vida.

100 minutos de carga: de 12% a 85%. Não cumpre o que as propagandas prometiam.

Dois outros detalhes que me chamaram a atenção foram relacionados a tela, e infelizmente nestes dois casos o hard reset não tinha como ajudar. O 1o problema é referente a uma espécie de risco fantasma que a tela apresenta. O meu celular (e vários outros, de acordo com o fórum da marca no site oficial) apresenta um risco bem grande de ponta a ponta no celular. O engraçado é que quando se limpa a tela, ele sai. Mas minutos ou horas depois ele aparece novamente. Na comunidade da marca foi explicado que este era um problema interno da tela, com uma espécie de óleo que se desprendia da tela internamente e causava este risco. Não me parece ser um problema de todos os aparelhos, mas se alguns deles apresentam este problema, me parece que o sistema de qualidade deles falhou.

O outro problema também tem a ver com a qualidade, mas pelo menos por enquanto não vi outros usuários reclamando. A minha tela apresenta algumas manchas quando determinadas cores são expostas nela. Fica difícil de pegar com o celular, mas é como se o meio do celular ficasse com aqueles riscos na tela típicos de TV antiga sem sinal, sabem? Isso não é um problema grave, mas me incomoda.

Estes problemas não são graves, mas me desanimaram um pouco com relação a marca, pois eu penso o seguinte: Ao comprar um celular da China, nós estamos cientes que o preço e as especificações serão muito bons, mas também sabemos que não teremos garantia e a assistência técnica do produto será escassa. Por isso ao fazer uma compra dessas, é importante escolher uma marca que passe confiança na construção do aparelho. E infelizmente uma das famas da UmiDigi é a de construir aparelhos frágeis e com problemas recorrentes de construção.

Um outro detalhe que descobri nessas minhas andanças pelo Fórum da UmiDigi foi uma suposta trapaça da empresa nos testes Antutu do celular. Segundo este post aqui, a empresa burlou o teste fazendo com que os resultados fossem melhores do que os resultados reais que o celular deveria apresentar. Confesso que independente do resultado do Antutu, para o MEU USO o processamento do celular é extremamente eficaz, mas é importante falar disso pois é mais um indício da forma de trabalho da empresa que me desagra.

É meio triste constatar estes problemas pois não me parecem ser coisas complicadas de resolver, então fica a impressão de que houve pressa ou puro desleixo na construção mesmo. E analisando tudo isso juntamente com o seu preço lá fora, não acho mais que o celular seja uma boa opção de compra. Na faixa dos 700 a 800 reais é possível encontrar aparelhos de marcas mais conceituadas e mesmo com especificações mais robustas, como o Mi5 da Xiaomi.

Acho que aqui no final cabe também um parentese sobre os motivos de eu não ter visto estes defeitos antes. Na verdade o risco eu já tinha visto, mas achei que era um problema isolado, por isso não falei nada na primeira análise. Já a questão da bateria e da mancha na tela eu não consegui notar pois durante a semana que eu analisei o celular eu fiquei a maior parte do tempo em casa me recuperando de uma cirurgia. Uma coisa é o uso simulado dentro de casa e outra completamente diferente é o uso real, no trabalho, na rua, com gps, enfim. E falando em GPS, uma ressalva positiva precisa ser feita: na comunidade da UmiDigi muita gente reclamou do GPS mas nas vezes que eu precisei usar essa função ele funcionou perfeitamente.

Pra variar este texto já está ficando gigante de novo, então eu vou deixar a parte do Hard Reset do Umi Z pra um outro texto que sai ainda hoje. O intuito é ajudar outros usuários que queiram fazer o procedimento para corrigir os problemas de bateria. Aguentem firme aí!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.