NOTA DE REPÚDIO: XAMÃ E COSTA GOLD

O “rapper” Caio Nog, escreveu versos que fazem apologia ao estupro.

Rap Di Mina
May 23, 2018 · 3 min read

Xamã com Costa Gold nesse beat loco
Tira o sono
Deixa ela dormir que se ela vira, eu como
Boto o cano na goela e atiro gozo
– Nog em “Preguiça”, de MC Xamã com participação de Costa Gold

Mais uma semana, mais um escândalo na cena do Rap/Hip Hop nacional. O primeiro foi protagonizado pela Nabrisa. Em seu single “Passarin”, ela ofendeu a comunidade negra com versos racistas. A rapper se defendeu de várias as formas, se dizendo inclusive vítima de machismo, porque não cobram os caras da mesma forma. Nós acreditamos que o gênero não justifica versos racistas e ela deve ser cobrada, assim como qualquer outra pessoa. Nós redigimos uma nota de repúdio sobre o caso, disponível aqui.

A cena nacional está em polvorosa, já que nem uma semana se passou após esse caso e já temos um novo escândalo. Dessa vez, envolvendo a Costa Gold, Xamã e apologia ao estupro. Ontem, dia 22/05, o Xamã liberou seu álbum de estúdio: Pecado Capital. Infelizmente, um disco que prometia ser incrível está sendo comentado principalmente pela faixa “Preguiça”, com participação do Costa Gold. Em um dos versos, o rapper Nog fala “Deixa ela dormir que se ela vira eu como, boto o cano na goela e atiro gozo!

Ele se pronunciou em suas redes sociais afirmando que a música foi mal interpretada, já que ele não está incentivando o estupro. Nog diz que seu objetivo era transmitir a sensação que a música trás. No caso, a metáfora é a menina dormindo e ele com vontade de transar. Na mesma resposta, Nog diz que não está explicito forçar ninguém a nada e que ele, como rapper, tem direito a licença poética.

Em 2015, um estupro era cometido a casa 11 minutos. A estimativa é que esses casos reportados equivalem a apenas 10% do total de crimes cometidos. Na cidade de São Paulo, há 1 estupro em local público a casa 11 horas. A cada 2 segundos, uma mulher é vítima de violência física ou verbal. Estupro é crime, não licença poética. Se uma mulher está dormindo, ela não autorizou a realização de nenhum ato sexual.

A Equipe Rap Di Mina é contra qualquer ato de violência contra a mulher. Nossos corpos não são banais. Machistas e misóginos não passarão. Juntas resistiremos.

Dados:

Anuário Brasileiro de Segurança Pública.
Levantamento G1 — Regerente a Jan — Jul/2017
Relógios da Violência

Portal Rap Di Mina

Uma publicação brasileira voltada para o Hip Hop feminino.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store