Microhistórias do jornalismo | Campanha

Na praça dos bancos da USP topei com um rapaz novo e bem vestido que me abordou com a pergunta “o senhor gosta de ler”? Como eu estava um tanto decepcionado por ter pago 26 reais para sacar meu próprio dinheiro, já que perdi meu cartão e não estava na minha própria agência, resolvi dar atenção ao moço.

Wesley trabalha oferecendo revistas para transeuntes como uma campanha de incentivo à leitura, segundo ele mesmo explica. A cada pessoa que lhe dá ouvidos ele dá um exemplar de graça de um título da editora Globo. Mostra os títulos disponíveis e pergunta qual eu prefiro: Época, casa& Jardim, Pequenas Empresas, Grandes Negócios? Vejo uma edição de Galileu que vem com pôster do Star Wars. “Pode ser essa?”. “Pode, claro. Essa revista é bem legal. Tem muita informação diferente”, responde Wesley. Aponta para uma das reportagens da capa, a do “dossiê vagina” e emenda “tem essa reportagem aqui sobre as mulheres. Tem muita coisa aqui que muita gente não sabe.”

Logo agradeço, mas digo que não poderei assinar. Wesley está preparado. A minha revista eu já ganhei, não preciso assinar nada. Mas será que eu não concordaria em receber mais exemplares da revista por 6 meses pagando apenas a taxa de entrega? Não e assinatura, é uma colaboração para a campanha. Mesmo assim não aceito.

Ainda que o nome taxa de entrega pareça um truque da editora faço uma conta rápida considerando o preço da revista e os exemplares que eu receberia e vejo que não seria mesmo mal negócio. Mas isso transparece mais como um claro sinal do desespero das editoras tentando sustentar suas revistas, oferecendo-as a preços irrisórios em planos de assinatura curtos chamados de incentivo à leitura.

Estico um pouco o papo com Wesley. Ele me diz que se ele atingir sua cota naquele trabalho a empresa lhe pagará um curso superior. Wesley quer cursar Jornalismo. Fico animado em encontrar um futuro colega de curso e compartilho que acabei de entrar no curso. Ele também se anima e explica que a empresa bancará o curso na PUC e o efetivará se ele conseguir 600 pontos como estagiário. Cada pessoa que ele “incentivar a ler” lhe vale 2.

Preciso ir embora. Wesley me dá um abraço, agradece a atenção e eu agradeço pela revista. Ambos nos desejamos sorte.

de 21 Jun. 2016

Like what you read? Give por hoje nada a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.