AWS re:invent 2015: Andy Jassy keynote

re:Invent é o congresso anual organizado pela Amazon voltado para as soluções de cloud computing baseado em seus serviços AWS, e que aconteceu entre os dias 05 e 09 de outubro em Las Vegas e eu estava lá participando pela Globo.com. Os dois primeiros dias são reservados para quem deseja fazer exames de certificação, bootcamps com especialistas transferindo seus conhecimentos e um hackathon com devops solucionando problemas reais e utilizando a gama de serviços que a AWS fornece. O evento se inicia oficialmente ao terceiro dia com o keynote de abertura com Andy Jassy, principal executivo de negócios da Amazon. Jassy começa apresentando números que demonstram a grandiosidade do evento, com pouco mais de 19.000 inscritos, 270 sessions sobre assuntos diversos e 35.000 registros para assistir ao streaming ao vivo. Na sequência Jassy apresenta indicadores de negócio que mostram substancial crescimento da empresa no mercado de cloud pública e híbrida, onde ela mesma é a líder. Na comparação entre Q2/2014 e Q2/2015, o crescimento do número de instâncias em utilização é de 95% YoY, serviços de banco de dados de 127% YoY, transferência de dados via S3 de 120% YoY, e receita de $7.3 bilhões no Q2/2015 com crescimento de 81% se comparado ao Q2/2014 que foi de $4 bilhões. São 1 milhão de usuários ativos que pagam pela capacidade de computação e uso dos diversos serviços do ecosistema da AWS. Grande parte do tempo dos keynotes apresentados por Andy Jassy e Werner Vogels são destinados ao lançamento de novos serviços da AWS e essa capacidade que a Amazon tem em ampliar seu catálogo de SaaS é o que a diferencia de seus concorrentes diretos nesse mercado como Google e Microsoft.

Amazon QuickSight foi apresentado como uma solução de business intelligence com 1/10 do custo em relação as principais soluções de BI existentes no mercado, possibilitando ao usuário trabalhar com dados que normalmente requer alto custo de processamento como targeting, clickstream analysis, rastreamento de entregas e marketing & sales analysis de forma mais rápida e amigável.

QuickSight pode utilizar outros serviços da cloud como fonte de dados como Amazon Redshift, RDS, DynamoDB, Kynesis e S3, serviços standalone como Oracle ou MySQL e serviços de terceiros como Salesforce.

O Amazon Snowball é um dispositivo de armazenamento projetado para empresas que precisam transferir dados de forma massiva (geralmente acima de 10TB) para o ambiente AWS em curto espaço de tempo.

Cada unidade tem capacidade de 50TB de armazenamento, podendo ser conectadas em paralelo na rede, resistente a água e quedas, peso de 22Kg, placa de rede de 10GB, e faz uso de criptografia 256-bits.

MariaDB como nova engine de banco de dados no serviço RDS, com planos com capacidade de 6TB de armazenamento, 30.000 IOPS e suporte a arquiteturas distribuídas de alta disponibilidade.

Ainda no campo de banco de dados, foi anunciado o serviço Database Migration Service para auxiliar a migração de dados para a AWS, com suporte a migrações homogêneas, como de Oracle para Oracle, ou heterogêneas entre diferentes plataformas como Oracle para AWS Aurora ou Microsoft SQL Server para MySQL.

O serviço inclui a ferramenta chamada Schema Conversion, onde os objetos e funções são convertidas da engine de banco de dados de origem para a destino de forma automática e transparente.

A primeira apresentação de um case de parceiro foi feita por Jim Fowler, chief information officer da GE. O plano da GE é migrar 60% de seu workload para a AWS nos próximos 3 a 5 anos. Parte da venda de equipamentos para o mercado de óleo e gás já é feita através da AWS, onde um sistema de cotação auxilia o pessoal de venda nos campos. O custo para manter esse sistema em execução nos próprios datacenters da GE é de $62.000 ao ano com um tempo médio de 20 dias para mudanças de código, enquanto o mesmo sistema hospedado na AWS tem um custo anual de $6.000 e tempo médio de 2 minutos para mudanças de código com melhor tempo de disponibilidade.

Como parte desta consolidação a GE estará fechando 30 de seus 34 datacenters. Nas palavras de Fowler: “For us, this is no longer an experiment. It is no longer a test. It is no longer something that we talk about as being probable. It is inevitable. We are moving, and we are glad to have AWS as our partner.”

Voltando aos novos serviços, o AWS Config Rules é uma solução de apoio a governança da cloud onde o administrador pode definir políticas de provisionamento e configuração de recursos e isso ser continuamente monitorado. O serviço fornece regras pré-criadas baseadas nas melhores práticas de administração recomendadas pelos arquitetos da AWS ou permite regras customizadas. Por exemplo se o administrador quer ter certeza que os volumes EBS estão encriptados, ou as instâncias devidamente taggeadas e os Elastic IPs devidamente associados as instâncias. O serviço mostra o sumário de execução de todas as regras em um dashboard, alertando de forma visual ou por notificação as inconsistências e corrigindo automaticamente se for necessário.