Diário de Whitefield: Seção I, parte 2

Quando eu tinha cerca de 12 anos, fui colocado em uma escola chamada “St. Mary de Crypt”, em Gloucester, — a última Escola de Gramática para a qual já fui. Tendo boa Elocução e Memória, fui designado a fazer os Discursos perante a Corporação durante a Visitação anual. Mas não posso dizer que tenha sentido quaisquer Atrações de Deus na minha Alma por um Ano ou dois, exceto que dei um pouco do Dinheiro que me foi dado em uma das ocasiões que mencionei para comprar o Manual de Ken para Estudantes de Winchester [Ken’s Manual for Winchester Scholars], um Livro que teve muito efeito em mim quando meu Irmão costumava lê-lo nas Dificuldades de minha Mãe, e o qual, por algum Tempo depois que o comprei, foi de grande Benefício para minha Alma.

Durante o tempo que estive na Escola, eu orgulhava-me de ler Peças e faltava às aulas por Dias para preparar-me para atuar nelas. Meu Mestre [n.e.: não é uma referência a Deus, mas ao professor dele], vendo como eram a Tendência minha e de meus colegas, compôs algo desse Tipo para nós ele próprio, e fez-me vestir Roupas de Meninas (o que eu frequentemente fiz) para atuar em uma Peça perante a Corporação. A Lembrança disso frequentemente tem coberto-me de Confusão de Rosto, e espero que continue a fazê-lo, até o Fim da minha Vida.

E não posso deixar de observar, aqui, com muita Preocupação, o quanto esse Jeito de treinar a Juventude tem uma Tendência natural de debochar da mente, de levantar vis Paixões, e encher a Memória com Coisas tão contrárias ao Evangelho de Jesus Cristo, quanto a Luz e as Trevas, Céu e Inferno. Porém, apesar de que a primeira Coisa que tenho a me arrepender tenha sido minha Educação em geral, ainda assim tenho sempre que admitir que meu Agradecimento particular é devido ao meu Mestre, pelas grandes Dores que lhe causamos eu e meus colegas, ao ensinar-nos a falar e escrever corretamente.

[Continua]

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.