Almoços, jantares, cinema…

Por todo lado há feiras em Beijing ou Taiyuan ou Chengdu ou Chongqing. Feiras onde vendem verduras e frutas, pois como não têm geladeira, têm que comprar verduras todos os dias, que é o básico da alimentação do chinês. Usam muito repolho, acelga, cebola, batata doce.

A farta comida chinesa. A refeição mais simples consta de pelo menos seis pratos, mais arroz e sopa

Hoje tivemos cará no almoço (um dos pratos, pois a refeição mais simples consta de pelo menos seis pratos, mais arroz e sopa). Também carne de porco; a todo instante achamos uma pessoa que leva, ou numa sacola tipo rede, ou num embrulho mal feito, um pedaço de carne de porco com toucinho ou pé de porco que é muito apreciado. Os tendões são apreciadíssimos. Aliás, comi e não achei ruim. Tem um prato que chamam de “orelha de pau”. De fato, parece, mas é branca quase transparente, mais ondulada e não tem gosto de nada. Em geral vem misturado com um caldo ou doce ou sopa e não tem nada de ruim.

A comida de Beijing é suave, mas a de Shanghai é apimentada de doer. Ainda bem que servem cerveja o tempo todo. Serve para aliviar a pimenta. Nos disseram que a de Cantão é diferente. Outra coisa que alivia a pimenta é o hábito de servir um prato doce a cada dois de sal, ou melhor: apimentado. Houve pratos que só provei, não consegui comer de tanta pimenta. Até o macarrão com molho super apimentado. Os patos e frangos são muito bons. Broto de bambu e feijão. Ovos de mil anos, quando o restaurante é melhor, até que é bom.

O ovo de mil anos é feito pela conservação de ovo de pato, galinha ou ganso em uma mistura de argila, cinzas, sal, cal e amido, por diversas semanas, ou por meses

“Estômago de peixe”, “orelha de pau”, “tendão de porco”, são pratos que não têm gosto, a não ser o molho em que são feitos. Os camarões são enormes e ótimos. Os peixes assados deliciosos, muito gostosos, carne delicada. Impressionante é a agilidade deles com os pauzinhos, mas nós também estamos ficando boas com eles. Batata doce cozida e passada no açúcar cristal. Nozes moídas e cozidas com açúcar, parece paçoca mole, que servem entre os pratos salgados. Até amendoim passado no açúcar. Um dia desses comi uns pedacinhos brancos meio tostados, brancos com gosto de cocada. Não era; era arroz com açúcar aos pedacinhos, assado, gostoso. As peras são muito gostosas também. Não comemos caqui, só maçã, pera, uva… “grape fruit” rosa (melhor que a francesa) aos gomos.

Na foto da direita, uma demostração de como fazer macarão, e a esquerda o pão chinês

Uma longa lista de almoços e jantares comemorativos

Primeiro almoço (7/10) — Cinco membros da Association of Understanding International of China, no restaurante para pessoas ilustres, Mon Jie — Beijing — Ministro das Relações Exteriores (?) e mais o diretor da Associação.

Segundo almoço (12/10) — Diretor de Relações Exteriores do governo da cidade de Taiyuan –

Mr. Wu JianXing,

32 Yangze Street,

Taiyuan, Shanxi — China

Mr. Wang Shan — diretor de relações exteriores governo da província de Shanxi.

Terceiro jantar (14/10) — Taiyuan

Jantar em Taiyuan

Quarto almoço (15/10) — com Son — restaurante cantonês — Beijing

Quinto jantar em Chengdu (16/10) –com o chefe (fala inglês bem) magrinho de óculos, outro da agricultura, outro da economia.

Sexto almoço — na aldeia perto de Chengdu com prefeita.

Sétimo jantar (18/10) — em Chongqing com Wu Yong Fu — lembra vovô Joãozinho.

Oitavo jantar — em Shanghai com “Phoebe”, Sr. Liu e Yan (moça).

Nono jantar — Hangzhou com 2 líderes da cidade, interprete em inglês, Guo.

Décimo jantar — em Shanghai, comemorativo, aniversário de Guo (Sr. Liu, Sra. Yan, Guo, Lian e eu).

Décimo primeiro jantar em Cantão com vice-governador da província.


Espetáculo de mágicos e acrobatas em Beijing. Grande cinema, lotado, chegam todos em cima da hora, mesmo depois de apagadas as luzes. Durante o espetáculo mudam de lugar, comem frutas, biscoitos, etc. Batem pouca palma, mas riem muito.


Tentamos entrar num lugar em frente ao hotel em Chengdu, onde havia muita música, luzes e dança. Chinês na porta apontou uma tabuleta: “Proibida a entrada de estrangeiros”.


Cinema popular em Chongqing. Filme chinês “Namorados sem amor”. Como disse a Lian é um Romeu e Julieta sobre um casal no Tibet. Interessante, porém ingênuo demais para nossa plateia. Em um momento a moça chama o rapaz de “filho da mãe” foi aquela gargalhada. E era um momento trágico.


Companheiros de viagem

Acompanhante em Beijing — Mon Jie — risonha, simpática

Intérprete para toda viagem na China = Guo Yuanzeng

Chofer — Liu

Acompanhante em Dazhai e Taiyuan = Tian (cantor), prenome “Filho-de-militar”

Chofer= também Tian (muito tímido)

Acompanhante em Chengdu — Xiao — fala bem inglês, simpática

Acompanhante em Chongqing — Qin Yuan Cai — parece com Gabriel Janot

Acompanhante em Shanghai — Liu Shun Xi — mais ou menos 50 anos, muito quieto. Yan — jovem, 30 anos, simpatiquinha

Acompanhante em Hangzhou — Zheng Peng — 24 anos, bonito, alegre, vai casar ano que vem — chofer simpático e alegre — também cantava

Acompanhante em Guangzhou (Cantão) — uma senhora que logo se afastou com gripe. Veio outro, novo, magrinho.

Like what you read? Give Vera Furtado a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.