Das tentações

Quando a gente tem um problema com a comida, passar em frente a um Mc Donalds com fome pode ser uma merda inacreditável. Conforme o tempo passa, a gente vai aprendendo o que deve ou não manter contato.

Na semana em que comecei a reeducação, minha empresa estava numa época de evento, uma espécie de Blackfriday com plantões diferenciados e comida grátis distribuída nos andares todos os dias.

TODOS
OS
DIAS.

Daí no primeiro dia era pizza. Eu não estava no escritório neste dia porque “Deus é maravilhoso”, como minha namorada gosta de dizer. Nos outros dias, teve jantar. Um buffet servindo carnes, massas e outras paradas. Refrigerantes em todos os andares. Eu, que estava me habituando a esta mudança repentina de horário (e de estilo de vida?), desci no 6º andar para esquentar os ovos cozidos e descobri que tinham transformado a copa numa festa infantil repleta de docinhos e salgadinhos ridiculamente deliciosos.

Passei batido. Claro que a ciabatta com frios mexeu forte comigo, mas ainda assim consegui apenas tirar uma foto pra registrar esse primeiro momento mágico de tentação.

imagens em alta definição: não trabalhamos.

Para contar da segunda tentação, é preciso dizer antes que minha namorada é formada em gastronomia e tem especialização em confeitaria, o que torna as coisas um pouco conflitantes certas vezes. Especialmente quando ela quem vai preparar os doces finos do casamento de dois grandes amigos.

Daí no dia da degustação (e estava presente, obviamente), sentei à mesa totalmente disposto a não me influenciar. Afinal, não sou um cara de comer doces com muita frequência. O que eu não previa é que, quando eles começassem a provar, daria aquela neurose monstruosa.

Com este imprevisto bem na minha frente, mandei mensagens e a foto pro Diego, pedindo uma força, tal qual um viciado com uma nota de vinte reais na mão na frente da biqueira.

Deu uma tranquilidade ótima falar com ele naquele momento de semidesespero. No final das contas, a neurose passou e comi apenas o que podia realmente comer. Mentira. Eu provei uma pazinha de cheesecake, mas só porque não conhecia o gosto. Gostei muito, mas meu veredito foi: dá pra viver sem.

Neste dia aprendi que quanto mais gente estiver do seu lado, melhores os resultados. As pessoas não vão fazer as suas marmitas, nem colocar nada na sua boca, mas o apoio das pessoas envolvidas no seu processo de eliminação de peso é crucial pra que tudo dê certo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.