Boa Pessoa

Quanto mais eu tentava ser um bom filho, um bom amigo, um bom qualquer-coisa, sempre me perguntava se era o suficiente. Nós, como pessoas, sempre queremos mais um dos outros e por mais que não deixemos isso explicito em um plebiscito, mostramos em cada olhar de decepção ou uma simples atitude de “eu esperava mais”. Nunca fora suficiente.

Todos nós sempre podemos fazer mais. Note a colocação do verbo podemos e não devemos ou queremos. Parte de cada um fazer essa bendita escolha todos os dias. Eu posso escolher ser um bom filho, posso escolher ser o melhor amigo de todos do universo e tudo mais, entretanto, não é um fardo que eu precise carregar ou uma coisa que eu devo fazer. É simplesmente uma escolha.

E eu fiz essa escolha há um tempo atrás. Decidi que seria uma boa pessoa, decidi priorizar as coisas importantes e ter atitudes altruístas e responsáveis, visando o bem comum e blábláblá. A indiferença estava lá, eu pude sentí-la, poderia ter cedido a ela. Mas eu não quis. Eu quis fazer a diferença, de fato. Esquece essa de discursão ou ativismo de sofá.

E continuou não sendo suficiente. Mas pera aí, onde é que isso vai parar? Será mesmo que eu consigo ver no meu horizonte essa linha tênue que, se eu ultrapassar, vou acabar com todas as cobranças e males, podendo suprir todas as expectativas que as pessoas têm de mim? Temo que essa linha nunca chegue. Temo que essa linha nem exista.

Somos imperfeitos. Ponto. Seguindo esse princípio, vamos a circunstância de que não iremos agir corretamente em todas as situações. Mas vamos ao fato de que essa auto cobrança pode acabar nos afastamos do que realmente é importante. Você pode esquecer a toalha em cima da cama e ainda ser um bom filho. Você pode marcar um rolê, não ir e continuar sendo um bom amigo.

Então vamos ser felizes, felizes na insuficiência. Afinal, o seu caráter e sua índole é o que realmente faz com que você seja uma boa pessoa, e não o que poderia fazer, mas dentro das suas limitações ou escolhas, não fez. Pelo menos não é uma insuficiência cardíaca, rs.

Like what you read? Give Renão a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.