Vamos lá

Hoje em dia existem muitos super heróis. Sabe, pela causa mais nobre, ou pela mais pífia, há alguém que lute. Deveras complicado definir super heróis, já que eles podem ser super médicos ou super contadores de histórias. Até mesmo um palhaço. Ah, esse sim sabe como fazer sorrir.

Amanheceu, e ela queria que dissessem que não vai mais chover. Já havia aprendido a sofrer, era a hora de passar o bastão. Não existem muitos super heróis como ela. Não usa capa ou estandarte, não tem fama e nem quer isso. Ela queria sorrir, no mais puro e vasto sentido da palavra.

Vamos lá, ela dizia. É só mais um dia, repetia consigo mesma.

Nunca era sabido o que se passava na mente desse ser misterioso, uma heroína como ela jamais seria reconhecida pelos seus feitos, nem mesmo rosto tinha. Ai, ai. Quando uma personalidade assim é encontrada, não há nada a fazer além de estudar e entrar no dilema: Por que?

Talvez seja como não conseguir cortar o próprio cabelo.

Isso mesmo, algo admirável! Ela lutava por todos os que via pela frente, escutava histórias de amor e em cima delas dissertava. Os conselhos e soluções mirabolantes eram sua especialidade: Nenhuma outra mulher conseguia definir tão bem um coração partido. Nenhuma outra mulher conseguia talvez reconstruir tão bem um coração partido.

Talvez ela estivesse cansada de carregar grilhões de medos, de carregar cruzes que não eram a sua, fardos que ombro nenhum ousaria suportar, até mesmo de um super herói.

Mesmo fazendo de tudo por todos e nada por si mesma, tente. Não há nada mais belo que um sorriso, principalmente se for o seu sorriso.

E se não for por você, bom, faça por nós. Faça por mim.

She is my hero

Like what you read? Give Renão a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.