Um telescópio? Não sei. Mas eu gostei dessa fonte

Essa é a minha mãe e Eu, com o meu irmão pendurado

Esse tom de azul me agradou e essa fonte também. Escolhida a dedo no meio de umas 2000, porque quando se trata de instalar fontes, não podemos aceitar menos do que um pack com duas mil delas. Essa em específico se chama Eras Light ITC.

Eu gosto das estrelas e você (você mesmo, Renan do futuro) vai perceber isso. Não só das guerras que acontecem lá mas toda essa beleza que as envolve, e fascina. Nada de astrologia, por favor.

Talvez seja esse o motivo do telescópio, mostrar uma visão de mundo mais abrangente, algo que fosse além do nosso mundo. Perdão, do meu “mundo”.

Chegou a hora de observar as estrelas.

Eu já escrevia há algum tempo, mas não do jeito que eu queria escrever de fato. Tentava dar uma de poeta ou romancista, mas não prossegui porque não me via nos textos. Afinal, a vida pode até ser um romance, mas não tão cheio de plot twists como deveria.

O certo seria encarar como uma mensagem ao futuro. A memória acaba sendo muito fragmentada e pouco detalhes ínfimos se mantém guardados. Gosto de ver como uma fotografia antiga em uma versão literária.

No filme Her, a Samantha (que é uma inteligência artificial interpretada pela Scarlet Johanson ❤) queria registrar um momento com o seu amor, o Theodore. Ela não tem um corpo e nem existe de fato, mas ainda assim poderia registrar uma fotografia. A fotografia deles foi uma música. A minha fotografia serão essas palavras aqui, por menores que sejam.

Um dia vou olhar pra trás e ver a pessoa que eu fui como alguém distante, porque assim como todas as nossas células se renovam a cada 10 anos, nossa personalidade e ambições também mudam. Quero tudo isso documentado e croniquizado.

Espero ter orgulho da pessoa que me tornar.

Hoje eu tenho 18 anos e estou apaixonado por uma moça que vai ser alvo de muito do que eu vou escrever aqui, porque né!? Esses que vocês vêem são minha família, minha incansável mãe e o meu irmão serelepe. O outro cara ali sou eu, mas não liga muito pra ele não.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.