3 fibras têxteis que nem imaginávamos a existência

As empresas que lutam a favor do status-quo, não deixam a inovação chegar no país.

1 — A mais recente de todas, Umorfil, não é vegana, mas eles defendem que os colágenos extraídos dos peixes para a construção da fibra, é uma solução para o excedente que vem da pescaria comercial. Uma fibra que defende o conceito “from earth to earth” já que é orgânica, se decompõe corretamente na natureza sem alterar seus biomas.

Ela simula as propriedades naturais do linho, o toque da seda e a tecnologia do merino wool com um plus que é a hidratação da pele com colágeno.

Umorfil pode ser usada pra qualquer finalidade, de outerwear a underwear, ela existe desde 2012.

2 — Ojo fibers, é uma fibra também totalmente sustentável, é extraída de árvores de reflorestamento porém ao invés de se tornar um fio, ela primeiro se transforma numa bobina de papel que pode posteriormente ser impressa na indústria gráfica. Esse papel é cortado em finas tiras e torcido como fibras têxteis.

Os laudos comprovam que essa fibra de papel não é apenas mais resistente em tração e lavagem, mas também possui hidrofilidade significativamente maior que o algodão.

Paper yarns, podem ser usados para qualquer finalidade, pois existem diversas espessuras de fio, quando estive no Japão eu vi aplicações em tricot, jeans e camisas. A tecnologia existe desde 2001

3 — Nomex, é um estudo contínuo com mais de 200 anos; quando aliado ao Kevlar, transforma qualquer roupa em uma armadura leve e respirável, não é usada apenas no campo militar, também serve para esportes extremos.

Soylent utiliza uniformes de Nomex pois ele é durável e não consome 20.000L de água como o algodão

Por que essas fibras não vem pro Brasil?

Internamente já sabemos que muitas fibras como algodão fio 60, linho puro e Lastol (elastano evoluído) já fizeram parte da indústria nacional, porém, naquela época eles lidavam com empresários de confecções com visão extrativista, seus objetivos eram lucrar o mais rápido possível sem qualquer preocupação com o ambiente ou as consequências indiretas disso. Ainda restam algumas empresas no mundo com essa visão, e, no Brasil, as empresas sustentadas por esse modelo de negócio, logo vão desaparecer e não adianta correr contra a maré, isso só traz mais prejuízo, exemplo disso, é que do total de empresas que haviam no Fortune 500, não restaram nem 10% delas ainda na lista.

Martini, R. Livestream Talk & Inspiration

“Naquele século” as marcas de moda utilizavam o corpo dos consumidores como um veículo de mídia, era a publicidade no seu auge, as pessoas pagavam para carregar e divulgar uma mensagem, éramos outdoors ambulantes.

Sátira retirada do google

Isso significa que o cliente é o que menos importava, não havia o por que refletir sobre as necessidades das pessoas e muito menos em oferecer algo melhor, já que o consumo continuava crescente e desenfreado.

O tempo de vida de uma empresa passou de 67 anos (1920’s) para apenas 15 anos (hoje).

Gerações cresceram, influenciando e derrubando a forma atual de consumo, agora é o momento de nós como consumidores aperfeiçoarmos nossa visão além do alcance e enxergar o que tem dentro do que consumimos e quais sao as intenções por trás das empresas.

Thundercats