Willian C. Stokoe Jr

Criador da Linguística da Língua de Sinais (1913–2000)

Artigo escrito em inglês por: David F. Armstrong
Gallaudet University
 Washington, DC
 May 4, 2000

Dr. Willian C. Stokoe Jr, 80 anos, professor emérito da Universidade Gallaudet faleceu em decorrência de uma longa doença no dia 4 de Abril na sua casa em Chevy Chase, Maryland. Stokoe ficou amplamente conhecido, nacionalmente e internacionalmente, como o criador do estudo linguístico da Língua de Sinais dos surdos. Ele nasceu em Lancaster, New Hampshire e passou a maior parte da sua infância na zona rural de New York, próximo à Rochester. Ele recebeu o Bacharelado e o Ph.D em Ingês (tema estudado) da Universidade Cornell nos anos 1940 e então ensinou Inglês no Aurora College, New York, antes de se mudar para Washington, D.C. em 1955 para ensinar Inglês para os alunos surdos da Universidade Gallaudet (até então Gallaudet College).

Quando chegou na Gallaudet, o idioma usado pelos surdos Americanos e atualmente conhecido como Língua Americana de Sinais (ASL) era, de forma geral, vista como um código visual compiado e corrompido do inglês falado e mímicas elaboradas. A ASL juntamente com outras línguas de sinais foram amplamente reprimidas em programas educacionais para estudantes surdos, em favor da instrução de articulação oral e leitura labial. Em contra partida Stokoe propôs que a ASL era, de fato, uma língua humana totalmente completa da mesma foram que as línguas orais, como o inglês por exemplo. Ele elaborou um sistema descritivo para o idioma que poderia ser usado para demonstrar esse ponto para outros linguistas e o público em geral. Esse trabalho culminou no primeiro Tratado de Linguística moderna de uma língua de sinais, uma monografia chamada “Sign Language Structure”, publicada em 1960. Que foi seguido pelo primeiro dicionário de ASL, “A Dictionary of American Sign Language on Linguistic Principles”, que foi compilado por Stokoe juntamente com dois colegas surdos da Gallaudet, Carl Croneberg e Dorothy Casterline. E em 1971, Stokoe abre o laboratório de Pesquisa em Linguística na Gallaudet. Em 1972, Stokoe fundou o jornal Sign Language Studies (Estudo em Língua de Sinais) com o propósito de propagar os estudos feitos sobre ASL e outras Línguas de Sinais. Ele trabalho na edição do Jornal até 1996. Por muitos anos Stokoe foi dono e trabalhou numa pequena editora, Linstok Press, com sua mulher Ruth Palmeter Stokoe, com quem ele casou em 1942. Esses jornais publicavam uma variedade de livros e artigos relacionados com a Língua de Sinais dos surdos e também sobre a origem e evolução das línguas em geral.

Essas e outras publicações do trabalho de Stokoe ganharam grande aceitação dentro da comunidade linguística e principalmente entre os educadores de surdos, tanto é que agora a ASL é largamente reconhecida como o idioma de instrução apropriado para alunos surdos assim como uma segunda língua para alunos ouvintes de ensino médio e universidades nos Estados Unidos. Stokoe foi um incansável defensor da linguística e dos direitos educacionais das pessoas surdas, que muitas vezes se deparavam com ceticismo ou até mesmo hostilidade absoluta. A relação de Stokoe com os administradores e outros colegas da Gallaudet eram geralmente tumultuosas, e assim que ele se aposentou na Gallaudet em 1984, sua criação, o Laboratório de Pesquisa em Linguística, foi fechado. Leitores interessados em detalhes sobre seu relacionamento com a Universidade Gallaudet e outros tópicos sobre sua vida e ideia, devem consultar a excelente biografia de Jane Maher, Seeing Language in Sign: The Work of William C. Stokoe, publicado pela Editora da Universidade Gallaudet em 1996.

O movimento linguístico criado por Stokoe é totalmente pertinente uma vez que promove apoio crítico e suporte para movimentos ao redor do mundo no qual as pessoas surdas tem conquistado seus direitos educacionais e civis. Em 1980, a Associação Nacional dos Surdos (National Association of the Deaf — NAD) apresentou um tomo chamado de A língua de Sinais e a Comunidade Surda (Sign Language and the Deaf Communit) para Stokoe em reconhecimento dos seus tantos nãos de serviço para os Americanos e comunidade surda mundial. Seguindo o movimento Presidente Surdo Já (Deaf President Now — DPN) e acessão de King Jordan I à presidência da Gallaudet, Stokoe foi escolhido como Professor Emérito e foi premiado com um doutorado honorário pela universidade em 1988. Ele também recebeu um doutorado honorário da Universidade de Copenhagem e da Madonna University em Michigan. Ele se tornou um colega da Academia Americana de Artes e Ciências.

Em adição ao seu trabalho com ASL, Stokoe foi um do grupo dos estudiosos, incluindo Charles Hockett, Gordon Hewes, Roger Wescott, Stevan Harnad, Horst Steklis, e Jane Lancaster, que liderou o ressurgimento no interesse cientifico na origem e evolução da capacidade humana pra linguagem. Ele é especialmente conhecido por sua contribuição na teoria de que a língua humana começa com gestos visuais e então os padrões sintáticos dos línguas modernas devem ter sido derivados da herança da estrutura gramatical de gestos icônicos manuais. Com Hewes e Wescott como co-editores, Stokoe e a Linstok Press publicaram o volume Language Origins, em 1974. Mais tarde, em 1995, Stokoe foi co-autor de um outro livro sobre a origem das línguas, Gesture and the Nature of Language, escrito com David F. Armstrong e Sherman E. Wilcox. Ele estava ativamente escrevendo e publicando até algumas semanas antes do final de sua vida. E entre os seus últimos trabalhos está o manuscrito de um livro, Language in Hand, que será publicado pela Gallaudet University Press.

David F. Armstrong é o autor de Original Signs: Gesture, Sign, and the Sources of Language e também é o editor do Jornal trimestral dos Estudos de Linguagem de Sinais, do Dr. Stokoe. Você pode ler mais sobre SLS ou sobre a biografia do Dr. Stokoe feita por Jane Maher aqui Seeing Language in Sign.

Artigo traduzido por Michelly Peixoto em 27/9/2017, São Paulo, SP.

site: http://gupress.gallaudet.edu/stokoe.html

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.