A arte do violoncelo em 4 discos

O violoncelista Mischa Maisky, que se apresenta na Sala São Paulo nos dias 12 e 13 de novembro, lista quatro gravações que influenciaram o seu modo de ouvir e tocar o instrumento

Andrei Reina
Nov 7 · 3 min read
Mischa Maisky (Foto: Hideki Shiozawa)

Ex-aluno de Mstislav Rostropovich e um dos principais violoncelistas em atividade no mundo, o letão Mischa Maisky apresenta na Sala São Paulo, nos dias 12 e 13 de novembro, os concertos de Robert Schumann e Antonín Dvořák para o instrumento. O músico será acompanhado pelo regente alemão Raoul Grüneis e pela Orquestra Sinfônica da RTV Eslovênia — que faz ainda, no dia 10, um concerto ao ar livre no Auditório Ibirapuera. No dia 11, Maisky também participa de um bate-papo com alunos da Escola de Música do Estado de São Paulo (Emesp Tom Jobim). As atividades integram o encerramento da temporada 2019 do Mozarteum Brasileiro.

A pedido da Bravo!, Mischa Maisky listou e comentou quatro gravações que influenciaram o seu modo de ouvir e tocar o violoncelo. Leia a seguir.

1. Pablo Casals — Suítes para Violoncelo de Bach (1936–39)

“Levaria muito tempo e espaço para listar todos os músicos — não só violoncelistas, é claro — e músicas que me influenciaram e me inspiraram. Mas se tenho de ficar em quatro violoncelistas, tenho de citar, antes de todos, o Pablo Casals — a quem tive a sorte e o privilégio de conhecer em Jerusalém, em agosto de 1973 — e as suas gravações históricas das suítes de Bach, que seguem me inspirando e influenciando após quase 60 anos.”

2. Mstislav Rostropovich — Concerto para Violoncelo nº 2 de Shostakovich (1966)

“Em seguida, obviamente, eu citaria os meus dois maiores professores — Mstislav Rostropovich e Gregor Piatigorsky. No caso de Rostropovich, você poderia pegar quase todas as suas performances de grandes peças contemporâneas inspiradas em sua personalidade única. Mas, já que eu estive presente, em 25 de setembro de 1966, na estreia mundial do Concerto para Violoncelo nº 2 de Shostakovich, bem como em todos os ensaios — na presença do compositor em pessoa! — esta seria uma escolha lógica.”

3. Gregor Piatigorsky — Concerto para Violoncelo de Walton (1957)

“Quanto ao Piatigorsky, você pode escolher basicamente todos as suas gravações, tanto solo quanto de música de câmara. Mas, especificamente, talvez eu deva mencionar o seu amado Concerto de William Walton.”

4. Jacqueline du Pré — Concerto para Violoncelo de Elgar (1965)

“De uma geração mais jovem, há duas grandes damas que exerceram uma influência muito profunda em mim: Jacqueline du Pré, com o seu imbatível Concerto de Elgar (e muitas outras coisas, é claro) e, por último mas não menos importante, minha grande amiga e colega Natalia Gutman, com tudo o que ela já tocou. E seria injusto deixar de ao menos mencionar grandes violoncelistas como Emanuel Feuermann, Daniil Shafran, Pierre Fournier, Paul Tortelier e muitos outros. E quanto aos grandes cantores, violinistas, pianistas, regentes? Ok, deixa para lá, não temos tempo ou espaço…”

Revista Bravo!

Andrei Reina

Written by

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade