Cadernos de leituras

A batalha entre tigres e cabras de Lucas Verzola e a Ouro Preto setecentista de Sérgio Luís de Carvalho

Bravo!
Bravo!
Jul 2, 2019 · 2 min read

Por Carlos Castelo

Costumo ler poucos autores iniciantes. Não se trata de preconceito, mas de um certo cacoete. Herdei a biblioteca do meu pai. Nela havia cerca de 90% de escritores já estabelecidos e o restante de obras de referência. Quem adicionou os novos artistas nas prateleiras fui eu. Contudo, eles são minoria ainda hoje por lá.

Nessa quinzena recebi o livro A Última Cabra, de Lucas Verzola. E talvez pelo título intrigante decidi ler os contos. E não é que foi uma grata surpresa? Pois é, o mundo literário não é composto apenas de joyces, guimarães, prousts e faulkners. Há muito campo para os talentos a desabrochar. E, além disso, lê-lo pode ter sido uma dica das musas para que eu me detenha mais nos debutantes de nossas artes literárias.

O texto de Verzola é francamente kafkiano. Há relatos que recendem a repartições, fóruns e toda aquele tédio jurídico.

Só que Verzola possui a vantagem de nos mostrar uma boa fatia de sua experiência pessoal. O que traz à luz um conjunto bastante original. Delirantemente original, diga-se de passagem. Por exemplo, o conto que dá título à obra é o duelo entre um ex-aluno de História com um certo Dong Park-II Koo num jogo de tabuleiro chamado bagha-chall. De origem nepalesa, o jogo é uma batalha de estratégias pela vida e a morte entre tigres e cabras.

Mas não é só isso — o que, de per se, já seria suficientemente imaginativo. A narrativa do conto é toda em camadas e nelas coabitam diversos subtextos independentes.

Analisando os outros textos notei que Lucas Verzola não pode mais ser chamado de promessa. Já escreve como um veterano e espera-se que as casas editoriais continuem lhe dando o espaço que um tigre merece.

Ouro Preto

Ao lado do livro de Lucas Verzola ataquei o romance histórico Ouro Preto, do escritor português Sérgio Luís de Carvalho. A narrativa é uma tragicomédia passada na Lisboa setecentista.

Pedro de Rates Henequim escreve a D. Nuno da Cunha e Ataíde, cardeal e inquisidor-mór do reino, falando de suas experiências no Brasil. De um outro ponto de vista, Alexandre de Gusmão envia cartas a D. Luís da Cunha, embaixador de Portugal em Paris, contando as novas sobre o rei D. João V. Podemos ver nessas cartas detalhes da exploração de ouro no Brasil, das bizarrices do rei e muitos pormenores históricos curiosos e divertidos.

Ouro Preto é baseado em fatos reais e muito bom de se ler. Recomendação premium para as férias de julho.

Revista Bravo!

A Bravo!

Bravo!

Written by

Bravo!

Esse é o espaço da redação da Bravo!

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Bravo!

Written by

Bravo!

Esse é o espaço da redação da Bravo!

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store