Festival Path chega à sexta edição em busca de horizontalidade

Programação de música é destaque no evento que quer aproximar profissionais inovadores e público, em diversas áreas

Paula Carvalho
May 17, 2018 · 3 min read

Nascido há seis anos e cada vez mais no trilho de uma espécie de South by Southwest nacional, o Festival Path trata dos temas mais variados — de agroinovação a questões de gênero, passando por saúde e games — em meio a uma programação cultural com shows, oficinas, workshops e, neste ano, uma mostra de filmes latino-americanos. Segundo Rafael Vettori, um dos idealizadores do evento, a seleção é fruto de um ano de pesquisas por mais de 23 curadores, especialistas em diferentes áreas.

"Uma característica muito forte do festival é a horizontalidade entre o palestrante e o público. O Path não é um festival de pessoas inacessíveis e muito famosas", diz Vettori, que explica que a equipe foi buscar em diversas regiões do Brasil, e também fora do país, os mais de 700 palestrantes. "Para se inovar, é preciso ter um repertório expandido. Num curto espaço de tempo, o festival oferece imersões rápidas em temas variados para que as pessoas saiam de lá com uma bagagem maior."

Um dos destaques da programação são os shows, festas e palestras sobre música — tema que tem atenção especial. Fora as mesas, exclusivas para participantes (os ingressos estão no terceiro lote, a R$ 249, ou R$ 120 por workshop), os shows são gratuitos e serão realizados na Praça dos Omaguás, no restaurante Bona, na cobertura do edifício Tomie Ohtake e no Largo da Batata. "O Path conseguiu se destacar aliando conteúdo educativo com entretenimento, e essa parte só tende a crescer. Teremos também uma mostra de curtas e médias metragens, produções brasileiras, mexicanas e colombianas curadas pela Vice", explica Vettori.

Dentre as mesas de música, alguns dos destaques são a questão do funk ("Como funciona o ecossistema do funk e por que ele incomoda tanto?"), com integrantes da Kondzilla e da Batekoo, e a expansão dos formatos musicais para fora do palco, em palestra com Chico Dub, curador do Festival Novas Frequências, e Luísa Puterman, compositora e produtora musical que investiga a percepção sonora. O rapper Rincon Sapiência falará sobre o futuro das narrativas musicais através de vídeos, e ainda Dani Ribas, Hernan Halak e Pedro Bandera discutem a tendência de ascensão da música latina no Brasil.

Em fim de semana cheio na cidade — espalhada pelo centro, pela Chácara do Jóquei e diversos palcos da cidade, a Virada Cultural também tem lineup imperdível — o Path tem entre os destaques shows da banda Tono e Mari Romano e dos paraenses Lucas Estrela e Dona Onete. As mesas se dividem entre o Instituto Tomie Ohtake, a Fnac, a Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC), a Casa Natura Musical, a ACM e diversos outros locais da região de Pinheiros. Clique aqui para ver a programação completa e obter mais informações.

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Paula Carvalho

Written by

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade