“Entre os Homens de Bem” retrata polarização política no Congresso

Dentre as novidades do Festival de Cinema de Brasília deste ano está o destaque — não só cabido como atual — a filmes políticos, na mostra “A Política no Mundo e o Mundo da Política”. “Entre os Homens de Bem”, dirigido por Carlos Juliano Barros, é um dos filmes que integra a programação e traça um perfil do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), a partir de sua vida pública e privada, mostrando tanto o seu combate à chamada Bancada Evangélica como retratos da sua religiosidade e intimidade.

“Entre os Homens de Bem” será apresentado nesta sexta-feira, 23, no Festival de Brasília e em outubro no Festival do Rio. Posteriormente, o documentário deve entrar em circuito comercial. Abaixo, o diretor Carlos Juliano Barros escreveu um depoimento sobre as gravações e o lançamento do filme, num período em que se agrava ainda mais a polarização política no Congresso.

Entre os Homens de Bem

Por Carlos Juliano Barros

No já distante ano de 2012, quando apresentei a Jean Wyllys a ideia de fazer um documentário sobre o perceptível acirramento de ânimos no Congresso Nacional, ninguém poderia imaginar que a crise do país chegaria ao ponto de varrer do mapa político a Presidente da República e o Presidente da Câmara dos Deputados em apenas 15 dias.

Mesmo assim, seguir de perto os passos do primeiro parlamentar assumidamente gay a defender a bandeira LGBT, revelando os bastidores do coração do poder do país, já se mostrava uma missão imperativa. Não havia dúvidas de que um capítulo tristemente belicoso — mas absolutamente instigante — da história do Brasil estava se desenhando e precisava ser documentado.

Naquela época, o que realmente interessava à equipe de “Entre os Homens de Bem” era o embate entre “progressistas” e “conservadores” que explodia nas redes sociais e ganhava cada vez mais espaço na mídia. Bate-bocas em torno de temas como casamento gay, direito ao aborto e legalização da maconha davam pistas de que um fosso mais profundo do que se supunha havia cindido os brasileiros. Jean Wyllys, por sua vez, parecia o fio condutor ideal para amarrar todas as pontas soltas dessa narrativa.

Quando desembarcou no Congresso Nacional, Jean Wyllys era uma personalidade completamente sui generis: gay, nordestino, vencedor de reality show global e deputado eleito por um partido de extrema esquerda. Um pastiche ambulante difícil de categorizar e cuja trajetória, por si só, já renderia um filme. Para alguns, ele era apenas uma subcelebridade frustrada em busca de mais 15 minutos de fama. Outros o consideravam tão somente um imoral convicto disposto a abalar as estruturas da família tradicional brasileira. Juízos de valor à parte, o fato é que, por suas qualidades e defeitos, Jean Wyllys se tornou em pouco tempo um dos mais potentes para-raios da política nacional, amado e odiado como poucos.

Desde sempre, “Entre os Homens de Bem” — que nesta sexta-feira, 23, faz sua estreia no Festival de Brasília — se propôs a ir além do mero perfil de um político controverso. E jamais se prestou ao papel de propaganda política gratuita. Aliás, Jean Wyllys nunca deu um pitaco sequer sobre a edição do filme e nem se envolveu na produção do documentário, como boatos maldosos da internet tentaram fazer crer.

O objetivo da equipe sempre esteve claro e evidente: retratar um país em ebulição, prestes a explodir. A profusão de conflitos registrados nos corredores, nas audiências públicas e nos plenários do Congresso Nacional mostram que nossas suspeitas estavam corretas: um ponto de inflexão da história brasileira estava acontecendo diante de nossos olhos e de nossas câmeras.

O objetivo da equipe sempre esteve claro e evidente: retratar um país em ebulição, prestes a explodir. A profusão de conflitos registrados nos corredores, nas audiências públicas e nos plenários do Congresso Nacional mostram que nossas suspeitas estavam corretas: um ponto de inflexão da história brasileira estava acontecendo diante de nossos olhos e de nossas câmeras.

Durante os mais de três anos em que acompanhamos Jean Wyllys, poucos fatos chamaram tanto a minha atenção quanto a certeza de que cresce, numa velocidade assustadora, o exército de pessoas muito jovens que se assumem conservadores — com orgulho e em alto e bom tom.

No Congresso Nacional, garotos sem um fio de barba e espinhas abundantes no rosto, vestindo os ternos impecáveis típicos dos pastores evangélicos neopentecostais, estão sempre a postos nos corredores e nas audiências públicas para fazer barulho em defesa dos valores de um cristianismo obscurantista e de um militarismo autoritário. Num passado recente, essas forças conservadoras eram tidas como folclore da fauna política. Hoje, cobram um pedágio cada vez mais caro no balcão de negócios instalado em Brasília.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.