Itaú Cultural abre inscrições para o programa Rumos

Instituto também exibe a partir de amanhã (30) mostra de projetos contemplados na última edição

O projeto “Pontes sobre abismos”, de Aline Motta, foi contemplado na última edição (Foto: Aline Motta)

Estão abertas a partir de hoje as inscrições para a edição 2017–2018 do programa Rumos do Itaú Cultural. Podem se inscrever pessoas de todo o país e estrangeiros — neste caso, somente pessoas físicas — com propostas artísticas e culturais sem restrição de suporte ou linguagem. No momento de inscrição, o proponente deverá escolher entre três modalidades: criação e desenvolvimento; documentação e pesquisa.

A primeira delas é dedicada à “concepção e/ou desenvolvimento de projetos artístico-culturais”. Já a segunda prevê a “organização e preservação de acervos relacionados com a arte e a cultura brasileiras”. A terceira, por fim, é voltada ao “desenvolvimento de pesquisas em arte e cultura brasileiras”.

Inscrições

As inscrições são feitas pela internet, através do site do programa. Para conclui-la, é necessário preencher os dados pessoais ou da empresa (no caso de pessoa jurídica) e, em seguida, responder a um questionário sobre o projeto. É possível editar as respostas até o final das inscrições, que se encerram no dia 3 de novembro. Há ferramentas de acessibilidade para deficientes visuais e auditivos.

Seleção

Duas comissões vão se debruçar sobre os projetos inscritos: uma de avaliação e uma de seleção. A primeira, que se dedicará ao volume inicial de propostas — que na última edição chegou a 12 mil inscritas — , será formada, segundo o Itaú Cultural, “por 40 profissionais contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país”. Os nomes desta comissão serão divulgados com o resultado final.

Após esta peneira inicial, as propostas que atendem “em parte ou integralmente aos critérios norteadores do programa” são encaminhas à comissão de seleção, formada por artistas e pesquisadores convidados, como o crítico Amir Labaki e o bailarino Rui Moreira, e gestores dos núcleos temáticos do Itaú Cultural. Os nomes da comissão — que já foram divulgados — avaliarão os projetos segundo três critérios: singularidade, relevância e consistência.

A divulgação do resultado do edital está prevista para acontecer até o dia 28 de maio de 2018, através do site do programa.

Descentralização

Nos meses de setembro e outubro, uma equipe do Itaú Cultural vai passar por todas as 27 capitais do país para apresentar o programa. No entanto, uma atenção maior será dedicada a dez estados que, nas últimas edições, apresentaram pouca adesão ao edital. Começando por Porto Velho, em Rondônia, as capitais de Acre, Alagoas, Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Roraima, Sergipe e Tocantins receberão dinâmicas especiais.

Nestes lugares, o instituto pretende “lançar um olhar mais apurado, exercer uma escuta e discutir a cena cultural local”, além de identificar “potências, dificuldades, melhorias e necessidades”. A programação da Caminhada Rumos será divulgada no site do instituto.

Investimento

Serão investidos cerca de R$ 15 milhões no programa, segundo afirmou Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, em coletiva de imprensa na última segunda-feira (28). O valor é o mesmo empenhado na última edição, que contemplou 117 projetos, e cobre desde os prêmios pagos aos artistas até gastos operacionais, como a caminhada de divulgação.

Mostra

Além da abertura do edital, o instituto abre amanhã (30) em sua sede a mostra Narrativas do invisível, que exibe um recorte dos projetos contemplados na edição 2015–2016 do programa Rumos. Entre exposições, filmes, livros, espetáculos e debates, os 24 trabalhos apresentados têm em comum a preocupação com temas contemporâneos, sobretudo os debates identitários.

O projeto Histórias da tradição, que reúne narrativas indígenas dos povos Karajá e Xavante; o documentário Diálogos com Ruth de Souza, de Juliana Vicente; e o solo Peso Bruto, da bailarina Jussara Belchior, são algumas das obras presentes na mostra. Veja a programação completa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.