Reminiscências do tempo

"Os Sete Afluentes do Rio Ota", de Monique Gardenberg, ressurge 15 anos depois com a tarefa impossível de reacender as melhores memórias do espectador

Bravo!
Bravo!
Nov 7 · 2 min read
Foto: Lenise Pinheiro

Por Gabriela Mellão

É tarefa inglória a remontagem de um marco do teatro brasileiro. Aconteceu com Rei da Vela, Roda Viva e agora com Os Sete Afluentes do Rio Ota. Além de se haver com a perda de vigor gerado pelo envelhecimento natural dos 15 anos de decolagem, a obra criada pelo diretor canadense Robert Lepage, encenada no Brasil em 2005 por Monique Gardenberg, se vê inserida em um embate com o imaginário do espectador. E não é qualquer imaginário. O confronto se dá com faíscas reminescentes das melhores memórias da plateia. Uma crueldade, por mais que existam qualidades apresentadas na montagem e coerência na justificativa da reedição, caso do Rio Ota.

Este épico teatral — que estreou no Festival de Edimburgo em 1994, na Broadway em 1996 e de lá ganhou o mundo — causou comoção por onde passou. A peça apresenta ao longo de 300 minutos a jornada de uma dezena de personagens cujas histórias se entrelaçam e refazem a trajetória da humanidade da segunda metade do século 20, a partir do bombardeamento nuclear de Hiroshima e Nagasaki, em 1945.

Lepage parte do tema da destruição para se concentrar na reconstrução que nasce dos escombros. Contrariando o próprio conceito do espetáculo, na nova versão o espectador revisita ruínas do arrebatamento causado há 15 anos.

Em vez da linguagem de outrora, efervescente em sua mescla de teatro, dança, canto lírico e popular, mágica, butoh e teatro de sombra, a peça parece estar emoldurada por uma estética antiquada.

Rio Ota retoma debates humanitários, os quais, erroneamente, se pensavam resolvidos na ocasião da estreia do espetáculo, retratando o homem e seu entorno arruinado de modo demasiadamente tenro.

A narrativa permanece engenhosa ao conectar personagens de décadas e países diversos, brincando a todo momento com as emoções do espectador ao transitar de forma fluida por drama e humor. Também segue liderada por um belo time de atores, com destaque para Caco Ciocler e Jiddu Pinheiro, presentes na primeira montagem, e Marjorie Estiano, estreando no espetáculo. A reedição entretém — e isso não é pouco em se tratando de um espetáculo de seis horas –, mas aparenta ser uma sombra do que foi. Quinze anos anos depois, o clarão que emana do espetáculo parece um tanto gasto. Rio Ota ressurge em busca de sua própria iluminação.

— — — — -

Sesc Pinheiros (rua Paes Leme, 195). De quinta a domingo, às 18h. De R$ 15 a R$ 30. Até 1/12. Classificação 14 anos.

Revista Bravo!

Bravo!

Written by

Bravo!

Esse é o espaço da redação da Bravo!

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade