Roupas Escultóricas

O artista plástico Iran do Espírito Santo juntou-se à sua irmã, a geógrafa e modelista Marta Espírito Santo e, a partir do pensamento plástico do artista — focado no código geométrico preciso, na intimidade com as dobras, inversões, com os tons neutros, compactos ou diáfanos — criou uma coleção de roupas.

Foto: Mauro Restiffe

O Projeto Roupas materializa a parceria esporádica e de longa data dos irmãos, que não tiveram a intenção de desenvolver uma coleção de moda, mas sim criar peças práticas, usáveis, feita de maneira artesanal e sem o compromisso de atender aos ditames do estilismo tradicional e as regras do mercado, pelo contrário, a proposta é uma obra de experimentação, em processo, que se completa com o seu uso.

Iran desenvolveu as estampas, desenhou as peças e Marta as viabilizou, fazendo a modelagem, testando e definindo os tecidos.

As roupas estarão expostas no ateliê do artista até o dia 15 de abril. O registro das peças, reunidas em um catálogo, são do fotógrafo Mauro Restiffe.

Abaixo a conversa da Bravo! com Iran do Espírito Santo

Como nasceu a ideia do projeto Roupas?

Há algum tempo, Marta e eu queríamos fazer um trabalho conjunto. Já havíamos colaborado intermitentemente em algumas fases, desde a adolescência, mas foi desta vez que resolvemos fazer algo mais denso, nos dedicando inteiramente a um projeto comum. Alguns elementos do acaso, e também uma disponibilidade mútua, contribuíram para que tivéssemos essa iniciativa agora.

Você tem ligação com a moda, enquanto expressão de um jeito de estar no mundo?

Não particularmente — o que me interessa é bem mais o design em suas diversas modalidades –, moda, como tendência, não me interessa muito, e creio que posso também falar por Marta, que apesar de ter costurado desde a adolescência, também não se interessa muito por moda.

Por outro lado, vestir-se é um forma importante de comunicação, algo que intermedia nosso estar no mundo. Qualquer roupa traz significados, das mais despojadas e simples às mais elaboradas e ostensivas. Tudo comunica.

Foto: Mauro Restiffe

Como foram pensadas as estampas? Com quantos padrões diferentes você trabalhou?

As estampas partem diretamente de meus trabalhos — dos desenhos, pinturas e esculturas. Trabalhei com três padrões diferentes, alterando as cores e a relação de figura e fundo.

Como foi o processo de criação das peças? Foi a quatro mãos?

Sim, completamente. Eu fazia os desenhos, trazia as ideias, e Marta verificava a viabilidade deles, testando em peças pilotos os tipos de tecidos e as proporções, até chegar numa boa forma que fosse condizente com o corpo e o movimento.

O que une você e a Marta? ( além do fato de serem irmãos, claro)

Desde a infância sempre tivemos um grande interesse por arte em geral. Apesar de Marta ser geógrafa de formação e trabalhar com geologia, ela sempre teve interesse por estética e pelas artes, principalmente o cinema. Desde a adolescência, sempre trocamos essas experiências. Também desde a adolescência, temos uma afinidade política-ideológica que favorece a convivência. Creio que o Projeto Roupas esteja imbuído também de uma preocupação ética, tanto quanto estética, que traduz nossa forma de ver e estar no mundo.

Qual a intersecção desse trabalho com a sua produção de artes plásticas?

Afora a relação mais evidente, das estampas extraídas de meu trabalho, há uma frequência de procedimentos que estão ligados ao meu pensamento espacial e escultórico, como dobras, inversões e volumes originários de planificações, além da paleta de cores.

Foto: Mauro Restiffe

O que une a moda e as artes plásticas?

Há certamente o universo plástico, da visualidade, que é comum a ambas as práticas, mas creio que a moda atual não tenha muito a ver com artes plásticas, ou com arte contemporânea. Na verdade não me sinto muito qualificado a falar sobre isso, porque como disse antes, pouco acompanho a moda. A meu ver, alguns poucos designers, como Issey Miyake, desenvolvem um trabalho que embora seja utilitário, estão mais próximos da arte — são aqueles que menos seguem tendências e que pensam em forma e função de maneira mais livre e poética.

Qual foi a sua maior preocupação nesse trabalho?

Foi ter o mesmo rigor na concepção e produção que aplico aos meus trabalhos. Como é uma atividade muito nova para mim, isso foi bastante desafiador.

Além das roupas em si, uma parte importante desse projeto foi a colaboração de Mauro Restiffe, que fotografou para o catálogo, e Claudio Novaes, que fez programação visual. Anne Cerutti também trouxe uma grande colaboração através de sua experiência como figurinista, por ter tido um olhar externo de interpretação de nossas ideias.

Like what you read? Give Helena Bagnoli a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.