Soma de submundos

Artistas malditos do teatro brasileiro potencializam-se em "Barrela", primeiro texto de Plínio Marcos encenado por Mário Bortolotto

Bravo!
Bravo!
Nov 28 · 2 min read
Foto: Cristina Jatobá

Por Gabriela Mellão

O submundo de Mário Bortolotto encontra-se com o submundo de Plínio Marcos. Encontro provável o destes dois artistas malditos do teatro brasileiro, pela preferência de ambos à realidade crua e violenta dos marginalizados, e que nunca tinha acontecido.

Plínio Marcos foi o primeiro autor do país a colocar personagens relegados da sociedade como protagonista. À sua maneira, inspirado pela rebeldia beat, Bortolotto flerta com o mesmo universo. O resultado desse encontro é Barrela, primeira peça de Plínio Marcos (1948), homenagem de Bortolotto aos 20 anos de morte do dramaturgo santista.

Barrela nasce de um impulso de indignação, a partir da história real de um garoto de Santos que foi preso e violentado numa cela de prisão. O autor nunca havia pensado em escrever para teatro. Não tinha familiaridade com a linguagem da cena. Escreveu num jorro, sem preocupação com forma, conteúdo ou erros de português, tendo a seu favor apenas intimidade com as histórias ouvidas na boca da malandragem.

A força de Barrela encontra-se justamente nessa aparente imperfeição. É sobretudo através dela que o clima de violência se instaura e a precariedade social e emocional dos personagens se evidencia. Bortolotto trabalha como poucos o realismo. Sempre fiel aos autores que encena, transpõe o texto integralmente à cena, inclusive gírias e outras expressões que hoje soam datadas, mas atém-se principalmente ao que escapa às palavras, à força intangível da obra, à verdade das atuações, tendo como suporte um elenco (encabeçado por ele próprio) de tipos heterogêneos que se destaca por igual, em que cada ator soma individual e coletivamente.

O submundo de Plínio Marcos se atualiza ao ser recriado pelo submundo de Bortolotto. Nesta união, ambos se potencializam explodindo a força do teatro realista e o desamparo dos excluídos.

— — — — —

Teatro Cemitério de Automóveis (Rua Frei Caneca, 384), sextas e sábados, às 21h e domingos, às 20h; até 22/12. R$ 40. Classificação: 16 anos

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Bravo!

Written by

Bravo!

Esse é o espaço da redação da Bravo!

Revista Bravo!

A Bravo! olha para as fronteiras do fazer artístico, dá acesso à nova arte, dialoga com os artistas e com o público que consome arte, debate tendências e sonha curadorias.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade