A Falta

Não quero chegar no dia
Em que chorarei luto eterno
Quando seus timbres não ecoarem mais
E suas mãos estiverem geladas e inertes

O sol nunca mais brilhará como hoje
E toda chuva será ácida,
Lixiviando meu solo
Com ardência em cada gota.

Todo o sentido do mundo irá sumir
Meus jogos de solidão serão reais
E meu destino
Será dormir em cantos vazios,
Em idiomas diversos
Buscando qualquer significado
Pra não morrer mais de uma vez.

Porque quando se morre,
Em inúmeros aspectos,
Quebra-se pra sempre
Mas você é base de amor
Concreto de raízes no centro da Terra
Não quebrarei por ti
Somente por ti
Pois sei que em algum lugar
Continuará a pulsar

Lucas Pintto