Editorial

Sobre a edição especial pós-pornográfica da Rosa


Quando Pedro Costa conversou conosco sobre a possibilidade de uma Rosa especial Pós-Pornografia, ficamos muito animadxs. Primeiro, porque sabíamos que Pedro reuniria um material de grande qualidade. Segundo, porque o assunto e as ideias que tivemos nos levava de volta a uma estética e iniciativa mais punk, do jeito que a gente gosta. E, por último, porque tudo isso nos incentivou a imprimir a Rosa, algo que sempre desejamos e que só foi possível com esse resgate do Faça Você Mesmo.

A Rosa continua sendo distribuída gratuitamente em versão digital (revistarosa.com.br), mas agora também assume a forma impressa, disponível a partir de janeiro de 2015. Parte da venda desta edição será revertida ao Coletivo Coiote, que está presente aqui com texto e fotos. Junto com eles também estão colaborações de Giorgia Conceição, Jota Mombaça, Lurya Grimm, Maria Eduarda Ramos, FerNanda Nogueira e Taís Lobo, além do próprio Pedro Costa.

Em alguns textos, optamos por manter, a pedido dxs autorxs, desvios gramaticais que muitos podem considerar erros. Mas a decisão é consciente e dialoga com a proposta queer: se é para desviar e quebrar normas, que isso reflita também na linguagem. E, no caso da edição impressa, que reflita nos diferentes formatos e texturas de papéis e na variação de cores. Afinal, somos diversxs.

Boa leitura,

Felipe Miguel
Thiago Barbalho
Liziane Sutile
Juliano Fernandes

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.