A inevitabilidade das profecias em O Mundo de Quatorian

Lucas Machado
Jan 17, 2018 · 5 min read

Sobre

Autora: Cristina Pezel

Editora: Mundo Uno; Edição: 1ª (11 de setembro de 2017)

Capa comum: 280 páginas

Onde comprar: Amazon (Físico/E-book)

Resenha

Teriva de Khor é um jovem predestinado há um futuro glorioso desde o início de sua história, mesmo que seu choro anunciará a morte de seu pai há quilômetros de distancia do local de seu nascimento. Togevus de Khor perderá a vida no Post-Marana, uma batalha em que homens controlam feras colossais até a queda de um. Contudo, a família Khor não perderá apenas um membro, mas também todo seu prestígio social e sua fortuna. O algoz do pai de nosso jovem protagonista é Vorten Mibos, um forte e excêntrico cavalheiro que põe suas decisões e sua sede de poder acima de tudo e de todos.

Desde sua infância, o grande sonho de Teriva é chegar ao posto de guardião e cumprir os nove sóis azuis — anos na cultura de Quatorian — na Fronteira de Endi, no Castelo Branco. Mas, para alcançar o seu objetivo e devolver o prestígio a sua família, Teriva deve passar por outras etapas que todo jovem de Quatorian deve passar, medindo a sua força e também a grandeza de seu destino. Ao longo de seu caminho, nosso pequeno herói descobre não apenas o grande potencial que há dentro de si, mas também sentimentos que todo jovem descobre em certa idade. As primeiras borboletas no estomago, a primeira desavença com um amigo, encarar o primeiro “valentão”, dentre muitas outras acontecimentos que são retratados em sua trajetória.

O que Teriva não sabe é que por trás de todos os acontecimentos que o cercam, existem mistérios e profecias rondando não apenas sua aura, mas também a de todo os cidadãos de Quatorian. O destino de gerações está nas mãos de um plano maligno que pretende acabar com a paz que fora estabelecida desde a Guerra Última, em que o combate foi proibido. O retorno de bestas que não habitam mais as terras de Quatorian que foram banidas para além da Fronteira é o prenúncio do fim de uma Era e o início de uma nova Era.

Teriva e seus companheiros devem se preparar para o início do fim que se aproxima de suas almas, o seu primeiro objetivo é apenas algo pequeno perto do que estar por vir. O seu grande inimigo foge das fraquezas humanas, vai além da bestialidade e do sobrenatural. Sua chegada é anunciada pela vívida cor laranja da lava que percorre a montanha e acaba com tudo que está perto. A profecia irá se cumprir, mas será que seus envolvidos estão preparados? Descubra em “O Mundo de Quatorian”.

“A tristeza de Maron e dos viajantes no trecho final fora algo duro de suportas, e, três sóis-azuis depois, o retorno pela mesma estrada fazia as lembranças desagradáveis da perda dos rapazes que haviam cumprido sua missão leamente em Crystallos.”

Veredito

Em “O Mundo de Quatorian” temos uma envolvente e corajosa história que narra a trajetória do herói de Teriva de Khor em sua mais tradicional forma. A autora se faz corajosa por abdicar dos tradicionais combates que rondam livros de fantasia épica, pois a mesma opta por dar uma maior complexidade para os seus personagens, enchendo-os de bons diálogos e, o melhor, de vivências que se assemelham as nossas, fazendo com que nosso jovem protagonista fique cada vez mais perto de nós.

A escrita de Cristina é fluída, bem descritiva e consegue fazer com que você visualize bem Quatorian. Por mais que a narrativa seja lenta por conta da falta de acontecimentos grandiosos durante boa parte do livro, o mesmo constrói a sua proposta de forma eficaz, de “grão em grão”. Tanto que ao final do livro conseguimos visualizar toda a trajetória linear que nos é contada pela mesma, fazendo com que a jornada do leitor faça muito sentido.

O universo de Quatorian é muito bem aproveitado, somos levados de uma ponta a outra, a autora utiliza o mapa que a mesma criou ao longo da história de forma primorosa.

Os personagens são muito cativantes, eles possuem muitos questionamentos internos por serem crianças/adolescentes, por isso muitos possuímos muitos sentimentos em comum, gerando uma grande identificação. Até os coadjuvantes da história conseguem ter um destaque, fazendo com que eles façam sentido para a história, que suas contribuições não sejam em vão. O vilão possui um dos arcos mais bem construídos da história, pois no começo você o vê como um homem comum, com alguns excessos, mas ao longo de sua trajetória você acompanha a sua transformação, de “grão em grão”, até que no final seus excessos se transformaram em loucura total e você vê um grandioso vilão.

A edição do livro é confortável para a leitura, a capa do mesmo dispensa comentários, pois sem sombra de dúvidas é a mais bonita dos nacionais recém lançados. O trabalho do ilustrador “Camaleão” é primoroso e envolvente, conseguiu dar vida a um dos episódios do livro de forma muito eficaz e poderosa. Além da capa, há edições também durante a história, fazendo com que a sua imaginação ganhe mais ainda potência ao visualizar os personagens narrados.

“O Mundo de Quatorian” é um livro que consegue fazer com que o leitor cultive a nostalgia dos seus primeiros momentos ao mesmo tempo em que Teriva, Vinich e Julenis passam por eles. Os grandes mistérios a serem resolvidos e descobertos deixados para o Volume II faz que o primeiro livro seja um ótimo livro de apresentação do grandioso mundo de Quatorian e de seus personagens. O livro é, sem sombra de duvidas, uma narrativa que te cativa não pelo sangue que banha a espada, mas sim pelos bons sentimentos que a mesma gera em cada leitor.

Nota: 4.0/5

  • Trama — 0.5/1
  • Personagens — 1/1
  • Originalidade –1/1
  • Edição — 1/1
  • Ponto Extra — 0.5/1

Revista Subjetiva

Tudo aquilo que você não encontra na grande mídia.

Lucas Machado

Written by

Cientista social, professor de Sociologia, criador da Revista Subjetiva e debatendo sobre masculinidades no podcast Homem Também Chora.

Revista Subjetiva

Tudo aquilo que você não encontra na grande mídia.

More From Medium

More on Medium Brasil from Revista Subjetiva

More on Medium Brasil from Revista Subjetiva

Quando a música desperta sensações

More on Medium Brasil from Revista Subjetiva

More on Medium Brasil from Revista Subjetiva

Sentimentos de reminiscência

More on Literatura from Revista Subjetiva

More on Literatura from Revista Subjetiva

casa nunca foi um lugar

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade