Anseios II: Leve-me esta noite

Eu quero sentir a temperatura do teu corpo encontrando o ponto de equilíbrio ao se misturar com a temperatura do meu, como se fossem corpos-amigos. Quero ouvir tua respiração ofegante, lenta e flamejante dizendo o quanto esperava por tudo isso — até as palavras.

Quero segurar a tua mão e sentir que nossos dedos estão tão apertados como se a própria Afrodite tivesse nos enlaçado de corpo e alma.

Quero que force-me na parede mais próxima do inferno que é sentir esse amor nuclear.

Phazed

Morrer a cada metro de distância e ressuscitar a cada novo olhar. Ter ou viver é pouco para o que á dentro de mim.

Você é a homogeneidade de todos os sentimentos mais lindos, chega a ser cruel todas essas virtudes num só homem. Tuas características são o conjunto perfeito, são elas que descompassam meu peito.

Tua grandiosidade faz da terra um lugar habitável e faz de mim a mulher que eu nunca fui.


Não te peço ou imploro, eu te ordeno dentro de mim, á tudo de ti que habita meu interior: não mate-me agora e nem assim. Eu mereço o último suspiro dessa nebulosa experiência.

Por qual motivo A Divindade me fez assim, se não, para gozar da minha inútil existência? Então que ao menos uma vez eu me faça útil. Há ti, toda sórdida utilidade.

De todas, a minha real vontade é de te sufocar, com tudo que você me sufoca, com todas as palavras que carinhosamente me golpeiam, com todo os toques, quero que sua respiração pare como a minha parou. Fazê-lo sentir o doce desespero de amar e não saber se é amor, ou que seja, mas será que vale a tentativa?

As mãos que tiram minhas roupas são as mesmas que tiraram-me a Sorte e o Azar de viver na plenitude sem você. Aquelas que fizeram de mim a vitima desse crime.

Agradeço a dádiva de te ter, agradeço aos Deuses por você. Agradeço pela forma como você me abraça, pela forma como você me olha e sobretudo pela forma como você me fez olhar o mundo.

Pulsar vontades e viver de miragens.

Quem nos pôs em ação? Tuas mãos? As nossas entranhas? Tão novas e já flutuam sem medo de cair. O sentimento de inconsequência vem de cortesia quando o assunto é você.


Se eu fosse imortal, tivesse passado por todos os movimentos literários, lido na íntegra todos os grandes clássicos e respirado o ar fértil do modernismo, nem assim eu seria capaz de transcrever em palavras, o que é ter você em cada molécula de oxitocina do meu corpo.

Te amar é como férias de infância naquela velha casa de praia, é assistir os melhores filmes repetidos, ouvir os melhores cantores, ler os melhores autores, ou se balançar num balanço como se o tempo não estivesse passando e ainda ter disposição para te sentir o quanto florescemos a cada segundo.

Phazed

Não olhe-me somente enquanto estiver quente. Você não entende, mas por favor, tente. Sobre a gente, não precisamos ser sempre ferventes. Quando estiver frio até nevar, eu ainda irei te amar.

Um delírio tentar definir a grandiosidade do amor. Um desrespeito querer descreve-lo em meia duzia de palavras soltas. Mesmo que depois de ti eu só tenho vontade de falar sobre você. Todos os dias quando te vejo, repito: minha calma á de prevalecer!

Não á palavras que descrevam o tremor que nasce quando você me toca, quando suas mãos me acolhem, quando seus dedos dançam a nossa canção pela extensão da minha pele – que só aquece.

Eu poderia beijar cada átomo do seu corpo e depois beija-los de novo. Como quando colho um broto e me aproximo para sentir seu perfume, me aproximarei de tua pele até que ela me empurre.

Esta noite eu não vou visitar seus sonhos. Hoje eu vou fazer-te viver os meus, aqueles que se misturam entre sentimentos e anseios! De alma nua, hoje sabes que eu sou tua.


Clique no ❤ e ajude esse texto chegar a outras pessoas!

Deixe o seu comentário ou nos mande um e-mail para rsubjetiva@gmail.com

Também estamos no Facebook, Twitter e Instagram. Segue a gente!

Quer conhecer nossos autores/as? Entre aqui.

Quer escrever conosco? Entre aqui.