Do outro lado da rua

Do outro lado da rua
Têm possíveis presentes futuros que eu jamais saberia
Porque o meu caminho é a calçada da esquerda e não há nenhuma explicação ontológica ou semântica.

Do outro lado da rua 
Têm as primeiras gotas
Da nuvens carregadas
Tem a arquitetura desconhecida das portas e dos muros
Porque na volta a calçada da esquerda virou direita e é o caminho que me faz chegar em casa

Do outro lado da rua 
Têm jardins secos
E eu não posso fazer mais do que escrever sobre eles
Porque eu ando do outro lado da rua
Não conheço os donos e tenho esperar passar a chuva

Do outro da rua
Não vejo casais de mãos dadas e penso em você 
Apenas ando
E assim contribuo para o óbvio

O outro lado da rua
Sou eu
É a antítese 
Sou eu a hermenêutica

Do outro lado rua
Detalhes


Clique no ❤ e ajude esse texto chegar a outras pessoas!

Deixe o seu comentário ou nos mande um e-mail para rsubjetiva@gmail.com

Também estamos no Facebook, Twitter e Instagram. Segue a gente!

Quer ter seu texto publicado? Clique aqui.